Bolsonaro deve deixar Saúde com Pazuello, que confunde homens com cavalos

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello: farda no lugar do jaleco
O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello: farda no lugar do jaleco

Por Dacio Malta*

O general Eduardo Pazuello chegou ao ministério da Saúde usando o instrumento que melhor sabe manejar: um paraquedas.

O médico bolsonarista Nelson Teich assumiu sua pasta tonto e, 28 dias depois, estava atordoado.

Sem força e sem equipe, aceitou o general para ocupar a secretaria geral e, em menos de uma semana, foi engolido por mais 30 militares gulosos que ocuparam todas as chefias do ministério.

O presidente começou a fritar Teich na terceira semana, torcendo para que ele pedisse o boné.

Se tivéssemos um governo minimamente competente e previsível, o substituto seria nomeado na mesma tarde.

Mas o que fazer?

Educação e Saúde são os dois ministérios mais cobiçados pelos políticos, quanto mais em meio a uma negociação como a que existe no momento,  com o bloco mais fisiológico da Câmara – o chamado Centrão.

Mas nem eles querem o rabo de foguete.

Recusaram o convite e sugeriram que o general cumpra um mandato tampão, até que acabe a crise da pandemia.

Já os generais do Planalto, torcem para que a pasta seja entregue a um civil, pois não desejam ver os milhares de mortos, que ainda vem por aí, caírem no colo de um militar. Certamente mais de 90% dos médicos votaram em Bolsonaro e, pelo menos até a “gripezinha”, esse índice não havia diminuído.

Mas quem tem um currículo a preservar não vai jogá-lo no lixo só para agradar um capitão maluco, despreparado, tosco, ignorante, mal educado e criador de caso – que nem o Exército quis preservar em suas fileiras.

Currrículo de Pazuello, no site do ministério: nada a ver com a Saúde
Pazuello no site do ministério: nada a ver com Saúde

Em meio à tragédia sanitária, econômica e política que nos aflige, Bolsonaro deve acabar optando mesmo por Pazuello, o paraquedista que tem gravado em sua ficha funcional o fato de ter colocado um soldado, no lugar de um cavalo, para puxar uma carroça – forma de punir um indisciplinado.

Pazuello, como militar obediente, será agora o cavalo que puxará a carroça do capitão.

O general, caso efetivado, chegará fraco, pois ficará claro que, depois de várias sondagens, o presidente não encontrou um nome que aceitasse o desafio. Por isso sua nomeação.

A Wikipédia ensina que ordem unida “é uma formação habitual dos componentes de uma tropa”, que aceitam os comandos “dados pelo oficial, graduado ou o mais antigo presente à frente do grupo, em tom firme, enérgico e que inspire respeito à figura da autoridade presente”.

Em termos práticos, a ordem unida serve para mostrar quem manda.

É também a forma mais eficaz de ensinar os subordinados a respeitarem seus superiores.

Na ordem unida não existe discussão.

Aos poucos, o capitão vai disseminando o que aprendeu em seus primeiro dias de AMAN, a Academia Militar das Agulhas Negras.

E Pazuello, que chegou como número 2, assim continuará.

O ministro de verdade será Jair Bolsonaro.

O aspecto positivo é que, nessa condição, o presidente não poderá mais recusar a função que vem desempenhando, com enorme afinco, desde meados de março: o de coveiro da nação.

 

*Dacio Malta trabalhou nos três principais jornais do Rio – O Globo, Jornal do Brasil e O Dia – e na revista Veja.

 

Leia mais Dacio Malta em

Teste do Covid-19 de Bolsonaro é fake

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS