Mulher chama entregador de hamburguer de “macaco” e pede troca por branco

Motoboy foi surpreendido ao fazer entrega em condomínio de luxo de Goiânia
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

“Esse preto não vai entrar no meu condomínio. Mandar outro motoboy que seja branco. Eu não vou permitir esse macaco”, avisou uma moradora do Condomínio Aldeia do Vale, de Goiânia, GO, à atendente da hamburgueria Ham Burguer na noite de ontem, 26. No entanto, na noite de terça, 27, o Condomínio soltou nota informando que a autora da mensagem ao aplicativo não mora no local.

Segundo o jornal O Popular, a mensagem foi recebida às 23h45, quando o motoboy chegou na portaria do condomínio. A gerente da hamburgueria explicou por Twitter e Instagram que quando o entregador chegou ao local, ele pediu que a cliente liberasse a portaria, quando recebeu como resposta a declaração de racismo da cliente.

“No começo, durante uns 15 segundos, eu pensei que era mentira, ou algum teste com o restaurante, uma vez que me recusei a acreditar que eu realmente havia lido isso”, explicou a gerente, identificada apenas como Carol. O entregador nem tinha feito contado com a moradora, o que leva Carol a acreditar que a cliente tenha ligado para a portaria a fim de perguntar se ele havia chegado e ficou sabendo sobre a cor da sua pele, já que a casa fica a certa distância da portaria.


“Me indigna o fato de que isso realmente aconteceu. Não divulguei nenhuma informação da pessoa porque não quero ser processada por difamação, mas vou à polícia denunciar esse crime de ódio. Gravei tudo e está no meu acervo pessoal. Espero que essa criminosa não saia impune, isso é CRIME! Nunca tinha passado por isso antes. No momento, estava em ligação com o entregador, porque precisava passar informações de quadra e lote e ele, percebendo que eu tinha me calado, perguntou o que havia acontecido. Eu, parada e atônita, tive que contar pelo telefone que um crime de ódio tinha sido cometido contra ele, devido à cor de sua pele. A pessoa finalizou o chat dizendo que não compra em restaurante judaico”, contou Carol no tweet.

Desmentido

Enquanto a Polícia Civil apura o caso, na noite dessa terça-feira, 27, o Condomínio Aldeia do Vale divulgou nota informando que a cliente de hamburgueria não mora no residencial. Informou ainda que recebeu da polícia o nome cadastrado no aplicativo que foi usado para fazer o pedido.

“Checando em nossos cadastros, temos certeza em informar que ela não é e nunca foi moradora do Aldeia do Vale”, disse o comunicado.

A assessoria de imprensa do condomínio alega ainda que foram verificados os registros de visitante e que nenhuma pessoa com o nome usado para fazer o pedido de entrega passou pelo condomínio. “Tudo não passou de um trote criminoso por alguém que nunca residiu aqui”, diz a nota.

COMENTÁRIOS

  • Tempos de bostonaro, racismo, ignorância, essa elite saída do esgoto podre! Fascistas nojentos que saíram do armário com o novo governo. Agora eles não tem mais vergonha na cara, estão empoderados!

  • É difícil acreditar que existe brasileiro tão escroto, mas a eleição do Bolsonaro é prova que este tipo de gente empesta o Brasil. Abaixo o racismo.

  • POSTS RELACIONADOS

    Há racismo estrutural, SIM!

    Repudiamos com veemência mais esse assassinato e também repudiamos o vice-presidente General Mourão e o fascista lá do Palácio do Planalto que deveriam ter vergonha de afirmar que “no Brasil não há racismo”

    >