Podes crer

difícil esconder a verdade

Quase 10 mil km² da remanescente floresta amazônica foram devastados, diz o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), nos dados do PRODES, projeto de monitoramento do desmatamento da floresta amazônica brasileira por satélite. O programa calcula as taxas anuais de desmatamento, que foram divulgadas hoje, evidenciando a constante derrubada da floresta.

Ficará furioso o presidente?

 

O projeto PRODES realiza o monitoramento por satélites do desmatamento por corte raso na Amazônia Legal e produz, desde 1988, as taxas anuais de desmatamento na região, que são usadas pelo governo brasileiro para o estabelecimento de políticas públicas.

A taxa anual de desmatamento PRODES tem sido usada como indicador para a proposição de políticas públicas e para a avaliação da efetividade de suas implementações.  Os dados espaciais do PRODES são utilizados em: (a) Certificação de cadeias produtivas do agronegócio como a Moratória da Soja e o Termo de Ajustamento de Conduta da Pecuária-TAC da Carne; (b) Acordos inter governamentais como a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 21) e os Relatórios de Inventário Nacional de Emissões de Gases de Efeito Estufa e (c) Doações monetárias pelo Fundo Amazônia, que usam o PRODES como dado de referência à atividade de desmatamento na Amazônia Legal.

Mapas desenhados por Leonardo da Vinci

É do alto, olhando de cima, que essas máquinas incríveis, os satélites artificiais e suas lentes, seus sensores, desmentem os governos insanos. Se o homem antigo se guiava pelos instintos e momentos de sabedoria, ou pela arte e ciência numa vontade de humanidade, hoje é o olho parabólico no cosmo que nos guia.

O INPE, mesmo chacoteado, humilhado até, afirma sua dignidade.

O satélite CBERS 04A já está na base de lançamento de Taiyuan (TSLC), China. O Programa CBERS (do inglês, Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres) no Brasil é desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e na China, pela Academia Chinesa de Tecnologia Espacial (CAST). O lançamento do CBERS 04A, o sexto da parceria Brasil-China, está previsto para o dia 17 de dezembro.

Içamento do refletor parabólico

Os satélites CBERS 04A e o Amazonia-1,  terão uma nova antena na Estação Terrena de Cuiabá (MT), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). O novo sistema será utilizado para o rastreio, controle e a recepção de imagens dos dois satélites e permitirá a execução de passagens simultâneas, sem perda de dados dos novos satélites de observação da Terra.

Montagem do refletor parabólico

*informações e imagens por INPE

Categorias
Artigo
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish