Poema do desterro

ilustração Joana Brasileiro

Os dias de abril vão acabando com a gente

17 em 2016

04 em 2018

E outro ainda virá neste mesmo ano

Para lembrar o abaixo de tudo a que nos relegam.

Para que gargalhem as hienas, abutres  e vermes

Não aguento mais o dia seguinte

Não tenho mais coração

Arrancaram-no com o Power-point  da desfaçatez

As balas do ódio

O  jejum manipulador de mentes

A colheita das provas necessárias à condenação política

Os twittes dos milicos ameaçadores em cadeia nacional

Não me peçam um coração para refazer o mundo

Só tenho flecha

Machado

Alforje e cabaça

Chamem os Orixás  à Terra

À guerra e seus infindáveis começos

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.