Sanaúd – Juventude Palestina pede que Milton Nascimento boicote Israel

Movimento de boicote acontece no mundo todo e é apoiado por faróis do mundo artístico

Cartaz oficial do show de Milton Nascimento em Israel

Cartaz oficial do show de Milton Nascimento em Israel

Querido Milton Nascimento,

Com admiração pelo seu trabalho e compromisso histórico com lutas por liberdade, justiça e igualdade, pedimos que cancele seu show em Israel, previsto para 30 de junho. Aprendemos com sua música que todo artista tem que ir aonde o povo está. Certamente, o povo não está com o apartheid, a colonização e a ocupação. O coração de estudante, que agora se levanta no Brasil pelo direito à educação, não bate pelo apartheid israelense, que impede esse e outros direitos humanos fundamentais aos palestinos. Os povos da floresta não concordam com a colonização. A “semente da terra” não pode germinar sob o sangue dos oprimidos, o sangue dos palestinos derramado cotidianamente pela ocupação israelense.

Tocar em Israel vai na contramão disso. Significa endossar políticas e práticas racistas, coloniais e de apartheid – ilegais sob o direito internacional. Ademais, o governo israelense apresenta os shows em Israel como um sinal de aprovação a suas políticas. Israel viola sistematicamente o direito internacional ao impedir o retorno dos refugiados palestinos, ao colonizar e ocupar a Cisjordânia e a Faixa de Gaza e ao discriminar sistematicamente os palestinos hoje cidadãos de Israel. As políticas discriminatórias de Israel também se manifestam contra refugiados e migrantes africanos: recentemente milhares de etíopes foram brutalmente reprimidos ao protestarem contra o racismo no país.

Nosso pedido faz coro ao chamado de artistas e da sociedade civil palestina para que artistas não se apresentem em Israel. Entre aqueles que responderam a esse chamado, cancelando seus shows em Tel-Aviv, estão Lauryn Hill, Roger Waters (Pink Floyd), Snoop Dog, Carlos Santana, Cold Play, Lenny Kravitz, Elvis Costello e Linn da Quebrada.

O arcebisbo sul-africano Desmond Tutu, Nobel da Paz, é um importante apoiador desse chamado e explica que apresentar-se em Tel-Aviv é errado, “assim como dissemos que era inapropriado para artistas internacionais tocarem na África do Sul durante o apartheid, em uma sociedade fundada em leis discriminatórias e exclusividade racial”. Apresentar-se em Israel seria como fazer um show em Sun City na África do Sul do apartheid.

Por favor, não ignore esse chamado. Os palestinos não querem mais a morte, têm muito o que viver! Quem cala morre com eles, quem grita vive com eles. A voz que vem do coração diz não ao apartheid!

Para quem quiser conhecer a opinião de Caetanos Veloso sobre Israel, segue link: https://m.folha.uol.com.br/ilustrissima/2015/11/1703012-visitar-israel-para-nao-mais-voltar-a-israel-por-caetano-veloso.shtml

Sanaúd – Juventude Palestina é uma entidade que dissemina informações sobre a juventude palestina no Brasil, a causa palestina e o mundo árabe.

Veja a página do oficial de Sanaúd – Juventude Palestina aqui: https://www.facebook.com/juventudesanaud/?tn-str=k*F

Categorias
DestaquesGeopolíticaGlobalInternacionalResistência
2 comentários:
  • Paulo wolf
    23 maio 2019 at 8:36
    Comente

    Por coerência, deveriam também boicotar o celular, windows e outras invenções desenvolvidas em Israel

  • Nathaniel Braia
    23 maio 2019 at 9:06
    Comente

    Todo apoio ao chamado dos jovens palestinos.

  • Deixe uma resposta