Corpo de Rua. Pelos labirintos do corpo

Documentário Corpo de Rua vai além das narrativas prontas sobre a Cracolândia
Corpo de Rua
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Documentário Corpo de Rua vai além das narrativas prontas sobre a Cracolândia.

“O território é nosso corpo, nosso espírito”, diz o poeta Fábio Rodrigues ao recitar um de seus textos no documentário Corpo de Rua. Invertendo a ordem das palavras podemos chegar ao que talvez seja a essência do filme – a exploração desse território que é o corpo, que se confunde com a rua.

Assista aqui Corpo de Rua:

.

É partir do ato de sorrir que os diretores Pedro Santi e Gustavo Luizon entram nesse espaço que é físico, mas não está delimitado apenas pela pele – também existe no impacto que esses corpos causam no ambiente.  Os depoimentos de Fábio e Cleiton a respeito das dificuldades de mostrar os dentes nos momentos de alegria são uma chave preciosa de entendimento de como asfalto e carne se misturam. A condição social marcada no rosto.

Corpo de Rua

A geografia dos corpos – onde a cor da pele é fundamental – se confunde com o relevo do espaço físico: onde esses rostos podem aparecer, por quais ruas essas pernas são permitidas caminhar, as chances dessa carne ser confinada. A falta dos dentes aparece como elemento determinante no processo que levou Kawex à cadeia.

Como o palhaço Flávio faz questão de frisar em sua aparição no filme, o rapper foi preso por “um crime que não é crime” – desacato à autoridade. Apesar do documentário não chegar a mais detalhes do que isso, lembremos que Kawex foi acusado de cuspir em um policial. Em sua defesa, ele negou a intenção, disse que a saliva escapou pelos dentes que não existem mais na parte da frente.

Corpo de Rua

.

Mesmo tendo sobrevivido a esse nível de humilhação feita pelo Estado, o rapper aparece com o olhar firme diante da câmera. Pela sua vivência nesse território em movimento da Cracolândia, os diretores conseguem trazer as vulnerabilidades mantendo a dignidade e o protagonismo dos personagens.

É notável ainda a capacidade, não só de desviar dos clichês que simplificam a vida dos contadores de histórias mais preguiçosos, como também a possibilidade que o filme apresenta de mostrar o esforço necessário dos frequentadores do fluxo para se desembaraçar das narrativas externas criadas sobre eles. Ao mostrar esses nós, o documentário constrói uma trama que não traz soluções prontas, mas joga uma linha para não se perder nos labirintos do preconceito e violência.

.

Texto: Daniel Mello

Imagens retiradas do filme.

Daniel Mello é jornalista, documentarias e poeta. Faz parte do coletivo A Craco Resiste

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

>