As ligações perigosas de Moreira Franco, o homem que pôs o Exército nas ruas no Rio

Bandidos do Comando Vermelho frequentavam o Palácio Guanabara e ganhavam até cargos no Tribunal de Contas, quando Moreira Franco era governador do Rio

Moreira Franco, o gato angorá, tinha um personal trainner amigão, o mesmo que sequestrou o empresário Roberto Medina, numa operação espetacular do Comando Vermelho. É ele que quer combater o crime?

A intervenção militar no Rio de Janeiro foi articulada por um velho conhecido do crime organizado: Wellington Moreira Franco (PMDB-RJ), ministro da Secretaria-Geral da Presidência e amigo do peito de Michel Temer, que governou o Rio de 1987 a 1991. Nesta terça (20/02) na “Folha”, numa entrevista pra lá de camarada, daquelas que o jornalista levanta a bola para o entrevistado cortar, Moreira Franco fez-se de intrépido e destemido:

Folha: A intervenção no Rio foi uma decisão arriscada para Temer, porque no primeiro problema, ele será culpabilizado. O governo fez esse cálculo?

Moreira Franco: Aqui não tem amador. As pessoas têm 50, 45, 40 anos de vida pública. Claro que fez.

Folha: E qual é o cálculo?

Moreira Franco: O cálculo é que na vida, tem certas horas, que você tem que assumir riscos, tem que decidir. Nessas circunstâncias, não dá para ficar empinando pipa, tem que mergulhar com coragem e convicção.

Hummmm. Corajoso!

Conhecido desde os anos 1980 pela alcunha de “gato angorá”, pela então vasta e cultivada cabeleira branca, e por causa do gosto entranhado pelo colo de qualquer um, Moreira Franco foi o primeiro governador do Rio a andar para cima e para baixo acompanhado de um bandidão do Comando Vermelho. Sim, Moreira Franco não é homem de ficar empinando pipa!

Decidiu-se pela intervenção militar no Rio de Janeiro em reunião na quinta-feira (15/2) no Palácio da Alvorada da qual participaram o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, e ministros do governo federal, como Torquato Jardim (Justiça), Raul Jungmann (Defesa) e Sérgio Etchegoyen (Segurança Institucional), todos envolvidos na discussão sobre segurança pública, além de Moreira Franco, Dyogo Oliveira (Planejamento) e Henrique Meirelles (Fazenda).

A aventura militar entusiasmou particularmente dois participantes do convescote: o próprio Temer, que vê na intervenção a possibilidade roubar alguns pontos da popularidade e do discurso de Jair Bolsonaro; e Moreira Franco.

Peemedebista, Temer é o mestre na arte camaleônica de mudar de cor ao sabor das circunstâncias. Foi social quando interessava estar perto do PT, foi neoliberal no estilo mercurial quando veio o golpe… E agora, com a popularidade no chão, torna-se verde oliva para granjear a simpatia das galinhas verdes do fascismo bolsonariano. Tudo certo como dois e dois são cinco.

Temer está na base do tudo ou nada. O Iraque dele são os morros do Rio. Em lugar de fundamentalistas islâmicos, os inimigos são os  pobres e pretos das favelas cariocas. Nada como uma operação nos moldes da doutrina militar do “Choque e Pavor” (Shock and awe), para anestesiar a opinião pública que começava a sair do torpor. O samba enredo da Paraíso do Tuiuti foi o sintoma. E os entusiastas mais apaixonados pela aventura já dizem que ele pode até se apresentar como o candidato.

Parceiro de todas as falcatruas de Temer, Moreira Franco é o idealizador e avalista por excelência da patuscada que, já se sabe, não conseguirá acabar com o tráfico, nem com a guerra entre quadrilhas rivais. Para os ilusionistas da quadrilha de Brasília, porém, basta contar com a mídia tradicional para repetir até o cansaço a cena de soldados com trajes de camuflagem entrando em comunidades pobres do Rio, tanques e blindados fechando o trânsito de becos e vielas miseráveis.

Ah, eles não podem esquecer de seguir as ordens do interventor federal para a área de segurança pública do Rio, o general do Exército Walter Braga Netto, que já disse que a situação do Estado não é tão ruim quanto parece e que a imagem da crise é afetada pelo noticiário. “Muita mídia”, afirmou. É a senha para a Globo, Band, Record e demais veículos: podem parar de cobrir esse tipo de assunto. E assim, com o Rio ocupado, sensação de segurança nas alturas, até pelo menos as eleições de outubro, Temer e seu general interventor conquistam capital político imenso.

Nazareno Tavares, assassinado em 1997

Moreira Franco é o homem central da operação envolvendo o crime porque tem vasta experiência nisso. Quando era governador, todos sabiam do relacionamento do governador com o professor de Educação Física Nazareno Barbosa Tavares, seu personal trainner, um cara boa praça, que organizou e comandou um dos sequestros mais espetaculares da história, o do empresário Roberto Medina, dono do Rock in Rio. O crime aconteceu em junho de 1990.

OK, todo mundo pode-se enganar –ainda mais com um personal simpático… Só que Moreira Franco, ao suceder Leonel Brizola, seu arqui-inimigo, no governo do Rio, assumiu dizendo que em seis meses acabaria com a violência no Rio. Primeira providência: colocar o Comando Vermelho dentro do Palácio do Governo. AHAHAH!

Incrível como toda a imprensa resolveu esquecer disso agora, na cobertura da intervenção militar no Rio.

Mas o caso fica pior ainda.

Presos os sequestradores de Medina (Nazareno foi condenado a 10 anos, dois meses e 12 dias de detenção), depois do pagamento de um resgate de mais de 3 milhões de dólares (nunca se explicou direito aonde foi parar a quantia fabulosa, que saiu diretamente do Banco Central), revelou-se uma trama sinistra…

Além do personal trainner de Moreira Franco, também estavam implicados no sequestro Miguelão (Miguel Jorge, segurança de Moreira Franco e de Rubem Medina, irmão do sequestrado), e Carlinhos Gordo. Todos silenciados….

Azar do Nazareno. Foi só declarar que pretendia escrever um livro contando o que sabia sobre o envolvimento de políticos e empresários em negócios ilícitos, e ele foi assassinado –queima de arquivo, suspeita-se. Corria o ano de 1997.

O crime aconteceu às 7h, num posto de gasolina na zona oeste do Rio. A vítima cumpria a pena no presídio Plácido de Sá Carvalho (Bangu, zona oeste) e trabalhava durante o dia dando aulas de natação em uma academia.
Nazareno tinha acabado de abastecer o carro e esperava o frentista lavar o pára-brisas, quando dois homens em uma moto pararam ao seu lado. Dois tiros –um na nuca. Coisa de profissionais.

Nazareno e o ditador Figueiredo, em foto no JB

Nazareno gostava de palácios. Antes do sequestro, entre 1982 e 1985, era visto correndo na orla do Rio em companhia do último ditador militar do Brasil, João Baptista Figueiredo, de quem era instrutor de educação física. As praias do Recreio dos Bandeirantes e do Pepino (na zona Sul) eram as preferidas da dupla. Frequentava a casa carioca de Figueiredo, na Gávea Pequena, a mansão particular de um amigo, no Recreio, e a Granja do Torto, em Brasília.

Da infância pobre em Benfica (na zona norte do Rio), Nazareno quis se esquecer: foi morar numa cobertura no Leblon! (pausa para rirmos dos bolsominions que acreditam que na Ditadura não havia corrupção: AHAHAHAH!).

O personal bonitão aparecia em fotos de jornais, e começou amizades dentro do partido dos puxa-sacos do regime, o PDS. Na época, é claro, o gato angorá Moreira Franco era do PDS, depois de ter traído o MDB pelo qual se elegera deputado federal em 1974 e prefeito de Niterói em 1976. Filiou-se ao PDS em 1980 e só voltou ao PMDB em 1986, para disputar o governo do Rio de Janeiro contra Leonel Brizola, do PDT. Na ocasião, recebeu o apoio inestimável da Rede Globo para tentar fraudar a vontade popular, no que ficou conhecido como Escândalo Proconsult,  (mas isso é outra história!).

A Ditadura já tendo acabado, o gato angorá tinha mesmo de mudar de colo, mesmo trajeto feito pelo irmão dele, Nélson Franco. Nazareno não se apertou e foi trabalhar como assessor de Nélson Franco, que foi secretário da Habitação e Ação Social de Moreira Franco, a poucos metros do gabinete do governador. Chegou a ser nomeado para o cargo de auxiliar técnico no Tribunal de Contas do Estado. Desplante total porque, repita-se, era líder do Comando Vermelho.

Quando Nazareno foi detido, seu advogado, Wilson Siston, tentou convocar Moreira Franco, o irmão e um ladrão de carros chamado José Carlos de Carvalho, o “Carlinhos Gordo”, para depor.

A juíza Denise Rolins Faria indeferiu o pedido, alegando que se tratava de “pura especulação”. Segundo o “Jornal do Brasil, Wilson sustentava que o depoimento de Carlinhos iria explicar “as ligações com Nazareno e mostrar que ambos frequentavam o Palácio Guanabara, tendo o ladrão de carros conseguido entrar na folha de pagamento do Estado”.

Ah, só pra constar, Carlinhos Gordo não mais foi visto neste mundo.

Em setembro de 1988, Nazareno já tinha sido detido por porte ilegal de arma e suspeita de roubo de um carro Chevrolet Monza, então um carro de bacana. Mas pagou fiança e foi liberado. No mesmo ano, ele se envolveu com o traficante Bolado. À polícia, Nazareno disse que o grupo dos sequestradores de Medina foi recrutado pelo chefão do Comando Vermelho conhecido como “Japonês” (Francisco Viriato de Oliveira), que estava trancafiado na penitenciária de segurança máxima Bangu I.

Como o chefão do crime comandava o crime de dentro da cadeia? Tem de perguntar de novo pro Moreira Franco.

O “Jornal do Brasil” de 17 de junho de 1990 explica que Nazareno, contratado pela campanha de Moreira Franco, foi o responsável pela arregimentação do voto dos familiares e amigos de presidiários, além dos comandados nos morros cariocas. “A líderes da organização criminosa Falange Vermelha [a organização que deu origem ao Comando Vermelho] no Complexo Penitenciário Frei Caneca (Centro), prometeu vida boa para os presidiários, caso Moreira Franco vencesse a eleição.”

Como epílogo dessa história, segue a forma como Miguelão (Miguel Jorge) também foi assassinado: a tiros, na porta de sua casa, a poucos dias de se apresentar à Justiça para falar do sequestro de Roberto Medina. Miguelão, vamos lembrar, tinha sido segurança de Moreira Franco e do deputado federal Rubem Medina, irmão de Roberto Medina. O “Jornal do Brasil” assim registrou o enterro de Miguelão:

“Cerca de 300 pessoas compareceram ao enterro no Cemitério do Pechincha, em Jacarepaguá, marcado por tensão e revolta. (…) Parentes e amigos –que não se identificaram—acusaram o governador Moreira Franco de ter sido o mandante do assassinato”.

É este o idealizador da intervenção militar no Rio. Ele é parceiro da rede Globo. Você confia neste homem?

Categorias
DestaquesDireitos HumanosfascismoGolpeMovimentos Sociaismulheres negrasNegras e NegrosSegurança NacionalSegurança PúblicaviolênciaViolência Policial
10 comentários:
  • José De Oliveira Luiz
    21 fevereiro 2018 at 16:43
    Comente

    Moreira Franco era genro do genro de Getúlio Vargas, Ernani do Amaral Peixoto, personagem de longa duração na política. Ganhou o PSD Partido Social Democrático para lidar com a patronagem. Interventor, Governador, Ministro Extraordinário para Reforma Administrativa no governo Jango e foi presidente da ARENA. Nem se fala dele. O agora Angorá aprendeu com ele.

  • Jornalista mostra as relações de Moreira Franco com o Comando Vermelho – Falandoverdades
    21 fevereiro 2018 at 16:45
    Comente

    […] Bandidos do Comando Vermelho frequentavam o Palácio Guanabara e ganhavam até cargos no Tribunal de Contas, quando Moreira Franco era governador do Rio (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); por Laura Capriglione, em Jornalistas Livres […]

  • Regina Azevedo
    21 fevereiro 2018 at 16:59
    Comente

    Pelo amor de Deus!!!!!!!!! Isso tem que virar panfleto e distribuído no Brasil todo. Não é possível uma coisa dessas!

  • João Sabóia Jr
    21 fevereiro 2018 at 17:20
    Comente

    É uma quadrilha, com seus tentáculos em todas as organizações criminosas, não sei como vamos conseguir nos livrarmos desses marginas, mandam matar, fazem e acontecem. Precisamos de uma limpeza profunda em todos os escalões da república e em toda elite burguesa da qual, com toda certeza, vem o comando primeiro da cadeia do narcotráfico

  • Guanabara
    21 fevereiro 2018 at 17:52
    Comente

    A história do dólar tirado do Banco Central é um capítulo à parte.

    Naquele tempo, a diferença entre a cotação oficial do dólar e do mercado paralelo era significativa.

    Os dólares para pagar o sequestro foram conseguidos a um preço bem camarada, o que levou Millôr Fernandes, no Jornal do Brasil, publicar um charge em que apareciam três cotações do dólar:

    1) Dólar oficial;
    2) Dólar paralelo;
    3) Dólar sequestro.

  • Luiz Pereira Carlos
    21 fevereiro 2018 at 17:54
    Comente

    muito bem lembrado…

  • Guanabara
    21 fevereiro 2018 at 18:03
    Comente

    Lembro-me que Carlinhos Gordo também foi assassinado. Lembro-me que li isso nos jornais.

    A Wikipedia (embora não seja 100% confiável), esclarece algumas coisas:

    “(…)Preso no final dos anos 80, Gordo foi condenado a 78 anos de prisão por assalto a banco, sequestro e roubo e passou por diversos presídios. Preso de bom comportamento, em 1995 foi beneficiado com o regime semiaberto, deixou o complexo penitenciário de Bangu 1 (zona oeste) e foi para o Instituto Penal Edgard Costa, em Niterói. Na prisão, tornou-se evangélico e passou a participar de cultos (seguindo a mesmo trajetória de Escadinha.

    Em última entrevista, ao jornal “Folha de S. Paulo”, em fevereiro de 2001, Gordo declarou que estava no “Comando de Jesus”. Gordo chegou a ser convidado para trabalhar como assessor parlamentar, no gabinete do vereador de São Gonçalo, César Graça e Paz (PSDB). Trabalhava como porteiro da Fundação Bênção do Senhor, no centro de Niterói.

    Na noite do dia 16 de agosto de 2001, Gordo foi encontrado morto dentro do próprio carro com dez tiros de pistola, na favela Coronel Leôncio, no bairro da Engenhoca, em Niterói (a 14 km do Rio de Janeiro). A Polícia Civil do Rio suspeita que o assassinato tenha relação com “queima de arquivo” ou guerra entre facções criminosas do Rio. A família de Gregório, que cumpria pena em regime semi-aberto, afirma que ele havia abandonado o tráfico de drogas. Segundo testemunhas, ele foi morto a tiros por dois homens armados com rostos escondidos. Gordo foi enterrado à tarde do dia 17 de agosto no cemitério do Irajá (zona norte do Rio de Janeiro). Não houve velório. Até hoje os responsáveis pelo assassinato nunca foram identificados.(…)”

  • Luis Alberto Bassoli
    21 fevereiro 2018 at 21:11
    Comente

    Ótimo texto. Mas, se não me engano, escândalo Proconsult foi em 82, em cuja eleição o candidato do Pmdb foi Miro Teixeira. Sou deste tempo …rs

  • Ceilândia em Alerta – As ligações perigosas de Moreira Franco
    22 fevereiro 2018 at 8:32
    Comente

    […] Laura Capriglione, no site Jornalistas Livres: Share on: WhatsAppCompartilhe com seus amigos: Categoria CEILÂNDIA, corrupção, Denucias, […]

  • Ana Fadigas
    23 fevereiro 2018 at 23:28
    Comente

    Parabéns pela lúcida matéria. Uma jornalista nota 10!

  • Deixe uma resposta

    AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish