Projeto Futuro do Presente, Presente do Futuro #64 – Vinícius Neves: Você Nunca Existiu

Vinícius Neves apresenta o 64º ensaio do Projeto Futuro do Presente, Presente do Futuro - Imagens que narram nossa história
Vinícius Neves - Você nunca existiu 2

Você nunca existiu

Você Nunca Existiu não é algo que eu ou meu trabalho pretenda dizer para outras pessoas. É como se um outro ​eu​, projetado fora do meu corpo ou da minha consciência, dissesse esta verdade para mim; o eu autor destas imagens, agente desta vivência no mundo.

Eu poderia remontar a alguns momentos em que as máscaras tomaram minha atenção: em alguns trabalhos desenvolvendo técnicas das disciplinas n afaculdade de artes plásticas, ou quando, nesta época, me deparei com “A representação do eu da vida cotidiana” de Goffman, ou no colégio, utilizando atadura de gesso para reproduzir meu rosto, alguns personagens de filmes ou novelas que, por alguma razão utilizavam máscaras.

Contudo, tentando retomar o momento de fundação deste meu fascínio pelo tema, creio que a memória mais distante, seja da infância, quando eu me pegava pensando no quão estranho e enfadonho seria imaginar viver uma vida inteira sendo sempre uma única pessoa. “Por que não ser vários?”, perguntava a mim mesmo silenciosamente, divagando enquanto deveria estar realizando alguma atividade infantil.

Acho que todas essas memórias sobre máscaras e personas criam um​ continuum​ que jamais se dissipou, mas só agora, aos 35 anos, posso olhar para este tema com alguma maturidade e, finalmente, dando vasão às possibilidades de explorá-lo plasticamente por meio de imagens fotográficas. Meu eu-criança estava certo: não podemos viver uma vida inteira sendo a mesmapessoa. É uma façanha de impossível realização. Somos muitos, numa eterna descamação da ilusão do eu​ imutável, centralizador da nossa existência particular.

Não é novidade, hoje sabemos. Teóricos de várias vertentes das humanidades há muito já sepultaram o ​eu ​estático, essencial. Mas, calma, não precisamos chorar neste enterro: para que um único possa ser desfeito, muitos outros precisam renascer a todo momento.

A série Você Nunca Existiu é resultado de vários processos subjetivos que, em meio à pandemia que estamos vivendo, puderam traçar uma linha condutora entre várias ideias engavetadas no passado e que, somente agora, puderam ser compreendidas a ponto de poderem se materializar. Trata-se da efemeridade, ou do caráter perecível, das camadas que sobrepomos à nossa existência, junto com aquelas outras impostas pelo mundo exterior e que, nesta adequação vamos nos constituindo a partir das singularidades. Você nunca existiu.

Este aspecto determina a utilização dos materiais com os quais são feitas as máscaras e/ou a indumentária de cada imagem: sempre frágeis, descartáveis, de fácil deterioração ou inconsistência na capacidade de convencer de que se trataria de uma pele real, mas nem por isso, fundamental para o(s) ​eu​(​s​)​ ​que jaz(em) sobre elas.

Vinícius Neves - Você nunca existiu 1
Vinícius Neves - Você nunca existiu 2
Vinícius Neves - Você nunca existiu 2
Vinícius Neves - Você nunca existiu 2
Vinícius Neves - Você nunca existiu 3
Vinícius Neves - Você nunca existiu 3
Vinícius Neves - Você nunca existiu 3
Vinícius Neves - Você nunca existiu 3
Vinícius Neves - Você nunca existiu 4
Vinícius Neves - Você nunca existiu 4
Vinícius Neves - Você nunca existiu 4
Vinícius Neves - Você nunca existiu 4
Vinícius Neves - Você nunca existiu 5
Vinícius Neves - Você nunca existiu 5
Vinícius Neves - Você nunca existiu 5
Vinícius Neves - Você nunca existiu 6
Vinícius Neves - Você nunca existiu 6
Vinícius Neves - Você nunca existiu 6
Vinícius Neves - Você nunca existiu 7
Vinícius Neves - Você nunca existiu 7
Vinícius Neves - Você nunca existiu 7

.

Minibio

Nome artístico: CalmaTormenta

Meu nome é Vinícius Neves, nascido em Conceição do Coité, interior da Bahia. Moro em Salvador desde 2002. Cursei o Bacharelado em Artes Plásticas, na Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia entre 2005 e 2010. Logo em seguida, estudei Licenciatura em Letras Vernáculas e Mestrado em Língua e Cultura, no Instituto de Letras da mesma universidade.

Costumo dizer que sempre fui das imagens e das letras. Isto mostrava já na época de estudante de artes, quando, ao final do curso, encontrei meu lugar no mundo ao descobrir a fotografia e experimentar seu uso acompanhado por algumas sentenças verbais.

Desde esta fase, já produzia meu caminho na fotografia utilizando meu próprio corpo como objeto, o que se deu por dois motivos: me interessa esta observação do mundo por meio da auto-observação; sempre fui um lobo da estepe, transitando pelos espaços quase sempre sozinho. Meu trabalho jamais consegue fugir a certa melancolia deste sentimento de estar sozinho no mundo, o que antes era doloroso, mas que hoje é vivido com a sabedoria que somente o tempo pode trazer.

.

Para conhecer mais o trabalho do artista

https://www.instagram.com/calmatormenta/

.

O projeto Futuro do Presente, Presente do Futuro é um projeto dos Jornalistas Livres, a partir de uma ideia do artista e jornalista livre Sato do Brasil. Um espaço de ensaios fotográficos e imagéticos sobre esses tempos de pandemia, vividos sob o signo abissal de um governo inumanista onde começamos a vislumbrar um porvir desconhecido, isolado, estranho mas também louco e visionário. Nessa fresta de tempo, convidamos os criadores das imagens de nosso tempo, trazer seus ensaios, seus pensamentos de mundo, suas críticas, seus sonhos, sua visão da vida. Quem quiser participar, conversamos. Vamos nessa! Trazer um respiro nesse isolamento precário de abraços e encontros. Podem ser imagens revistas de um tempo de memória, documentação desses dias de novas relações, uma ideia do que teremos daqui pra frente. Uma fresta entre passado, futuro e presente.

Outros ensaios deste projeto: https://jornalistaslivres.org/?s=futuro+do+presente

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Hoje Maria Marighella é a entrevistada no Programa JORNALISTAS LIVRES ENTREVISTA. Atriz, mãe, militante e produtora cultural. Herdeira de uma família de tradição militante. Maria

Quem segura essa quebrada

Quem segura essa quebrada?

O Café com Muriçoca de hoje traz duas indicações de livros: “Viela Ensanguentada”, de Wesley Barbosa, e “O Pé que ficou naquela estação”, de Nina Barbosa.

A POSSE, COMO CULTURA

Augusto Boal (in memoriam 2002) nos lembra a importância da ocupação das ruas e espaços públicos pela cultura. E por meio dela, transmitir pelos sentidos – e não só pela razão – a transformação de palavras e promessas.