ELISA LUCINDA: Para que Regina Duarte se vista com as roupas e as armas de Malu Mulher

"Toda vez que um artista apoia ou se omite diante de um governo que não respeita os direitos humanos, está traindo seu povo, está traindo o povo que acreditou nele e nele se espelhou"

Foto-Ilustração Joana Brasileiro | Jornalistas Livres
Regina duarte na pele de Malu Mulher, personagem-título da série que a TV Globo exibiu de 24 de maio de 1979 a 22 de dezembro de 1980, criada e dirigida por Daniel Filho

Regina Duarte na pele de Malu Mulher, personagem-título da série da TV Globo (1979-80)

Um dia recebi do nada um telefonema: “Elisa, sou eu. (E disse o primeiro nome.) Olha a gente vai participar de um elenco em que seremos melhores amigas, acho que a gente tem que se conhecer. Você quer vir na minha casa tomar uma sopa que eu faço, ou eu vou na sua? Nós temos que comer juntas”. Fiquei muda do outro lado. Era a voz dela. Muito famosa, conhecida . Eu era fã. Tinha já meus fãs de teatro e meus leitores, mas nunca uma coisa forte de audiência como uma novela das oito, o que era o caso. Foi na minha casa o primeiro encontro. Divertida, informal, sem frescura, de sandália de dedo, sorridente, leve. Era de tarde. Fiz um bolo pra nós. Durou pouquíssimo tempo para descobrirmos que éramos aquarianas, que tínhamos estudado declamação, que ela também era do curso de comunicação, que adorava caderninhos, desenhos, decalques, e o melhor, nutria um fraco irresistível por liquidações! “Olha esse vestidinho, gostou? Não é lindo?” Amei. “Trinta e oito reais”. Ríamos.

Na novela, sempre atenta estudiosa do texto, trazia ele compreendido, sugerido, marcado, criticado. Estava ali uma mulher generosa com a figuração, com os profissionais, carinhosa com todos, parceira com os colegas que tinham menos experiência de televisão do que ela, inclusive eu. E por isso se destacava. Sempre me acalmava com um bom ensinamento diante das minhas inquietações. “Não se preocupe com detalhes, que um errinho assim não tem tanta importância. Não leve isso pra cama. São tantos capítulos que a coisa dilui. Você tem que acertar é a personagem!!! Quando acertamos a personagem tudo nela faz sentido, até o erro.” Uma artista veterana e mestra naturalmente.

Nossa prosa era sem fim. As conversas tinham o irreverente frescor das mulheres livres.

Líamos poesias. Fomos desenvolvendo uma espécie de amor, uma amizade forte, profunda, sincera, que apareceu no resultado do trabalho; aliás, digo sem medo, brilhou no trabalho. Os bastidores costumam ir pra tela, pra cena, pro palco. Uma vez ela se emaranhou numa luta anti-racista junto comigo, quando um cabeleireiro insistia que eu devia alisar o cabelo para poder compor a personagem de uma médica na novela, e este ainda justificou que assim seria mais asséptico!! Aquilo deu num furdunço de onde não arredou pé, ali, ao meu lado, flagrando e denunciando aquele racismo escandaloso. Estava ali um ser humano sempre ligado à igualdade, no trato igualitário com todas as pessoas. E defendia isso. Era comovente ter uma colega assim. A amizade cresceu! Inquieta, sempre se envolvendo em ousados projetos desafiantes, ela seguia. Topou ir de coração aberto lá em Vitória, no Espírito Santo, desfilar numa escola da qual fui enredo, em 2012 e que acabou por ganhar o carnaval. Fez jantar em sua casa para mim e para Geovana Pires, conclamando a classe de Sampa para ver a nossa peça “A natureza do olhar”, disse coisas incríveis sobre o libertário “Parem de Falar Mal da Rotina”, o divulgou em suas redes e foi a mim que o fã clube dela pediu um texto para abrir a sua exposição de obra e vida. Depois inaugurou em sua casa no Rio um espaço multiuso, para ensaios, teatro, cinema, música.

Quem era essa? Era a mulher cujos passos segui desde adolescente, quando a vi representar o feminino de uma época e desembarcar da “Namoradinha do Brasil” para Malu Mulher numa majestosa competência que lhe rendeu três prêmios seguidos de melhor atriz de TV por essa série. Acreditei naquilo. Sem reservas. Falava em favor do direito ao aborto, da divisão de tarefas entre pai e mãe, dos direitos das mulheres, da violência psicológica doméstica, de separação… Uma ousadia. Tinha gente que dizia que a personagem era comunista. Pais conservadores temiam a “influência” da independente criatura anti-machista. A irreverente Malu Mulher é uma heroína nossa, pioneira daquele tempo, nunca houve outra daquele jeito naquela hora inaugural. As mulheres se viam representadas por ela num grau tão fabuloso que aquilo fez um estrondo na audiência. Afinal a personagem era afinada com a pauta da emancipação feminina, antenada com sua entrada definitiva no mercado de trabalho. Sua nova postura diante das mudanças no mundo e a necessidade de uma educação sexual contra tanta caretice e opressão. Era a emancipação feminina no centro da conversa. Malu falava de escolhas, do direito à uma profissão, ao planejamento da prole, e ainda educava a filha adolescente com uma sinceridade nada moralista, coisa nunca antes vista. Um exemplo. O feminismo urbano brasileiro bebeu certamente na fonte de Malu Mulher. Eu bebi. Ela provou que era possível começar de novo.

Clique aqui para ver trecho do episódio que tratou do aborto (“Ainda não é hora”), com a participação de Lucélia Santos

Na semana passada, em que adormeci pensando muito nisso que agora escrevo, despertei com o vídeo de Zélia Duncan, no seu excelente diário “Zóio no Zóio”, em que ela falava isso, da força de Malu na vida dela, nas suas coragens e desafios, na importância dela pra nossa geração. Isso me deu mais ainda a dimensão dessa heroína no imaginário da feminista de hoje. Confirmou. Não dá para acreditar que era apenas uma personagem, porque Regina Duarte também se representava ali. Os conteúdos da sua protagonista se cruzavam sem dificuldade com as lutas da artista e da mulher que ela era naquele momento. Representava seus amores, seus casamentos, suas separações, as questões práticas dos casais separados, os assuntos de maternidade e paternidade sob o olhar daquele novo tempo. A “Namoradinha do Brasil” cresceu e se transformou numa espécie de feminista pra ninguém botar defeito, através de Malu. O que aconteceu exatamente não sei. Só vejo suas posições políticas de hoje não combinarem com essa personagem que também a consagrou e que tinha por trás uma atriz moderna, feminista na prática, tendo que ser mãe, profissional e ainda ser respeitada. Por mais que possa parecer contraditória toda a história, eu sei que a mulher que conheci não foi uma invenção.

A saída de Roberto Alvim, ex-secretário de Cultura, se deu, como sabemos, porque ele escancarou o jogo e entregou o segredo de uma direita que queria se estabelecer nos moldes nazistas, sem que ninguém percebesse. Não era pra gritar. Resultado: atingiu os judeus, os ricos, e entregou o esquema ideológico. Mas o roteiro existe. Ainda bem que caiu seu prêmio de arte nacionalista absurdo, mas o roteiro do espetáculo está montado nessas bases e é bom que fique bem claro que nós não queremos que mudem só os atores desta trágica ópera, nós queremos é outra peça.

Regina Duarte é cheia de amigos atores, intelectuais, gente que foi perseguida na ditadura, gente que esteve com ela nos palanques das Diretas Já. Mesmo que ela um dia tenha dito que tinha medo de Lula, ainda assim, não faz sentido que por ojeriza ao PT vá lustrar ideias e ações que agradem os torturadores! Ela tem também amigos judeus que não querem papo de nazismo no Brasil. Seu fã clube tem a presença substancial de gays, LGBTs em geral, ou seja, ela tem muitos amigos da grande tribo de Oxumaré. Por isso não pode ser verdade que ela aceite a indicação do presidente de que sejam vetadas pelo poder público obras sobre diversidade sexual. Amante das artes, de todas, não faria sentido ela conseguir ficar calada diante do escárnio do governo com os museus, com o patrimônio, com a ciência! Tampouco fará sentido ela estar confortável num governo que postula, entre outros absurdos, a abstinência sexual de jovens. Seria um tiro no pé. Sei das suas posições ideológicas de hoje, que nada têm a ver com a combativa e moderna referida personagem. Mas tampouco calarei minha voz diante da usurpação de um direito: o direito constitucional à cultura e mais, num estado laico. Mesmo os que não escolheram este presidente e que não apoiam suas fascistas ideias têm direito a uma vida educacional, artística, cultural à altura da nossa democracia. Não vamos ficar passivos vendo a demolição.

Não vou aqui desrespeitar a Secretária de Cultura do ponto de vista pessoal e nem compactuo com misóginas baixarias ofensivas à sua pessoa, à sua condição feminina. Não gosto de jogo baixo.

E nem aplaudo nada que eu não concorde. A nossa amizade nasceu de uma ficção. Uma intuição de Manoel Carlos. Mas todo o levante feminista nutrido por Malu foi de verdade. Nunca precisamos tanto da destemida e libertária coragem daquela mulher. Nossa revolução bebeu ali. Ninguém inventou. Acho que aqui está uma ingênua evocação da Malu Mulher! A referência nela me fez crer que a classe artística cultural, que se encontra tão isolada neste momento, vítima da guerra ideológica exercida contra ela, pudesse ter algum diálogo com quem está ali, pago com nosso dinheiro para cuidar de nossa cultura sem discriminação, sem critérios religiosos, e outras patrulhas.

Pouca gente quer sair na foto ao lado dela hoje porque a Regina de Malu Mulher não pode apoiar a censura, o racismo, a homofobia, o machismo. Isso dá um nó na cabeça da gente. Aquilo não era só uma personagem, aquilo era mais. Malu representava os anseios daquela geração. Portanto não há uma Marielle sequer que não seja descendente daquele feminismo que Malu Mulher encarnou. A série fez com que milhares de mulheres cantassem a sério o tema do Ivan Lins na voz de Simone com toda a verdade possível: “Começar de novo e contar comigo, vai valer a pena ter amanhecido, ter virado o barco, ter virado a mesa, ter sobrevivido…”. Era o hino, o hino da independência feminina!

As personagens que fiz posso acessá-las se quiser durante a vida. Creio nisso. Estamos vivendo momentos tensos. O povo brasileiro, o povo que ama tantos seus artistas, merece ser cuidado e considerado por nós. Toda vez que um artista apoia ou se omite diante de um governo que não respeita os direitos humanos, está traindo seu povo, está traindo o povo que acreditou nele, que confiou nele, e nele se espelhou. Uma artista aceitar este cargo tão importante para o futuro do país, num governo inimigo das artes, da filosofia, da ciência, da liberdade de expressão e da poesia, só poderia estar pensando em nos defender neste cargo. Precisa-se de uma revolucionária ali. Na minha ingenuidade, queria que Regina entrasse numa cabine telefônica, dessas que restaram, e ali dentro se transformasse numa Malu Mulher e saísse espalhando justiça, provocando discussões avançadas num país livre, e ainda puxasse uma campanha para liberar “Marighella”, o filme proibido de nosso Wagner Moura. Algumas vezes escrevendo essa crônica chorei. Ser sincera afeta. E afeta a ponto de a palavra doer. Se ela for lutar pela arte como Ministra da Cultura vai ter que receber o espírito da Malu Mulher, aquela entidade ativista e subversiva.

Se isso ainda puder acontecer, que lute como uma garota!

Elisa Lucinda, verão, 2020
Coluna cercadinho de palavras.

LEIA OUTRAS COLUNAS DE ELISA LUCINDA:

Elisa LUCINDA: Aos filhos da Liberdade

ELISA LUCINDA: A MÃO QUE BALANÇA O BERÇO

ELISA LUCINDA – “SÓ DE SACANAGEM, VOU EXPLICAR: LULA É INOCENTE, LIMPO”

ELISA LUCINDA: QUERO A HISTÓRIA DO MEU NOME

ELISA LUCINDA: CERCADINHO DE PALAVRAS

ELISA LUCINDA: QUERO MINHA POESIA

Categorias
ArtigoCensuraCulturaCultura PopularDemocraciaDireitos HumanosFeminismoGeralmulheres
11 comentários:
  • Natalia
    6 fevereiro 2020 at 21:59
    Comente

    Como sempre arrasando com as palavras. Expressando o que muitos não tem habilidade pra fazer. Até pensa, senti, mas não encontra palavras. Amo seus comentários, seus poemas… Parabéns!
    Andemos com fé, que a fé não costuma falhar🙏

  • Marilda Conde
    6 fevereiro 2020 at 22:25
    Comente

    Querida talentosa Lucinda, quero te aplaudir e dizer que além de ser sua fã, tb sou aquariana…rs e bjs🌹

  • LAIS DIAS GONCALVES
    6 fevereiro 2020 at 22:37
    Comente

    Lendo o texto, convenço-me cada vez mais de que RD é uma ótima atriz no palco da vida. Ela sempre foi o que é agora. Ninguém muda assim de uma hora para outra. Essa Regina estava incubada, só esperando a hora de eclodir.

  • Rozenildot
    7 fevereiro 2020 at 0:41
    Comente

    Regina Duarte é uma iluminada, a classe artística precisa se conhecer mais pessoalmente, sei que muitos atuam e ao apagar das luzes do palco dão as costas como se nunca tivessem se conhecido. Elisa Lucinda se aproxime da Regina, suas palavras são muito importantes e vão contribuir muito para essa luta a favor da liberdade, e Regina Duarte mais uma vez vai surpreender, vc teve a sorte de estar junto dela nos momentos mais simples da vida e com experiências que me arrepiaram de emoção… Parabéns

  • Roseli Marcelino
    7 fevereiro 2020 at 12:50
    Comente

    Escreveu maravilhosamente, eu tbm espero, milagres acontecem…

  • Elza
    7 fevereiro 2020 at 16:57
    Comente

    Ótimo texto! Só fico pensando se a Regina tem a mesma visão de sua personagem Malu que você e Zélia. Será Que ela concordava com as teses defendidas por Malu? Ela tem defendido esta ideologia neo nazista com tanta garra…

  • Jeane
    8 fevereiro 2020 at 11:02
    Comente

    Embora vc seja muito boa no que faz, Lucinda, não deixe que seus conceitos preestabelecidos atrapalhem seu julgamento sobre a RD ou o governo para o qual ela contribui. Ao invés de jogar pedras, tente entender, ou compreender. Ela teve coragem de sair da zona de conforto dela para ajudar a melhorar o Brasil, coisa que todos nós, independente de nossas convicções , deveríamos fazer. Afinal, o Brasil é de todos nós. Atitudes, e não críticas!

  • Gilberto Barros
    8 fevereiro 2020 at 11:47
    Comente

    Eu nunca acreditei na RD ela tem muito ódio. Seus olhos falam por si, o ódio está corroendo ela, quando ela perceber será muito tarde.

  • Sibyla Rudana Rodrigues
    8 fevereiro 2020 at 12:10
    Comente

    Texto magistral, verdadeiro, coerente. Quero acreditar que ela fará o melhor pela cultura. Quem a convidou sabia de sua personalidade e não só de sua ojeriza ao PT. Ela nem começou a trabalhar, nem compôs seu quadro de primeiro escalão mas já é assunto, na maioria das vezes especulativo. Estou na primeira fila. Torcendo por uma artista na Secretaria de Cultura.

  • Pedro Vaz
    12 maio 2020 at 19:35
    Comente

    Elisa Lucinda, você é exemplo. Só quero registrar que admiro o seu trabalho, sua força, coragem e o seu texto. Parabéns pela coluna. Reencontrei também uma grande amiga por aqui, Sibyla.

  • Pedro Vaz
    12 maio 2020 at 19:36
    Comente

    Olá Sibyla, Bom te reencontrar aqui nos comentários da coluna da genial Elisa Lucinda.

  • Deixe uma resposta

    AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish

    Relacionado com