Quem tem medo de Carmen Silva Ferreira?

Foto de Caco de Paula

Maria Amélia Rocha Lopes, jornalista, especial para os Jornalistas Livres

 

Por que o poder público teme tanto a baiana Carmen Silva Ferreira, que lidera o Movimento
dos Sem-Teto do Centro (MSTC)? Será, talvez, por ela ter soluções para a gestão pública, tanto
na área de moradia quanto de emprego, educação e saúde? Nesta terra movida a dinheiro há, provavelmente, quem desconfie de suas melhores intenções, mesmo jamais tendo sido vista pleiteando algo a seu próprio favor.

Deve ser difícil para o gestor eleito conhecer essa mulher que trabalha para os sem-teto
dentro dos rigores da lei. E a lei diz que os edifícios abandonados, cheios de dívidas com a
Prefeitura de São Paulo, deixam de cumprir sua função social. Como leiga, posso concluir que a sua
ocupação, portanto, não fere nenhum dispositivo de lei.

O Brasil é signatário da Declaração dos Direitos Humanos da ONU. E lá está escrito: “Toda
pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e à sua família saúde e bem-estar, inclusive

alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais

indispensáveis”. E isso tem força de lei, embora grande parte dos brasileiros viva muito
distante desses padrões.

Pude conhecer melhor dona Carmen quando a entrevistei no programa Bom para Todos, da
TVT. Firme, séria, determinada, objetiva, foram os primeiros adjetivos que me vieram à mente.
Suas respostas para as questões de moradia são muito simples e claras. Ela sabe como resolver
o déficit habitacional numa cidade como São Paulo, ela sabe como tirar as pessoas das ruas,
devolver-lhes a dignidade. É intuitiva e prática.

No entanto, os gestores das políticas públicas da cidade preferem ignorar a sua sabedoria.
Preferem vê-la encarcerada. Assim, talvez seja mais fácil conter a disseminação de ideias que
podem mudar a história da população miserável. Uma escravidão jamais resolvida paira sobre
as nossas cabeças. Não há empatia para com os pretos, pobres e periféricos. A eles devem ser
destinados os confins, as beiradas da cidade, sem transporte, trabalho, educação e saúde. As
senzalas do século XXI.

Carmen Silva Ferreira ousou desafiar essa lógica. Ela e seus filhos estão sofrendo na carne por
isso. Se nos resta um pouco de humanidade, solidariedade e empatia, não podemos nos
conformar.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.

Hoje Maria Marighella é a entrevistada no Programa JORNALISTAS LIVRES ENTREVISTA. Atriz, mãe, militante e produtora cultural. Herdeira de uma família de tradição militante. Maria