É muita Coisa, muito Símbolo!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

“Esse horror que é a morte do menino Miguel é a história com mais símbolos de que eu tenho lembrança:⁣

A empregada que trabalha durante a pandemia;⁣
A empregada, mãe solo, que não tem com quem deixar o filho;⁣
A empregada é negra;⁣
A patroa é loura;⁣
A patroa é casada com um prefeito;⁣
O prefeito tem uma residência em outro município, que não é o que governa;⁣
A patroa tem um cachorro, mas não leva ele pra passear, delega;⁣
A patroa está fazendo as unhas em plena pandemia, expondo outra trabalhadora; ⁣
A patroa despacha sem remorso o menino no elevador;⁣
O menino se chama Miguel, nome de anjo;⁣
O sobrenome da patroa é Corte Real;⁣
A empregada pegou Covid com o patrão;⁣
A empregada consta como funcionária da Prefeitura de Tamandaré;⁣
Tudo isso acontece nas torres gêmeas, ícone do processo e verticalização desenfreada, especulação imobiliária e segregação da cidade do Recife;⁣
Tudo isso acontece em meio aos protestos Vidas Negras Importam;⁣
Tudo isso acontece no dia em que se completaram cinco anos da sanção da lei que regulamentou o trabalho doméstico no Brasil; ⁣

É muita coisa, muito símbolo.”⁣

Texto por Joana Rozowykwiat (@joanagr) (@JoanaRozowyk)

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Ato lembra vítimas e chama atenção para prevenção ao HIV/Aids entre jovens

Laço vermelho na escadaria marcou o 1º de dezembro, Dia Mundial de Luta contra a Aids

Neste dia 1º de dezembro, Dia Mundial da luta contra AIDS, as vítimas da doença foram lembradas e as políticas públicas para quem vive e convive com o vírus foram defendidas em ato simbólico realizado na Praça do Papa. Um laço vermelho foi estendido, junto a velas e cartazes com palavras de ordem. As imagens foram distribuídas nas redes sociais.

Diário do bolso: os detratores e a vigilância ditatorial

Diário, meu governo tem mais vazamento que aquelas piscinas de plástico que eu comprei pros meninos quando eles eram meninos.

Ontem, por exemplo, vazou uma lista que o Ministério da Economia encomendou para a empresa BR+Comunicação sobre formadores de opinião (jornalistas, youtubers e professores universitários).

>