Poesia contra a barbárie na obra de Lorca e Neruda

 

O que existe em comum entre Federico Garcia Lorca e Pablo Neruda além de estarem entre os poetas mais amados da língua hispânica? A luta contra o fascismo e a morte trágica: Lorca, uma das primeiras vítimas franquismo espanhol, executado por suas idéias e orientação sexual, e Neruda morto no hospital 11 dias depois do golpe contra Allende, no Chile, sob fortes suspeitas de ter sido assassinado com uma injeção letal. Muito dessas histórias, resultado de longa pesquisa do mestre em Filosofia e Letras Neolatinas, Roberto Ponciano, pode ser lido agora no Brasil com o lançamento do livro Neruda e Lorca, dois poetas rojos.

Comunista e apaixonado por literatura, Ponciano, dono de uma alma ´roja´ latino-americana, destrincha as mútuas influências na arte, na coragem e na militância pelas causas populares de Lorca e Neruda. Já disponível na Editora Martins Fontes e nas livrarias Travessa, Saraiva, Cultura e na Amazon, pela internet por apenas R$ 39, Neruda e Lorca, dois poetas rojos faz o leitor mergulhar num mundo de reflexão e magia, mais do que necessárias, nos tempos sombrios de ascensão das ideias nazi-fascistas, da intolerância e da homofobia. Num tempo em que a arte e cultura, em quase todas as suas nuances, têm sido demonizadas.

Para Ponciano, “urge ler, reler e debater a obra Lorca, expressão da um dos momentos mais gloriosos da literatura hispânica –a geração de 27– e de Neruda, Prêmio Nobel de Literatura em 1971. Esse novo livro  é o resultado, mais que oportuno, do meu mestrado em Letras Neolatinas, concluído em 2015, na UFRJ, quando me dediquei à pesquisa sobre a confluência entre os dois poetas”.

Apesar de já estar disponível via internet, Ponciano vai realizar no dia 15 de março, quando acontece o SAMBA PELA DEMOCRACIA, no Baródromo (Lapa), o lançamento oficial de Neruda e Lorca, dois poetas rojos com toda a cultura, resistência e militância que a obra merece.

Ponciano é ex-presidente do Sindicato dos Servidores da Justiça Federal, no Rio de Janeiro, além de professor, tradutor e filósofo. Outros livros do autor são: Feitiços-contos eróticos (2003), Notas Políticas (2008), Cosmópolis (2012), sobre a utopia comunista e Marxismo e Filosofia Contemporânea (2016).

O livro está disponível em https://www.martinsfontespaulista.com.br/dois-poetas-rojos-neruda-e-lorca-635795.aspx/p

E logo estará disponível na Saraiva, Cultura, Travessa e Amazon.

Veja abaixo o convite para o evento oficial de lançamento:

Samba pela Democracia!
Venha festejar a democracia e dizer não ao avanço do fascismo!
O evento é aberto a [email protected] democratas antifascistas.
Compartilhe, divulgue!
Lançamento do livro Neruda e Lorca, dois poetas rojos, de Roberto Ponciano.
Venda do livro e tarde de autógrafos.
Shows de Dorina e conjunto Zambelê.
Couvert artístico de 10 reais.
A casa servirá uma feijoada (não incluída no couvert, paga à parte) e diversas outras opções.
Quem comprou o livro na pré-venda, receberá, in loco, no dia. https://www.facebook.com/events/614657439298586/?notif_t=plan_user_joined&notif_id=1580074384314271

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Hoje Maria Marighella é a entrevistada no Programa JORNALISTAS LIVRES ENTREVISTA. Atriz, mãe, militante e produtora cultural. Herdeira de uma família de tradição militante. Maria

Quem segura essa quebrada

Quem segura essa quebrada?

O Café com Muriçoca de hoje traz duas indicações de livros: “Viela Ensanguentada”, de Wesley Barbosa, e “O Pé que ficou naquela estação”, de Nina Barbosa.

A POSSE, COMO CULTURA

Augusto Boal (in memoriam 2002) nos lembra a importância da ocupação das ruas e espaços públicos pela cultura. E por meio dela, transmitir pelos sentidos – e não só pela razão – a transformação de palavras e promessas.