As três derrotas no “Diário do Bolso”

 

Por José Roberto Torero*

Diário, esta semana começou atravessada. De cara tive três derrotas:

A primeira foi num processo no Rio de Janeiro contra o Jean Wyllys. Eu processei ele por calúnia e difamação. É que numa entrevista o sujeitinho me chamou de “fascista”, “racista”, “burro”, “corrupto” e “ignorante”. Pô, se isso não é calúnia, então eu sou mesmo? Tem que ver isso daí.

Também perdi no STF um processo movido pela Maria do Rosário. Fui condenado a pagar R$ 10 mil. Só porque falei que ela não merecia ser estuprada porque é muito feia. Pô, se eu perdi, o que eu tenho que fazer agora? Dizer que ela é bonita e merece ser estuprada? Aí ela vai me processar por apologia ao estupro. Assim eu fico num beco sem cachorro. Ou será que é num mato sem saída? Tanto faz. A verdade é que não existe petista bonita. É tudo feminista suvacuda!

E a terceira foi na votação da Câmara sobre a lei de acesso à informação. Assim não dá! Qualquer um vai poder saber o que a gente fez? Complica, pô. Se bem que eu acho que o pessoal do Congresso fez isso mais para dizer: “Ó, se não der um mensalãozinho pra gente não vai passar nada, viu?”

Mas essas derrotas são que nem peido: federam mas já ficaram para trás. O importante mesmo vai ser a Reforma da Previdência para o Congresso. Eu sei que vão me torrar o saco porque eu disse que aposentadoria aos 65 anos era um “crime” e uma “desumanidade”. Mas esse negócio de pensar sempre a mesma coisa não é comigo. Sou que nem meu nariz. Eu mudo de vez em quando. Às vezes a gente tem que fazer uma plástica nas ideias, talkey?

Bom, pra não acabar esse dia com tristeza, vou contar aqui uma do Moro:

Ele chegou, fez uma cara bem triste e disse:

  • Poxa, capitão, estou muito chateado…

  • Por que, Serginho? É o negócio dos laranjas do PSL? O treco do Flávio com as milícias? Se arrependeu de perdoar o Onyx?

  • Não, presidente. É coisa muito pior.

  • Descobriu alguma coisa de mim?

  • Não, não é com o senhor. É com o Bebianno. Poxa, capitão, só eu que tenho direito de vazar áudio de presidente.

Eu fiquei um tempo sem saber o que fazer. Aí ele deu uma risadinha e eu entendi que era piada.

Kkkkkk!, o Moro é dos meus! Vou botar essa no zap-zap da família.

@DiariodoBolso

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: “se gritar ‘pega Centrão’, não fica um”

O general Augusto Heleno, que cantou “Se gritar ‘pega Centrão’, não fica um, meu irmão…”, agora diz que o Centrão nem existe. Acho que ele vai trocar a letra dessa música pra alguma coisa assim: “Se gritar ‘pega Centrão’, o governo inteiro levanta a mão…”

Diário do Bolso: entupido e não cheirando bem

Os canhotos riem, mas esse meu entupimento veio bem a calhar. Como estou com cagaço de enfrentar essa CPI da covid, aproveitei o meu estado descocomentoso pra me fazer de vítima. Aquela foto de mim cheio de tubo já foi isso. Porque o meu marquetim é esse: quando não tô matando, tô morrendo.

Diário do Bolso: a esquerdalha ri do meu soluço, hic

Teve um sujeito que, hic, disse que o Lira tinha que botar o, hic, pedido de impitimem em pauta, que aí o susto, hic, ia me curar. E outro respondeu que melhor ainda seriadizer que, hic, tinham recuperado as, hic, mensagens do celular do Dominghetti.