Secretário de Cultura de Bolsonaro também usou fundo musical preferido de Hitler

Ministro de Bolsonaro usa, explicitamente, texto e trilha sonora da publicidade nazista em seu discurso (Foto: Reprodução Portal da Secretaria Especial da Cultura)

Como se não bastasse copiar um texto do ministro da propaganda nazista, Joseph Goebbels, o secretário especial da cultura de Jair Bolsonaro escolheu com cuidado o fundo musical de seu discurso em vídeo, exibido para lançamento de uma nova premiação nacional. Roberto Alvim elegeu a ópera romântica Lohengrin, composta e escrita pelo alemão Richard Wagner (1813-1883), para noticiar seus planos de “avançar na construção de uma nova e pujante civilização brasileira”.

É público e amplamente difundido: Wagner era o compositor preferido de Adolf Hitler, que elegeu as narrativas nórdicas do compositor como a trilha sonora da propaganda política de seu regime sanguinário. As óperas e canções de Wagner, com pompa heroica e harmonia elegante, foram usadas para sustentar a política de genocídio em massa nazista.

Roberto Alvim usa, explicitamente, texto e trilha sonora da publicidade nazista em seu discurso (Foto: Reprodução Portal da Secretaria Especial da Cultura)

Nada é gratuito nas Artes – e o ministro da cultura de Bolsonaro não pode se fingir de desentendido. Roberto Alvim está utilizando, sim, e explicitamente, as estratégias da publicidade do tenebroso Partido Nazista, de extrema-direita, para se comunicar com os brasileiros.

Leia também:

EXCLUSIVO: Secretário da cultura de Bolsonaro copia Goebbels em discurso

Brazilian Secretary of Culture Quotes Goebbels in Official Statement

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Na medula do verbo

Na medula do verbo

Hoje, o Café com Muriçoca traz a recomendação de leitura da obra “Na medula do verbo”, de Michel Yakini-Iman.

Jornalistas Livres Entrevista: Maria Marighella

JL entrevista Maria Marighella, indicada nova presidenta da Funarte. Ela fala do desafio de participar do processo de reconstrução das políticas públicas culturais no Brasil pós-Bolsonaro

Hoje Maria Marighella é a entrevistada no Programa JORNALISTAS LIVRES ENTREVISTA. Atriz, mãe, militante e produtora cultural. Herdeira de uma família de tradição militante. Maria