Futebol e violência contra a mulher na pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

ARTIGO

Camille Cristina, mestranda em História pela UERJ/FFP, e Daniel Pinha, professor do Departamento de História da UERJ

Na fala de Renê Simões a normalização do machismo se faz presente de diversas formas. Em primeiro lugar, considera que o contexto “enlouquecedor” da quarentena criaria uma condição de estresse capaz de justificar a violência contra a mulher. O futebol – e não importa se em tempos de pandemia há exposição da saúde dos atletas nos treinos e jogos – serviria como uma espécie de “circo”, espetáculo, capaz de entreter e “acalmar” ânimos violentos. Como se o público consumidor do futebol fosse só de homens, algo que contraria o crescimento do esporte entre mulheres, que jogam e assistem. Reforça a máxima do “futebol é coisa de homem”, algo ainda mais grave quando proferido por um ex-treinador da Seleção feminina de futebol.
Por fim, ele fala de amigos que já separaram, outros bateram… O grau de naturalização da violência é tamanho que ele fala de crimes cometidos por amigos como se isto fosse normal – pessoas próximas, com quem ele tem relação afetiva. Aliás, se ele soube de agressão a mulheres neste contexto de pandemia, por que não denunciou à polícia? Ou será que ele trabalha com a lógica machista de que em “em briga de marido e mulher não se mete a colher”?
Em suma, a violência contra a mulher se revela nos gestos, mas também em discursos de normalização como o de Renê: “Vamos colocar homens correndo atrás de uma bola, para que outros homens assistam e parem de bater em suas mulheres por causa do estresse da quarentena”. Uma atitude que ainda é muito presente, infelizmente, na cultura futebolística brasileira.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

  • Fiquei horrorizado com o comentário do René Simões. Ninguém conhece ninguém, esse senhor teria que ser alijado dos gramados. Principalmente para treinar mulheres, machista inveterado. Aliás esse René só abre a boca para falar bobagens, em várias entrevistas dele, não aproveita nada do que ele fala. Homem sem nenhuma empatia. Acho que a humanidade realmente não deu certo. Em pleno século 21 ainda vemos declaração machista de cara que foi treinador da seleção feminina de futebol. Feminicidio só crescendo e uma pessoa público falar uma barbaridade dessa. Onde vamos parar???

  • POSTS RELACIONADOS

    >