Governo de Israel censura Madonna por exibir bandeira palestina em show do Eurovision

Por Sarah Nafe / Sanaud – Juventude Palestina

Em sua apresentação no Eurovision-2019, em Tel Aviv, a artista causou uma enorme polêmica quando, no final da performance,  colocou dois dançarinos caminhando lado a lado, um usando a bandeira de Israel e o outro a da Palestina. A intenção da cantora foi passar uma mensagem de paz entre os povos, mas a reação do regime israelense foi de criticar a artista por exibir a bandeira palestina em uma transmissão ao vivo. A ministra da Cultura israelense, Miri Regev, considerou isso um “erro”, uma “falha’’, evidenciando a politica antidemocrática, cruel e excludente do Estado de Israel.

Esse posicionamento da artista foi  uma tentativa de ficar bem com os dois lados em conflito, que opõem os ocupantes sionistas e palestinos ocupados desde 1948. Por isso recusou-se a aderir ao movimento BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções), internacional e não violento, que tem como objetivo pressionar Israel por liberdade, justiça e igualdade ao povo palestino, que sofre com as políticas racistas e supremacistas do regime sionista israelense.

O festival foi sediado apenas 70km de onde (Gaza) Israel comete crimes de guerra diariamente contra os palestinos, levando  80% dessa população a  precisar de ajuda humanitária para sobreviver.

Ilustração de Carlos Latuff que mostra um soldado israelense assistindo a Eurovision, sentado em um pilha de corpos palestinos.

Além disso, Israel mantém 1,8 milhão de palestinos em Gaza sob
cerco hermético e ilegal, negando-lhes,  por motivos políticos, direitos humanos essenciais, como acesso à água, comida e medicamentos,  suprimentos distribuídos em abundância aos cidadãos judeus.

Por isso afirmamos que o regime israelense de ocupação militar, colonialismo e apartheid usa o festival anual Eurovision como parte da sua estratégia de ‘Brand Israel’, que tenta mostrar ‘a face mais bonita de Israel’ para desviar a atenção dos crimes de guerra contra os palestinos.

Mas ate mesmo essa estratégia de marketing  mentirosa ficou clara com a declaração da ministra da cultura Miri Regev, onde qualquer mínima tentativa de critica é motivo de censura.

 

 

.

 

Assista a performance completa aqui:

 

[aesop_video src=”youtube” id=”VG3WkiL0d_U” align=”center” disable_for_mobile=”on” loop=”on” controls=”on” autoplay=”off” mute=”off” viewstart=”on” viewend=”on” revealfx=”off” overlay_revealfx=”off”]

 

Veja outras matérias do grupo Sanaúd:

Sanaúd – Juventude Palestina pede que Milton Nascimento boicote Israel

Página do oficial de Sanaúd – Juventude Palestina aqui: https://www.facebook.com/juventudesanaud/

COMENTÁRIOS

  • Reconhecer a situação de opressão do povo palestino, ser contra as ocupações israelenses em território palestino e o apartheid a que são submetidos não leva necessariamente a defesa da campanha do BDS, como ela leva a crer. Existem outras soluções políticas a situação de opressão vivida pelos palestinos.

    A campanha do BDS desconsidera que Israel é um estado burguês divido em classe sociais, ou seja, não é um “estado monolítico”. Existem, sim, judeus israelenses oprimidos pelo próprio estado israelense, judeus israelenses que não são sionistas, existem judeus sionistas que são contra a opressão do estado israelense aos palestinos – no limite, existe classe trabalhadora em Israel. E, não se pode deixar de lembrar, existe entre muitos judeus um sentimento internacionalista e socialista – hoje muito menor do que nos anos 30, mas exatamente uma das coisas que motivou a perseguição nazista aos judeus.

    Uma campanha pelo boicote ignora tudo isso, transformando a questão em torno da opressão palestina em uma censura moral, que atribui aos israelenses, não ao estado burguês israelense, o maior aliado do imperialismo mundial no oriente médio, a situação de opressão dos palestinos. Atribuir culpa aos israelenses pelos crimes de seu governo não é democrático, o que é um presente ao governo. Isso, por sua vez, só reforça o sentimento sionista entre os israelenses, pois faz a população israelense acreditar que o mundo esta contra eles e que o único abrigo a eles é o estado de Israel.

    O boicote, além disso, não acredita que judeus e árabes possam se unir para lutar contra a opressão do estado de Israel. Nessa luta, os palestinos e a classe trabalhadora árabe e judaica de Israel são aliados. Isso, querendo ou não, a Madonna conseguiu fazer, por maior que seja a confusão política dela. E, não, ela não fez isso “para ficar bem com os dois lados em conflito”, como se a campanha do BDS não pudesse ser criticada e que todos que sejam contra ela estejam errados.

    Existe também uma contrapartida à posição em relação ao estado de Israel pela campanha do BDS. A criação de um estado palestino seria a solução para a situação da classe trabalhadora palestina? Ou na Palestina não existe burguesia? Um estado palestino seria um estado burguês, que oprimiria a classe trabalhadora árabe com a mesma força que a burguesia israelense oprime a classe trabalhadora israelense.

    Acreditar na solução dos “dois estados” capitalistas, nesse sentido, é muito menos “irrealista” do que acreditar na unidade entre judeus e árabes para lutar contra a opressão capitalista no Oriente Médio.

    Por fim, por que não boicotar os EUA e a França, que já realizaram crimes muito maiores contra a população mundial do que o estado de Israel contra os palestinos?

  • Reconhecer a situação de opressão do povo palestino, ser contra as ocupações israelenses em território palestino e o apartheid a que são submetidos não leva necessariamente a defesa da campanha do BDS, como ela leva a crer. Existem outras soluções políticas a situação de opressão vivida pelos palestinos.

    A campanha do BDS desconsidera que Israel é um estado burguês divido em classe sociais, ou seja, não é um “estado monolítico”. Existem, sim, judeus israelenses oprimidos pelo próprio estado israelense, judeus israelenses que não são sionistas, existem judeus sionistas que são contra a opressão do estado israelense aos palestinos – no limite, existe classe trabalhadora em Israel. E, não se pode deixar de lembrar, existe entre muitos judeus um sentimento internacionalista e socialista – hoje muito menor do que nos anos 30, mas exatamente uma das coisas que motivou a perseguição nazista aos judeus.

    Uma campanha pelo boicote ignora tudo isso, transformando a questão em torno da opressão palestina em uma censura moral, que atribui aos israelenses, não ao estado burguês israelense, o maior aliado do imperialismo mundial no oriente médio, a situação de opressão dos palestinos. Atribuir culpa aos israelenses pelos crimes de seu governo não é democrático, o que é um presente ao governo. Isso, por sua vez, só reforça o sentimento sionista entre os israelenses, pois faz a população israelense acreditar que o mundo esta contra eles e que o único abrigo a eles é o estado de Israel.

    O boicote, além disso, não acredita que judeus e árabes possam se unir para lutar contra a opressão do estado de Israel. Nessa luta, os palestinos e a classe trabalhadora árabe e judaica de Israel são aliados. Isso, querendo ou não, a Madonna conseguiu fazer, por maior que seja a confusão política dela. E, não, ela não fez isso “para ficar bem com os dois lados em conflito”, como se a posição da campanha do BDS não pudesse ser criticada e que todos que o fizessem estariam errados.

    Existe também uma contrapartida à posição em relação ao estado de Israel pela campanha do BDS. A criação de um estado palestino seria a solução para a situação da classe trabalhadora palestina? Ou na Palestina não existe burguesia? Um estado palestino seria um estado burguês, que oprimiria a classe trabalhadora árabe com a mesma força que a burguesia israelense oprime a classe trabalhadora israelense.

    Acreditar na solução dos “dois estados” capitalistas, nesse sentido, é muito mais “irrealista” do que acreditar na unidade entre judeus e árabes para lutar contra a opressão capitalista no Oriente Médio.

    Por fim, por que não boicotar os EUA e a França, que já realizaram crimes muito maiores contra a população mundial do que o estado de Israel contra os palestinos?

  • POSTS RELACIONADOS

    NAKBA: 73 anos de resistência palestina  

    As agressões do ocupante sionista são parte da Nakba, palavra árabe que significa tragédia, e designa os eventos sinistros que se sucederam após a fundação do chamado estado judeu de Israel, em 1948.

    >