Mais recentes: crônica

  • Ninguém faz samba só porque prefere

    Ninguém faz samba só porque prefere ou traz na mão direita a rosa. Guardo suas meias e seus sapatos. Iracema, nesse chão tudo é perda de índio, poucas lembranças, triste canto, fusão. Morrem nas andanças de Macunaíma tantos, tanto Beth como Antunes, Carvalho e Filho. A arte tão triste...
  • Diário do Bolso: O reinado do presidente

    Nobre Diário, um presidente é como um rei: todo mundo obedece, todo mundo puxa o saco. Por José Roberto Torero* Mas, além disso, existe outra coisa igual: eu tenho o poder de escolher quem serão os meus barões, viscondes, condes e marqueses. Meus nobres, minha corte. Por isso eu distribui...
  • Moinhos de vento

    São 500 anos da morte de Leonardo da Vinci. Seria uma celebração à vida e ao entendimento das coisas, à cultura e à ciência, mas não, tudo padece; até as girafas estão no fim, cansadas de viverem espichando o pescoço e terminarem assim, extintas. As abelhas também desistem desse mundo,...
  • Não estava no plano

    Lá estava a nave pousada, uma estrela colorida no Planalto Central, o claro instante cantado por tantos. Um enlaçar de braços, antiga tecnologia que ao poder apavora, renega, trama resistência. É pena. São plumas amarradas na linha, que na cabeça ostenta todo poder da gente nativa, a coroa de...
  • São gigantes os homens que vejo

    O sol beija a manhã em seu céu azul, verde é a grama e muitos são os pés que pisam, de tão longe, tão firmes. Fico pensando se Glauber estivesse vivo e nesse momento, Rocha, portasse meu celular. O que veria nessa terra em transe pelo olho da linha,...
  • No diário do Bolso: cartinha pra Carluxo e Mourão

    Por José Roberto Torero * Poxa, Diário, que brigalhada! O Carluxo, o Mourão e o Olavo estão se esganando. Meu governo está parecendo churrasco de domingo em família depois que o pessoal bebe. Acho que o certo era eu escrever três bilhetes para eles. Para o Mourão ia ser assim:...
  • Produção e meios de produção indígenas

    É como se Elis Regina cantasse Dois Pra Lá, Dois Pra Cá, o falso brilhante a inebriar com falsas promessas, rompendo de vez os laços com a terra. A incrível imagem da semana, do fotógrafo indígena Kamikia Kisedje, no Pólo Wawi & aldeia Khĩkatxi do povo Khĩsetjê, TI Wawi-MT,...
  • Fatos doidinhos

    Voltava ontem da aldeia Tekoa Ytu, às margens da cidade de São Paulo, quando amiga me mostrou postagem em rede, de mineiro doido, a ver dragões onde só voam urubus, e vez ou outra algumas aves migratórias, ou macaco querendo galho. Dizia a mensagem que entre os indígenas estariam...
  • O lugar de se manter

    Cada metro a mais de cidade é um metro a menos de futuro. Os elementos da resistência são a água, a terra, o ar, numa revolução Guarani, tal uma flor no horizonte da cor da pele, ouço bem nessa manhã. O jovem homem, líder, clarea. Dos clãs da terra...