Mais recentes: crônica

  • Ô dó

    Entre o primeiro poço de petróleo no Brasil, em Lobato, bairro de Salvador, e o chamado megaleilão do pré-sal, passaram-se oitenta anos. Ironia ou castigo do destino, as bodas de carvalho deu-se com um banho de óleo, ouro negro, nas brancas praias da Bahia, uma mácula para Iemanjá.  ...
  • Caçador e caça

    Querem cercar o índio, cercear, caçar. À bala, mataram mais um, emboscado entre nuvens, no chão da floresta, entre rios e bichos do mato. Apavorados ficam o sentimento e as ideias do mundo, sem saber quando pára isso no país que chamamos de nosso. Qual é a cifra dos...
  • Relato de dias felinos

    Nesta semana observei um artista na construção de sua obra, a Onça-Sucuri, um felino réptil saltando dos ares. O artista sugere uma jaguar serpente a invadir nossa área comum de direitos ou desejo. Ao mesmo tempo encontro a cidade invadida por onças, reflexão artística para garantir a sobrevivência da...
  • Graxa na cara?

    imagens exclusivas, de Veetmano Prem Imprensa© / AgênciaJCMazella Há momentos em que palavras perdem qualquer função, são totalmente dispensáveis diante da boa fotografia. Boas fotografias muitas vezes são pura tristeza, mazelas. Nesse momento que vejo as praias em pranto, tanta areia branca deprimida, campo de guerra e refugiados, apenas uma...
  • Salve geral

    Somos poetas dum mundo caduco, desenhistas dum mundo sujo, fotógrafos de lixo, repórteres de cacarecos. Formas escuras invadem,  manchas de uma noite longa num lençol azul de céu e de mar. Estou triste, milhões estão. É queimada no céu, é óleo na água.  A Amazônia Verde e a Amazônia...
  • Árvore, índio e avião

    Há no México uma árvore extensa, gulosa, tão antiga como o tempo da vida na Terra, chão de indígenas. Não há muito o que dizer de uma árvore. Uma árvore é uma árvore, e isso basta. Imagens nos libertam das palavras, dispensam letras, construções difíceis da língua. Escrever tem...
  • Somos semente, seremos pedra

    Sementes ou pedra, qual o tesouro dessa terra, bicho? Metralhadora cheia de mágoas, corais da Amazônia, poeta carioca, preto baiano, planta do cerrado. . Fumaça paulista cegarei, bandeirante catando índio. . Não sei porque comemoramos dia da árvore, talvez porque cremos na lenha da cruz. Não chegaremos aos céus, não...
  • A borduna e a palavra

    Como chuva na face, em tarde quente, a Fundação Darcy Ribeiro traz um alento aos que vagam desanimados, sedentos, entre um país em desconstrução. Instituição dedicada à pesquisa e ao desenvolvimento de projetos educacionais, culturais, sociais e científicos, a Fundação encaminhou o nome de Ropni (onça fêmea) Metyktire, o...
  • O mundo das águas em terra de feras

    O que esses caras, que põem fogo no mato, roubam da gente? Queimam nossa parte, lesam a pátria. Aqueles que podem habitam as águas; findarão também entre lama nos dentes, um dia. Até o Pantanal esfumaçou, quem diria, o lugar das águas. A beleza que me molha nas imagens...
1 2 3 21