Diário do Bolso: que discurso!!!

José Roberto Torero*

Diário, o discurso de ontem foi o meu melhor até hoje! Xinguei a imprensa, o Dráuzio Varela e um monte de governador.

Falei que o coronavírusé uma “gripezinha”, um “resfriadinho”, me elogiei e prometique a cura estava chegando.

Xingamento, autoelogio e promessa. Esse sou eu, kkk!

O que eu quero é acabar com esse negócio de quarentena. O Olavo me garantiu que ninguém morreu de coronavírus. E o Olavo tá sempre certo. Ele entende mais de astronomia que astrônomo, mais de filosofia que filósofo, mais de medicina que médico, mais de sanitário que sanitarista.

De qualquer forma, acho que a subnotificação vai me salvar. Quando chega alguém suspeito de ter a doença num hospital, mandam o cara para casa sem fazer exame nenhum. Só aceitamquem tá quase morrendo. Então o número oficial de casos no Brasil vai ser baixinho. De dez a quinze vezes menos do que o número real, dizem uns médicos aí.

A ideia de fazer esse discurso foi do Carluxo. Ele disse que o nosso gado, ops, quer dizer, os nossos apoiadores ficaram sem argumento e estavam sumindo das redes sociais. Então eu precisava dar uma injeção de ânimo nos caras.

Ele e mais uns assessores passaram o fim da tarde ajeitando o discurso comigo. A parte que eu gostei mais foi a do “histórico de atleta”. Se bem que teve dois garotos da equipe que quiseram fazer gracinha.

Umdisse: “Presida, você é campeão olímpico de flexão de pescoço”.

E o outro falou: “O histórico de atleta do Capitão é que nem o do Valdívia: passa o tempo todo na enfermaria”.

Despedi os dois na hora.Piadinha comigo não, violão!

O Carluxo me garantiu que os robôs iam fazer o #BolsonaroTemRazãodominar o Twitter. Só que quem ficou em primeiro lugar nos “trendingtopics mundial” foi o #ForaBolsonaro. Tem que ver isso daí, pô!

Mas o pior foram os comentários.

Teve coisa do tipo: “Vamos combinar assim: bolsonarista vai pra rua, comunista fica em casa”.

Ou então: “Se o Presidente estivesse no paredão de hoje do BBB, já tinha caído”.

E o pior de todos: “Já que o cara assina coisa sem ler, podiam deixar uma carta de renúncia na mesa dele”.

Fiquei até meio ressabiado, Diário. Por via das dúvidas, não vou assinar nada por esses dias.

@diariodobolso

*José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

PS: Chega de panelaço!

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: “se gritar ‘pega Centrão’, não fica um”

O general Augusto Heleno, que cantou “Se gritar ‘pega Centrão’, não fica um, meu irmão…”, agora diz que o Centrão nem existe. Acho que ele vai trocar a letra dessa música pra alguma coisa assim: “Se gritar ‘pega Centrão’, o governo inteiro levanta a mão…”

Diário do Bolso: entupido e não cheirando bem

Os canhotos riem, mas esse meu entupimento veio bem a calhar. Como estou com cagaço de enfrentar essa CPI da covid, aproveitei o meu estado descocomentoso pra me fazer de vítima. Aquela foto de mim cheio de tubo já foi isso. Porque o meu marquetim é esse: quando não tô matando, tô morrendo.

Diário do Bolso: a esquerdalha ri do meu soluço, hic

Teve um sujeito que, hic, disse que o Lira tinha que botar o, hic, pedido de impitimem em pauta, que aí o susto, hic, ia me curar. E outro respondeu que melhor ainda seriadizer que, hic, tinham recuperado as, hic, mensagens do celular do Dominghetti.