Diário do Bolso: lista de coisas para o golpe

José Roberto Torero*

LISTA DE COISAS PARA O GOLPE

 

– Arranjar um advogado que diga que o golpe está certo – Ives Gandra – OK.

 

– Arranjar um PGR que diga que o golpe não é golpe – Aras – Ok.

 

– Comprar o Centrão – OK.

 

– Botar um monte de dinheiro em sites de direita – OK.

 

– Fazer uma polícia só minha – OK.

 

– Promulgar leis que facilitem compras de armas e munições pela minha turma – OK.

 

– Manter as manifestações e os rolês de fim de semana para minha turma ficar esperta – OK.

 

– Andar a cavalo para ficar com cara de líder – OK.

 

– Conseguir que as manifestações contra mim sejam vistas como baderna – OK.

 

– Mandar o Olavo falar todo dia em golpe militar – OK.

 

– Visitar quartéis – OK.

 

– Deixar a covid crescer – OK.

 

– Botar a culpa do crescimento da covid nos governadores – OK, mas reforçar.

 

– Começar a dizer que a covid só vai ser vencida se houver um controle único – artigo do Mourão – OK.

 

– Mandar uns caras nas manifestações da esquerda fazerem quebra-quebra – Cuidar disso daí pro próximo fim de semana.

 

– Arranjar algum tipo de atentado contra mim. Pode ser um tiro ou alguma medida do STF (facada não vale, que já foi). – Tem que ver isso daí.

 

#diariodobolso

*José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: “se gritar ‘pega Centrão’, não fica um”

O general Augusto Heleno, que cantou “Se gritar ‘pega Centrão’, não fica um, meu irmão…”, agora diz que o Centrão nem existe. Acho que ele vai trocar a letra dessa música pra alguma coisa assim: “Se gritar ‘pega Centrão’, o governo inteiro levanta a mão…”

Diário do Bolso: entupido e não cheirando bem

Os canhotos riem, mas esse meu entupimento veio bem a calhar. Como estou com cagaço de enfrentar essa CPI da covid, aproveitei o meu estado descocomentoso pra me fazer de vítima. Aquela foto de mim cheio de tubo já foi isso. Porque o meu marquetim é esse: quando não tô matando, tô morrendo.

Diário do Bolso: a esquerdalha ri do meu soluço, hic

Teve um sujeito que, hic, disse que o Lira tinha que botar o, hic, pedido de impitimem em pauta, que aí o susto, hic, ia me curar. E outro respondeu que melhor ainda seriadizer que, hic, tinham recuperado as, hic, mensagens do celular do Dominghetti.