Tribunal de SP tortura e mata novamente o jornalista Luiz Eduardo Merlino

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Antes de morrer, em 2015, o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, um dos principais comandantes da repressão durante a ditadura, foi considerado responsável pelo assassinato sob tortura do jornalista Luiz Eduardo Merlino, em 19 de julho de 1971, no DOI-Codi. Hoje, a poucos dias do segundo turno da eleição presidencial, o Tribunal de Justiça de São Paulo reformou a sentença, absolvendo o torturador por três votos a zero.

O Tribunal julgou o recurso da defesa do coronel reformado do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra, condenado em primeira instância, em 2012, pela tortura e assassinato do jornalista Luiz Eduardo da Rocha Merlino, em 19 de julho de 1971, aos 23 anos. O crime ocorreu nas dependências do Destacamento de Operações de Informação-Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi) de São Paulo, então comandado por Ustra, e um dos mais horrendos centros de tortura instituídos pela ditadura (1964-1985).

Julgado pela 20ª Vara Cível de São Paulo em 26 de junho de 2012, Ustra foi condenado a pagar indenização de R$ 100 mil por danos morais para Ângela Mendes de Almeida, viúva de Luiz Eduardo Merlino, e para Regina Maria Merlino Dias de Almeida, irmã da vítima. A ação é subscrita pelos advogados Fábio Konder Comparato, Claudineu de Melo e Aníbal Castro de Souza. O coronel Ustra morreu em 2015, mas havia entrado com recurso antes de morrer.
Merlino era jornalista, tendo trabalhado no Jornal da Tarde e na Folha da Tarde. Era militante do Partido Operário Comunista (POC). Sua única arma era uma máquina de escrever, em que redigia suas reportagens esclarecedoras sobre o papel da Ditadura Militar na ampliação do sofrimento do povo brasileiro. Ele e a esposa viveram na clandestinidade entre 1968 e 1971 quando, após período na França, o jornalista retornou ao Brasil e foi preso. A versão inicial difundida pela ditadura era de que ele havia cometido suicídio durante uma transferência de presídio.

Veja a transmissão que foi feita #aovivo pela página do facebook na saída do julgamento no dia 17.10.2018, no TJ-SP

Na sentença que condenou Ustra, a juíza Claudia de Lima Menge disse que, após ouvir as testemunhas de acusação e de defesa, era evidente que o coronel dirigia as sessões de tortura e “calibrava” a intensidade e a duração dos golpes, além de escolher os instrumentos utilizados.
Segundo o militante dos Direitos Humanos Adriano Diogo, a decisão do Tribunal de Justiça condenou novamente Merlino à morte. “Essa sentença não se refere a fatos ocorridos em 1971. Refere-se ao Brasil de hoje e ao que está em disputa nessas eleições presidenciais. O que os desembargadores fizeram foi autorizar novamente a tortura e o assassinato, tão ao gosto de Jair Bolsonaro e seu ídolo, Brilhante Ustra. Infelizmente.

Com informações da Rede Brasil Atual.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Ajuste Familiar no Brasil de hoje, por Dirce Waltrick do Amarante. Imagem: Gustav Klimt.

Foi numa manhã primaveril que decidi que seria heterossexual.
Assim, convicto, fui tomar café da manhã com a minha família, que era, contudo, desajustada: meu pai era funcionário fantasma no gabinete de um vereador, minha mãe era laranja do meu pai, que era laranja do vereador, meu irmão colecionava armas (de plástico, pois não tínhamos dinheiro para comprar armas de verdade).

>