DEPUTADO TRANSFÓBICO DO PARTIDO DE BOLSONARO ASSUME SER GAY PRA ESCAPAR DE DEDURAGEM NAS REDES!

Douglas Garcia, do PSL, atacou e ameaçou a deputada deputada Erica Malunguinho, mulher trans do PSOL

Deputado Douglas Garcia (PSL-SP )

Depois de ofender e ameaçar a deputada Erica Malunguinho, mulher trans do PSOL, o deputado Douglas Garcia, do PSL, o mesmo partido de Jair Bolsonaro, assumiu-se gay em plena sessão desta sexta à tarde, na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo.

Na quarta-feira, Douglas Garcia dirigiu-se a Erica Malunguinho, dizendo-lhe:

“Se acaso dentro do banheiro de mulher que a minha irmã ou a minha mãe estiver utilizando um homem que se sente mulher […] entrar no banheiro eu não estou nem aí, eu vou tirar primeiro no tapa e depois chamo a polícia”

Não foi a primeira derrapada grave de Douglas, que vinha se notabilizando por comportamento agressivo e abusado. No dia 21 de março, o mesmo deputado chamou os professores de “vagabundos” por protestarem contra a Reforma da Previdência nas ruas.

Na sessão desta sexta, a homossexualidade de Douglas foi apresentada por sua colega de bancada, Janaína Paschoal, a quem ele cedeu seu tempo de fala para que ela o “defendesse”. Em apartes, Douglas afirmou que sempre foi uma pessoa muito bem “resolvida” com sua homossexualidade, que nunca quis fazer dessa condição uma bandeira, mas que temeu que se concretizassem “ameaças” de que, nas redes sociais, sua condição fosse revelada à revelia.

Importante salientar e explicar para o mais novo membro da bancada LGBT, Douglas Garcia, que ninguém deixa de ser transfóbico apenas porque se assumiu como gay. Há muitos gays e lésbicas transfóbicos, e a luta contra a discriminação dentro da própria esfera LGBT é permanente.

Douglas Garcia disse que continua sendo adepto da Escola sem Partido e disse que o PSL de Bolsonaro está acolhendo-o muito bem.

Só para entender, Jornalistas Livres querem já de antemão, dirigir a ele cinco perguntas básicas:

1. O que o senhor acha da frase do presidente Bolsonaro, que disse preferir um filho morto em um acidente de carro a um filho que apareça com outro homem?

2. O senhor já foi vítima de bullying?

3. O senhor já tentou fazer a cura gay?

4. O senhor acha que existe cura gay?

5. O que o senhor acha das propostas da ministra Damaris que prevêem que meninos sejam educados como guerreiros e as meninas, como princesas?

No mais, toda a felicidade do mundo para mais esse homossexual que sai do armário montado pela repressão, pelo machismo e pela discriminação defendidas pelo presidente Jair Bolsonaro!

Viva a liberdade de ser quem se é!

Categorias
DestaquesDiário da AlespDireitos HumanosGeralLGBTMachismo e misoginiaPolíticaSão Paulo
Um comentário
  • Ana Maria Silveira
    5 abril 2019 at 19:56
    Comente

    Eu me preocupo é com o combate à corrupção, com a transparência em relação às coisas públicas, com o nível de educação nas escolas, com o cinismo do Guedes em apresentar aquela indecência de reforma da previdência, com esse salário mínimo criminoso, com os estrupícios públicos que são alguns ministros, o absurdo número de desempregados, a saúde sucateada, com o respeito aos seres viventes… em relação à vida pessoal dos indivíduos, desde que não estejam prejudicando a si nem aos outros, por que vou me preocupar?

  • Deixe uma resposta