Qual será a edição desses dias?

Da liberdade digo como Raul: Chicago não aguenta.

 

 

 

E tem guru na linha, que Carvalho do caraio.

 

Queríamos ser feliz, resistiram os indígenas, nossos arquivos de segurança.

Nasci no rio doce, bem sei do mel de meu povo.

Há tantas barragens, todas sedentas para invadir nossa pele, nossa alma,

nossa Minas, nossa Amazônia,

e agora?

 

E agora? Deletamos a partícula de beleza assim, tacamos minas nas terras que restam?

 

Nem sei, o mundo derrete em nossas mãos. Sobem os graus de nossas águas, o planeta esquenta, e o governo turbina nossa devassa ambição. A bolsa há de subir, abrir-se à demanda de sangue de abelhas, peixes bons, gente, macaco, ariranha.

Tudo engorda uma vontade.

 

Evaporo, pouco importa a areia das praias que vejo ao mercado, se é rio, se é mar, se são apenas alagados.

 

 

Meu agro, dividendos…

 

Divido, engordo, superávits me vejo

 

obeso de si, econômico, farto

 

tudo como.

 

Esquecer jamais.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula e Xi: por nova ordem mundial

Coincidência vai além do terceiro mandato e é vista em discurso que desenha uma nova configuração da forças politicas no mundo, onde o protagonismo pode

Craque dentro e fora do campo

O centroavante Richarlison ganhou cerca de 4 milhões de seguidores em seu Instagram após fazer os dois gols na vitória do Brasil contra a Sérvia.

Poder Para o Povo Preto

Por Tchê Tchê, no The Players Tribune em parceria com o Observatório da Discriminação Racial no Futebol Irmão, eu carrego na alma e no corpo