Diário do Bolso: meu melhor amigo é meu inimigo

José Roberto Torero*

Diarinho, liberei as academias de ginástica, salões de beleza e barbeiros. Disse que tudo isso era serviço essencial e agora eles vão poder trabalhar.

Com dois caras bufando lado a lado, com aquela mulherada falando e com um barbado cara a cara com outro, não tem erro: o bicho vai se espalhar.

Pra mim, quanto pior, melhor. Se morrer muita gente, vou dizer que o isolamento dos governadores não adiantou nada. Se todo mundo ficar desempregado, vou dizer que eu tentei manter a economia funcionando, mas os prefeitos é que não quiseram.

O que eu não posso é concordar com prefeitos e governadores, senão não vou ter em que botar a culpa.

O meu negócio é ter inimigos, talkei?

A não ser o pessoal do Centrão, que agora todo mundo lá é meu chapa. Começando pelo Roberto Jefferson e o Valdemar Costa Neto.

E não posso esquecer do deputado federal Sebastião de Oliveira, do PL de Pernambuco. Esse virou amigão do peito. Tanto que ele foi o primeiro a nomear alguém para o governo, na direção do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas. É claro que ele está sendo investigado por desvios num contrato de R$ 190 milhões, mas e daí? O importante é que ele vai acabar a seca. Pelo menos com a dele, kkk!

Ainda vou liberar cargos num monte de lugar, como no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Esse treco não tem importância nenhuma, mas o orçamento é de R$ 29,4 bilhões. O pessoal vai mergulhar de cabeça nesse dinheiro. Ainda bem que é Fundo. Fundo, pegou?

No total, o Centrão vai dominar 178 bilhões. Duvido que o Maia consiga meimpichar, kkk!

Agora, Diário, uma coisa que me deixou preocupada nesse treco de amigo e inimigo é que tão me comparando com o Lula.

Dizem que eu e ele temos filhos investigados, que eu e ele temos língua meio presa, que eu e ele fomos contra o Plano Real, que eu e ele compramos o Centrão, que eu e ele odiamos a Globo, que eu e ele somos inimigos do Moro, que eu e ele tentamos barrar investigações pelo STF, que eu e ele elogiamos o Maduro, que eu e ele ficamos dizendo “Cadê as provas?”.

Pô, Diário, por via das dúvidas, vou no barbeiro agora mesmo.

*José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

@diariodobolso

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: “se gritar ‘pega Centrão’, não fica um”

O general Augusto Heleno, que cantou “Se gritar ‘pega Centrão’, não fica um, meu irmão…”, agora diz que o Centrão nem existe. Acho que ele vai trocar a letra dessa música pra alguma coisa assim: “Se gritar ‘pega Centrão’, o governo inteiro levanta a mão…”

Diário do Bolso: entupido e não cheirando bem

Os canhotos riem, mas esse meu entupimento veio bem a calhar. Como estou com cagaço de enfrentar essa CPI da covid, aproveitei o meu estado descocomentoso pra me fazer de vítima. Aquela foto de mim cheio de tubo já foi isso. Porque o meu marquetim é esse: quando não tô matando, tô morrendo.

Diário do Bolso: a esquerdalha ri do meu soluço, hic

Teve um sujeito que, hic, disse que o Lira tinha que botar o, hic, pedido de impitimem em pauta, que aí o susto, hic, ia me curar. E outro respondeu que melhor ainda seriadizer que, hic, tinham recuperado as, hic, mensagens do celular do Dominghetti.