Porque temem Vitória

Em março de 2016, Victoria Tauli-Corpuz, relatora das Nações Unidas sobre direitos dos povos indígenas, visitou várias aldeias em regiões diversas, no Brasil.

Victoria Tauli-Corpuz segura a mão de Valdelice Veron e seu povo ameaçado, dançam em volta de mais um túmulo que brota em antigas terras tradicionais dos Guarani.

Repudiou assassinatos e ataques constantes às comunidades do Mato Grosso do Sul, pedindo providências urgentes das autoridades.

 

Naquele momento, Dilma Rousseff ainda estava no governo e o assassinato de  indígenas Guarani Kaiowá estarrecia a nação, denúncias de longa data. O governo de Michel Temer nada fez contra o genocídio denunciado. 

Victoria Tauli-Corpuz recebe documentos de velhos caciques, relatos fartos dos que padecem.

Jair Bolsonaro, insensível à questão tão grave, esforça-se para o enfraquecimento de Victoria Tauli-Corpuz, segundo notícia publicada no UOL,  esse enfraquecimento da relatoria minaria a capacidade de grupos indígenas de levar suas denúncias à entidade internacional. O argumento seria que, com a ampliação do mandato de outros mecanismos dentro da ONU, não haveria a necessidade de manter uma relatora exclusivamente ao tema.

 

A relatora das Nações Unidas dançou e chorou com os indígenas brasileiros, visitou seus túmulos cavados em terra vermelha, encaminhou as denúncias recolhidas entre os povos à ONU. 

Às vésperas da abertura da Assembléia Geral, em Nova York, onde o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sequer foi convidado para um evento paralelo, a Amazônia Possível, os povos indígenas do Brasil estão perplexos com os gestos e palavras a serem ditas na tribuna em astucioso momento.

 

As maracas tocam nas aldeias, cantam para espantar os maus espíritos.

 

 

imagens por helio carlos mello©

 

Leia também:

 

https://jamilchade.blogosfera.uol.com.br/2019/09/18/indigenas-denunciam-manobra-de-itamaraty-para-esvaziar-seus-direitos-na-onu/

 

O Martírio dos índios Guarani Kaiowá segundo Vincent Carelli

.

 

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Indígenas fecham rodovia no Pará por direitos e contra o Marco Temporal

Centenas de indígenas, de diversos povos da região do Baixo Tapajós, no Oeste do Pará, ocuparam a BR-163 na manhã desta quarta feira (30), na cidade de Santarém, um dos principais polos econômicos da região Norte. O município abriga milhares de indígenas, tanto em aldeias, quando em área urbana. A manifestação de deu contra o PL 490 e o marco temporal, dispositivos legais que fragilizam os povos indígenas e seus territórios.

Dançando sobre a recusa

Ouço as maracas, sofisticado instrumento, simples na intenção de percussão e oração, como chocalho de cascavel, dançando no fronte ao STF, ao vivo, tão distantes

>