Debater ensino híbrido em tempo de isolamento social: o que pode estar nas entrelinhas?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Por Daniel Filho

O ensino híbrido, ou blended learning, consiste em professoras e professores como moderadores de um processo de aprendizagem cujo principal estímulo é a interação interpessoal e formação da autonomia para que estudantes encontrem e conduzam seu próprio método de pesquisa, tanto de forma presencial quanto virtual, essa mescla justifica o termo inglês “blend” que significa mistura.

Uma necessária etapa de evolução do ensino, mas o resgate desse tema em tempo de isolamento social oriunda da pandemia pode encobrir intenções e riscos?

Com o necessário isolamento social as aulas remotas foram postas no colo da comunidade escolar numa realidade onde uma grande parcela de docentes e discentes não tem pleno acesso a notebooks e internet. O primeiro de muitos “hibridismos” impostos.

Esse artigo não visa criticar o conceito que, por sinal, é necessário a uma educação de qualidade, mas provocar a reflexão: temos unidades de ensino com estrutura física e tecnológica para o século XXI? O quanto retomar esse debate pode se converter em perda de direitos, logo, retrocesso, em vez de evolução no processo de ensino-aprendizagem?

PROFISSIONAIS HÍBRIDOS

Soa inerente ao profissional da educação essa condição híbrida. Da sua formação aos anos de exercício da profissão vê a necessidade de mesclar teoria, prática, tendências, conceitos… Políticas públicas e determinações de governos, muitas vezes são jogadas abruptamente, com pouca ou nenhuma discussão de base, na vida do profissional e, aos mesmos, o “tapinha nas costas” com o dizer: “Você é capaz, professora/professor!”

Mas se trata de capacidade ou desrespeito? Mudanças que visam melhoria do ensino público ou assédio e precarização do trabalho? Em Pernambuco podemos ilustrar com alguns exemplos de como se dão essas rupturas e suas rápidas readaptações à realidade das comunidades escolares.

AVALIAÇÃO

Em Pernambuco a avaliação escolar deixou de ser feita por nota (0 a 10) para ser conceito (DC = Desempenho construído, DEC = Desempenho em Construção, DNC = Desempenho Não Construído) e, pouco depois voltar a ser nota. Isso falando das avaliações internas, mas surgiram ainda as avaliações externas, SAEPE, SAEB, são as principais. Bonificações para unidades de ensino que atinjam metas foram implantadas e o conflito se instala: educação para construção de aprendizagem e autonomia ou para competição?

Há formações acerca do tema avaliação, mas, na prática, ainda estamos longe de um modelo avaliativo diagnóstico e inclusivo.

ACOMPANHAMENTO INDIVIDUALIZADO

O diário escolar que registra a vida escolar de estudantes já foi impresso, quase sempre entregue com atraso forçando professoras e professores a ter trabalho duplo (anotar em caderno para, depois, reescrever quando os diários chegavam). Depois foi modificado para o Sistema de Informações da Educação de Pernambuco (SIEPE). Informatizado, visou a melhoria, mas não veio junto com acesso à internet de qualidade e notebooks, tablets, aos profissionais da educação (administrativos e pedagógicos) ou mesmo formação continuada para explicar o sistema. Muitos profissionais tiveram que pagar para trabalhar, fazer cota para ter internet de qualidade e, assim, conseguir abastecer o sistema. Muitos têm trabalho duplo, pois quando o acesso é ruim na sala, precisa anotar para, somente então, incluir no sistema. Nas escolas que não têm o acesso, profissionais levam seu trabalho para casa.

ESCOLA INTEGRAL

O tema sempre foi muito debatido e Pernambuco se destaca pela ampliação do modelo. Um período estendido dentro da escola é visto como garantia de direito e prometia uma melhor condição trabalhista ao profissional que poderia ter melhoria salarial considerável, em caso de dois vínculos ter as duas matrículas em um mesmo local de trabalho, além de um tempo maior dentro da escola para planejamento, formação e avaliação o que, em tese, deveria impedir uma terceira jornada em casa.

Na prática a gratificação está congelada a um teto, perdendo seu poder de valorização que teve no início, não poderá ser levada para a aposentadoria, no entanto sempre teve descontos previdenciários e, por todos problemas citados referentes à avaliação e sistema de informações, o terceiro turno em casa se tornou inevitável.

Muitas professoras e professores, ainda, não conseguiram manter suas matrículas no mesmo local de trabalho e a jornada de trabalho é exaustiva.

Estruturalmente muitas escolas não viram mudança para uma adequação a uma jornada diária de nove horas. Quadras poliesportivas sem cobertura (quando a escola tem quadra), refeitório e espaços de aprendizagem inadequados, banheiros com problemas, salas sem climatização… Um modelo de educação que deveria ser referência e desejada para todas e todos continua a enfrentar desafios e desigualdades gritantes.

Profissionais da educação e estudantes se veem, mais uma vez, a “mesclar” promessa, tese e realidade.

PANDEMIA E AULAS REMOTAS

Com a pandemia, isolamento social, a cobrança aumentou e o conceito de educação híbrida voltou à tona. Não há nenhuma condição de retorno às aulas sem vacina por todos os problemas estruturais já citados. Para garantir aulas remotas a uma pequena parcela de estudantes, professoras e professores se desdobram para adaptar conteúdo, prática e condições de trabalho. Não chegando a todas e todos, fica a disputa da validação ou não das aulas remotas como dias letivos.

Não sendo validada, professoras e professores, mais uma vez, acumularão trabalho. Sendo validada, estudantes que não tiveram acesso serão prejudicados e abre caminho para uma educação à distância ser normalizada para o pós pandemia o que torna tendenciosa a retomada do conceito “educação híbrida”.

Retirada de direitos, precarização ainda mais aprofundada do trabalho docente, imposição do ensino domiciliar, conhecido também pelo termo em inglês “homeschooling”, evasão escolar, são algumas das muitas chagas que podem estar travestidas de modernização da educação e que aprofundariam ainda mais as já gritantes desigualdades sociais em nosso país.

Reflexão posta fica a discussão acerca do que é ser híbrido quando o tema é educação pública de qualidade. Quando gestoras e gestores dos recursos e políticas públicas educacionais poderão adotar uma prática híbrida de respeito, valorização, democracia e acesso à tecnologia para profissionais, escolas e estudantes?

VITÓRIA DA EDUCAÇÃO COM QUEM FAZ EDUCAÇÃO

Com a promulgação da emenda constitucional que torna o FUNDEB (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica) permanente, com ampliação gradual do repasse de dinheiro da União para o fundo (dos atuais 10% a 23% até 2026), a manutenção da educação pública ganha novo fôlego.

Garantir que esses recursos se convertam em valorização profissional, modernização das estruturas das unidades escolares e pleno acesso a uma educação pública de qualidade se faz ouvindo quem vive e faz a educação desse país.

Daniel Filho é Mestre em psicanálise aplicada à educação, escritor, professor e coordenador de Biblioteca da rede estadual de ensino em Petrolândia, sertão de Pernambuco e Coordenador regional afastado do Sintepe (Sindicato dos trabalhadores em educação de Pernambuco).

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Política externa do Brasil desagrada até ala bolsonarista

Senador Telmário Mota (PROS/RR) se posicionou contra a política do Ministério das Relações Exteriores em relação à Venezuela, caracterizando a atitude do chanceler Ernesto de Araújo como hostil e desfavorável para os negócios da região.

>