Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Derrubam-se árvores, o fogo lambe a terra.

Tudo vira pó.

Milhões de seres em pó: bactérias, fungos, formigas, caramujos, macacos, onça, anta.

Tantos enfim unificados.

Solidariedade é própria dos ventos,

Leva, compartilha.

Pedaços da Amazônia, poeira fina, estão em meio a meu quintal, piso frio, depois de leve chuva.

Gráfico, reta, anúncio, arte? 

Não sei, é tudo sujeira dos homens.

Reteno é o nome da substância que deixou preta a água da chuva, ontem, em São Paulo.

Água escura, lágrimas de queimada.

A tristeza da floresta é uma fumaça que invade o abraço, um medo obscuro que envolve a cidade grande.

Lamentar? Fugir para onde? Plantar árvores

desesperadamente?

A cidade estava tão quieta hoje.

leia mais:

https://revistapesquisa.fapesp.br/2017/09/11/poluente-emitido-pela-queima-de-biomassa-causa-dano-ao-dna-e-morte-de-celula-pulmonar/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POSTS RELACIONADOS

Higino vive!

por Renato Athias Nestes tempos de pandemia eu acordo como sempre, sem saber em que dia, e nem como será o dia. Logo depois, que