Governo de Israel censura Madonna por exibir bandeira palestina em show do Eurovision

Por Sarah Nafe / Sanaud – Juventude Palestina

Em sua apresentação no Eurovision-2019, em Tel Aviv, a artista causou uma enorme polêmica quando, no final da performance,  colocou dois dançarinos caminhando lado a lado, um usando a bandeira de Israel e o outro a da Palestina. A intenção da cantora foi passar uma mensagem de paz entre os povos, mas a reação do regime israelense foi de criticar a artista por exibir a bandeira palestina em uma transmissão ao vivo. A ministra da Cultura israelense, Miri Regev, considerou isso um “erro”, uma “falha’’, evidenciando a politica antidemocrática, cruel e excludente do Estado de Israel.

Esse posicionamento da artista foi  uma tentativa de ficar bem com os dois lados em conflito, que opõem os ocupantes sionistas e palestinos ocupados desde 1948. Por isso recusou-se a aderir ao movimento BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções), internacional e não violento, que tem como objetivo pressionar Israel por liberdade, justiça e igualdade ao povo palestino, que sofre com as políticas racistas e supremacistas do regime sionista israelense.

O festival foi sediado apenas 70km de onde (Gaza) Israel comete crimes de guerra diariamente contra os palestinos, levando  80% dessa população a  precisar de ajuda humanitária para sobreviver.

Ilustração de Carlos Latuff que mostra um soldado israelense assistindo a Eurovision, sentado em um pilha de corpos palestinos.

Além disso, Israel mantém 1,8 milhão de palestinos em Gaza sob
cerco hermético e ilegal, negando-lhes,  por motivos políticos, direitos humanos essenciais, como acesso à água, comida e medicamentos,  suprimentos distribuídos em abundância aos cidadãos judeus.

Por isso afirmamos que o regime israelense de ocupação militar, colonialismo e apartheid usa o festival anual Eurovision como parte da sua estratégia de ‘Brand Israel’, que tenta mostrar ‘a face mais bonita de Israel’ para desviar a atenção dos crimes de guerra contra os palestinos.

Mas ate mesmo essa estratégia de marketing  mentirosa ficou clara com a declaração da ministra da cultura Miri Regev, onde qualquer mínima tentativa de critica é motivo de censura.

 

 

.

 

Assista a performance completa aqui:

 

[aesop_video src=”youtube” id=”VG3WkiL0d_U” align=”center” disable_for_mobile=”on” loop=”on” controls=”on” autoplay=”off” mute=”off” viewstart=”on” viewend=”on” revealfx=”off” overlay_revealfx=”off”]

 

Veja outras matérias do grupo Sanaúd:

Sanaúd – Juventude Palestina pede que Milton Nascimento boicote Israel

Página do oficial de Sanaúd – Juventude Palestina aqui: https://www.facebook.com/juventudesanaud/

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

NAKBA: 73 anos de resistência palestina  

As agressões do ocupante sionista são parte da Nakba, palavra árabe que significa tragédia, e designa os eventos sinistros que se sucederam após a fundação do chamado estado judeu de Israel, em 1948.