“Só ouço barulho”. O código Trump: conspiração e a desinformação em chave atualista

"Eu não entendo, você é o presidente! Você não é como o tio louco de alguém que pode simplesmente retuitar qualquer coisa"
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Na noite da quinta-feira dia 15 de outubro ocorreram simultânea e separadamente debates com os dois candidatos à presidência dos EUA, Donald Trump e Joe Biden, com eleitores em emissoras de televisão concorrentes. Esse duplo espetáculo político-midiático foi a solução encontrada frente ao cancelamento do debate direto entre os dois candidatos, devido à recusa de Trump em participar em formato remoto após ter contraído o coronavírus.

Mateus Pereira, Walderez Ramalho, Valdei Araujo, professores da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) em Mariana, MG*

Cada candidato respondeu a perguntas feitas pelo público e pelos jornalistas responsáveis por conduzir a entrevista. Biden falou em estúdio da rede ABC na Filadélfia, intermediado pelo jornalista George Stephanopoulos, enquanto Trump foi sabatinado no estúdio da NBC em Miami, com a mediação da jornalista Savannah Guthrie.

Essa separação entre os candidatos em dois debates distintos e simultâneos acentuou o contraste nas estratégias e abordagens que cada um deles adota na disputa pela preferência do eleitorado. Além de ser um símbolo da divisão atual que tem corroído por dentro diversas democracias ao redor do mundo.

Essa diferença foi amplamente destacada pela imprensa estadunidense e global. No evento estrelado por Biden, o debate foi marcado pela parcimônia e discussão mais moderada. Tanto o candidato democrata quanto o moderador realizaram poucas interrupções. Mesmo quando confrontado com questões mais difíceis, Biden manteve o tom de voz mais baixo e, geralmente, esperava o seu interlocutor concluir a pergunta. Quando criticado por suas falas e posições, Biden contra-argumentou sem adotar uma postura agressiva. Chegou inclusive a reconhecer e lamentar algumas posturas adotadas no passado – por exemplo, a sua participação na aprovação da “Lei de Crimes” de 1994, que muitos apontam como um dos fatores para a ampliação do encarceramento em massa da população negra daquele país.

Nada mais diferente do que se viu na sabatina com Donald Trump. Um detalhe curioso foi que a transmissão teve início com a mediadora Savannah Guthrie relatando à equipe da NBC que ela estava com alguma falha técnica em seu ponto de ouvido: “Só ouço barulho”: essa foi a primeira frase que o público ouviu quando o espetáculo começou. Parecia um prenúncio do que ocorreria ao longo dos 60 minutos restantes da atração.

De fato, em comparação com o evento com Joe Biden, o debate com Donald Trump foi muito mais cacofônico e caótico, o volume da fala muito mais alto e o tom mais agressivo e disposto ao confronto e à polêmica. Ao longo do evento houve constantes interrupções, tanto da parte de Trump quanto de Guthrie – que não se escusou em pressionar o candidato republicano todas as vezes que tentava fugir de uma questão ou desviar o assunto, um estratagema que ele empregou à exaustão.

Um dos momentos mais comentados foi quando Guthrie pressionou Trump sobre as teorias conspiratórias que o elegeram como herói na luta contra a pedofilia (QAnon), e de que Joe Biden teria arquitetado o “falso” assassinato de Osama Bin Laden – mentira que o próprio presidente dos EUA difundiu por meio de sua conta no Twitter.

Nesta coluna, faremos uma análise mais detida do embate entre Trump e Guthrie a respeito desses temas. As falas demonstram como Trump intensifica a agitação e a confusão por meio de estratégias retóricas muito bem calculadas. Cada frase empregada desempenha uma função, e visa ativar/atualizar em partes do eleitorado determinados afetos e visões de mundo.

Para Trump, a confusão e a agitação são métodos de mobilização poderosos. Interrupções, tom de voz alto e agitado, frases desconexas e que se contradizem entre si podem parecer apenas sinais de uma mente fraca e perdida. Mas convém não subestimar a capacidade de se conectar com seu público de um “showman” que logrou se tornar o presidente da nação mais poderosa do planeta. Convém também avaliar os recursos retóricos empregados pelo candidato-agitador com referência à condição atualista que caracteriza o nosso presente.

***

Savannah Guthrie – Tudo bem, enquanto estamos denunciando, deixe-me perguntar sobre o QAnon. É essa teoria de que os democratas são uma rede satânica de pedofilia e que você é o salvador. Você pode agora, de uma vez por todas, afirmar que isso definitivamente não é verdade, e…

Donald Trump – Então, eu sei [um fala em cima do outro]

SG- Rejeitar o QAnon…

DT- Sim.

SG- Em sua inteireza?

DT- Eu não sei nada sobre QAnon

(Ao interromper continuamente a fala de seu interlocutor é produzida uma quebra do fluxo comunicativo. O diálogo se transforma em uma cacofonia de alto volume e velocidade – falas quebradas e sobrepostas, onde um tenta falar por cima do outro, o que intensifica a sensação de conflito, em vez de um debate entre ideias e posições. Esse tipo de situação dificulta a compreensão do conteúdo das falas em si; no entanto, ao criar esse ambiente conflitivo, Trump reforça a mensagem de que ele está sob ataque constante da “grande mídia”, ao mesmo tempo que tenta transmitir uma ideia de força e virilidade, alguém que não se intimida perante o inimigo mas, ao contrário, está sempre pronto para o contra-ataque.)

SG- Eu acabei de te dizer [o que é QAnon]

DT- Eu sei muito pouco. Você me disse, mas o que você me diz não significa necessariamente que seja verdade. Eu odeio ter que dizer isso.

(Trump continuamente reforça a desconfiança do público com a grande mídia, utilizando-se de uma estratégia negacionista que alimenta um ceticismo irresponsável; mais como gesto emocional do que como resultado de análise crítica fundamentada. Embora Guthrie tenha apenas descrito um fato conhecido por muitos – a existência da teoria conspiratória QAnon –, Trump se recusa a aceitar como fato, dizendo que se trataria apenas da palavra e opinião da jornalista. No “código Trump” de desinformação, a grande imprensa é um bloco monolítico totalmente corrompido e a serviço dos democratas (e da esquerda radical), isso inclusive justificaria a existência de um suposto outro lado, como a Fox News, que seria tão parcial quanto às demais, mas sua parcialidade estaria justificada como reação à mídia hegemônica. É no interior desse quadro que o negacionismo como estratégia de desinformação adquire sentido e eficácia.)

DT- Eu não sei nada sobre isso. Eu sei que eles [QAnon] são totalmente contra a pedofilia. Eles lutam muito. Mas não sei nada sobre isso [Não fica claro se está referindo ao QAnon ou aos democratas pedófilos]. Se você gostaria que eu…

(Na mesma frase diz não saber nada sobre o QAnon e que “eles são totalmente contra a pedofilia”, que “lutam muito”. A coerência interna da sua posição (se ele sabe ou não sabe sobre a teoria) importa pouco do ponto de vista do seu objetivo, que é de ativar sua base de apoio. Afinal, enquanto presidente dos EUA, é factualmente impossível que ele não saiba nada sobre o QAnon. Mas, ao ligar a teoria com uma suposta luta anti-pedofilia, Trump é capaz de, ao mesmo tempo, acenar à sua base de eleitores que acredita na teoria conspiratória, e também para o público em geral que abomina a prática da pedofilia. A função da teoria QAnon consiste exatamente em atribuir essa prática aos democratas, ao passo que Trump figura nessa narrativa como um grande salvador e defensor das crianças e um herói vingador contra os abusadores. Na verdade a comunicação – se é que podemos usar esse conceito – só se efetiva quando a mensagem de Trump atinge as bolhas de desinformação que reproduzem continuamente memes e narrativas conspiratórias. É nesse ambiente que a mensagem de Trump realmente é ativada. Para nós que estamos fora dessas bolhas, tudo soa apenas como barulho, loucura ou má-fé. Trump alimenta a teoria conspiratória sem arcar com os custos de uma afirmação direta e clara.)

SG- Eles acreditam que é um culto satânico dirigido pelo estado profundo.

DT- Estude o assunto. Eu vou te dizer o que eu sei. Eu sei sobre o Antifa, e sei sobre a esquerda radical, e sei como eles são violentos e cruéis. E eu sei como eles estão incendiando cidades administradas por democratas, não dirigidas por republicanos.

(Aqui Trump promove um desvio de foco trazendo à tona os grupos antifascistas e da “esquerda radical”, tema com o qual se sente mais à vontade e que é diariamente coberto pela imprensa que o apoia. Assim, sugere que a jornalista evita abordar o tópico por não fazer uma cobertura imparcial. Novamente a lógica do “doisladismo”, como se a realidade dependesse apenas de sua preferência política, sem qualquer possibilidade de confiança no outro lado acerca inclusive dos mais elementares aspectos da realidade, como as vantagens do uso de máscaras, por exemplo. Desse modo, Trump está atualizando uma narrativa que já circula amplamente no país. Sob esse ponto de vista, importa pouco se os grupos referidos pelo candidato-agitador realmente realizam as ações que ele lhes atribui.)

SG- O senador republicano Ben Sasse disse que “QAnon é louco e os verdadeiros líderes chamam de teorias da conspiração, teorias da conspiração.”

DT- Ele pode estar certo.

SG- Por que não dizer apenas que é loucura e que não é verdade?

DT- Posso ser honesto? Ele pode estar certo. Eu simplesmente não sei sobre QAnon.

SG- Você sabe!

DT- Eu não sei! Não, não sei! Eu não sei! Você me contou tudo sobre isso.

(Quando confrontado novamente pela jornalista, Trump volta a negar que conheça algo sobre o QAnon. Repete a mesma frase três vezes: “Eu não sei”. Falas repetitivas são um dos recursos retóricos mais utilizados por Trump.[1] Obviamente, trata-se de uma negação falsa, e a jornalista sabe disso. Sendo o presidente dos EUA, como ele pode não saber sobre a teoria que o celebra como salvador? Para sua base mais fiel, esse tipo de movimento pode ser entendido apenas como resiliência e resistência a ceder às armadilhas da mídia adversária.) 

SG- Ok, eu tenho mais uma desse tipo.

DT- … deixe-me dizer a você. O que eu ouvi sobre isso é que eles são fortemente contra a pedofilia. E eu concordo com isso. Quer dizer, eu concordo com isso…

SG- OK.

DT- … e eu concordo fortemente com isso.

SG- Mas não há uma seita pedófila satânica sendo dirigida por…

DT- Eu não faço ideia. Eu não sei nada sobre eles.

(Ele diz não saber nada sobre QAnon. Mas diz saber que eles são contra a pedofilia. E que ele “concorda fortemente com isso”, isto é, ele diz defender a luta contra a pedofilia. Mas se recusa a se comprometer com a conspiração em seu conjunto, pois “não sei nada sobre eles”. Ao dizer que ele não sabe sobre o QAnon, Trump não está recusando a validade da teoria conspiratória, de algum modo o clima conspiratório é até reforçado. O tema do culto satânico propagado pela teoria QAnon não pode ser afirmado, mas ele deixa uma dúvida no ar sobre a sua existência (“Eu não faço ideia”). Essa centelha, mesmo que mínima, já é o suficiente para quem defende e acredita na conspiração, e também acende a desconfiança entre o público mais amplo, que abomina a existência da pedofilia.)

SG- Você não sabe disso? OK.

DT- Não, eu não sei disso.

SG- Você, apenas esta semana…

DT- E nem você sabe disso.

(Novamente Trump denuncia a falta de credibilidade e imparcialidade da jornalista. Ele não sabe nada sobre o QAnon, mas ela também não sabe. Aqui, Trump está jogando com a armadilha criada por teorias conspiratórias, pois a jornalista não poderia apresentar uma prova de que a tal seita satânica dos democratas efetivamente não existe. O ônus da prova é transferido de quem afirma a existência para aqueles que estão empenhados em negá-la. Assim, por mais surreal que pareça, uma questão factual se transforma em questão de falsa opinião, de achismo. Eu acho que existe! Mas não tendo provas, só convicções… Você que não acredita em mim, mesmo não tendo provas, tem apenas outra opinião. Após essa operação, o absurdo é naturalizado e pode, então, ser vivido como realidade, como parece ser um dos traços principais das atuais guerras culturais de atualização em várias partes do mundo, inclusive no Brasil. O princípio básico de que cabe a quem acusa apresentar as provas é cancelado e com ele qualquer possibilidade de justiça.)

(Essa tentativa de corroer a credibilidade da jornalista é crucial para o código Trump. Reforça a mensagem de que ele está em uma situação de confronto com um inimigo com quem o diálogo não é possível. No limite, ninguém sabe sobre o QAnon; portanto, qualquer tentativa da jornalista de confrontá-lo terá pouca efetividade na base trumpista e é visto apenas como um uso político para beneficiar seu adversário.)

SG- OK. Ainda esta semana, você retuitou…

DT- Por que você não está me perguntando sobre o Antifa? Por que você não está me perguntando sobre a esquerda radical?

SG- Porque você só, porque você já falou voluntariamente…

DT- Por que não está fazendo perguntas a Joe Biden sobre, por que ele não condena a Antifa? Por que ele diz que não existe?

SG- Porque é você que está aqui na minha frente.

DT- Antifa, não, com licença. Isso é tão fofo… Antifa existe. Eles são cruéis, eles são violentos. Eles matam pessoas e estão incendiando nossas cidades. E eles são da esquerda radical.

(Essa passagem complementa a anterior. Além de não saber nada sobre o QAnon, a jornalista se recusaria a falar de coisas que “ele sabe”: sobre os grupos Antifa e a “esquerda radical”. Deixa no ar a sugestão que a jornalista é comprada, está de má-fé por não querer condenar aquilo que ele considera condenável. Assim, a grande imprensa se associa à “esquerda radical” e ao “Estado profundo”. Importa reconhecer que por mais que essa narrativa do QAnon não tenha nenhum embasamento em fatos, ela tem grande efetividade entre o público mais amplo, que tem boas razões para duvidar da imparcialidade da grande mídia.)

SG- Ainda esta semana, você retuitou, para seus 87 milhões de seguidores, uma teoria da conspiração que afirma que Joe Biden tramou para assassinar seis integrantes dos comandos especiais da marinha para encobrir a falsa morte de Bin Laden. Por que você mandaria uma mentira dessas para seus seguidores?

DT- Eu não sei nada sobre isso, posso [falam em cima do outro]

SG- Você retuitou…

DT- Isso foi um retuíte. Essa foi uma opinião de alguém…

SG- Mas…

DT- …. e isso foi um retuíte. Vou colocar isso aí. As pessoas podem decidir por si mesmas. Eu não me posiciono.

(Inicialmente, Trump tenta repetir o estratagema da negação – “Eu não sei nada sobre isso”. Mas na sequência, ele adota um outro recurso, o de rejeitar a responsabilidade de sua própria ação – ter espalhado a mentira envolvendo Joe Biden e o assassinato de Osama Bin Laden. O termo técnico para essa figura retórica é “paralipse” ou “preterição”: quando o orador afirma que não diz algo, mas diz. No caso, ele tenta transferir a terceiros a responsabilidade pela autoria da mentira, dizendo que ele apenas “retuitou” a mensagem. Ao mesmo tempo, ele transfere ao público a responsabilidade de checar a veracidade da mensagem, pois caberia a cada um decidir sobre o tema – apesar de ele ser o presidente dos EUA e ter à disposição a polícia e os serviços de inteligência… De sua parte, afirma, “eu não me posiciono”, ou seja, não quer assumir a responsabilidade pela mentira propagada por ele mesmo.)

SG- Eu não entendo, você é o presidente. Você não é como o tio louco de alguém que pode simplesmente…

DT- Não não. Não não.

SG- … retuitar qualquer coisa.

DT- Isso foi um retuíte. E eu faço muitos retuítes. E, francamente, porque a mídia é tão falsa, e tão corrupta, se eu não tivesse mídia social… Eu não chamo de Twitter, chamo de mídia social. Eu não seria capaz de espalhar minha mensagem. E a mensagem é…

(Ao ser chamado pela jornalista a assumir a responsabilidade de seus próprios atos, Trump contra-ataca dizendo que não se pode confiar nas instituições, especialmente a imprensa profissional. Ele retuíta a informação (falsa) porque, segundo sua narrativa, seria necessário combater a mídia corrupta e esquerdista. O resultado é a intensificação do barulho, da agitação e da confusão. A premissa aqui é condizente com a ordem ultra-individualista: é preciso contar e confiar na liberdade de cada um para julgar e avaliar as narrativas em disputa. Assim, Trump alimenta e é alimentado pelo atualismo e desinformação político-midiática, em especial, por ser um dos arquitetos de uma realidade que se atualiza em função da própria atualidade sem a necessidade de prestar conta com o dia anterior. Uma realidade atravessada pela ilusão da reprodução automática, onde o valor de novidade e o achismo se confundem com o valor de verdade e o conhecimento fundamentado.)

SG- Bem, a mensagem é falsa.

DT- … e você sabe qual é a mensagem? A mensagem é muito simples. Estamos construindo nosso país, mais forte e melhor do que nunca.

SG- Vamos parar.

DT- E é isso que está acontecendo. E todo mundo sabe disso.

(Enfim, Trump foi realmente massacrado pela jornalista? Em nossa opinião, nesse episódio, o código Trump foi efetivamente transmitido para a sua base. Aqueles que não compartilham do código têm a sensação de que Trump foi derrotado no debate. Mas a armadilha está no fato de que quanto mais Trump é pressionado pela mediadora e chamado a assumir a responsabilidade de suas próprias falas, mais se acentua a sensação entre sua base (e potenciais eleitores) de que ele é vítima de perseguição. A agitação e confusão é uma estratégia coerente para reforçar a mensagem. Em vez de prestar contas com o público pela propagação de teorias falsas e conspiratórias, Trump reforça essas teorias constantemente mobilizando seus códigos. Ainda assim, tudo indica que a maioria dos eleitores propensos a votar no confuso e complexo sistema eleitoral americano estão exaustos e dispostos a não renovar mais uma temporada do show de Trump. Ainda assim, não há como esconder a ansiedade e o medo e uma nova virada como a de 2016. Quando fechamos essa coluna novas rodadas de pesquisa mostram uma leve recuperação de Trump e volta-se a falar de interferência russa na promoção de propaganda falsa. Como as últimas eleições aqui e lá demonstraram, hoje pode-se perder ou ganhar um pleito em 24 horas.)


 (*) Mateus Pereira e Valdei Araujo escreveram o Almanaque da Covid-19: 150 dias para não esquecer ou o encontro do presidente fake e um vírus real com Mayra Marques. Ambos são professores de História na Universidade Federal de Ouro Preto, em Mariana (MG). Também são autores do livro Atualismo 1.0: como a ideia de atualização mudou o século XXI e organizadores de Do Fake ao Fato: (des)atualizando Bolsonaro, com Bruna Klem. Walderez Ramalho é doutorando em História na mesma instituição. Agradecemos à Márcia Motta e ao grupo Proprietas pelo apoio e interlocução nesse projeto.


[1] MONTGOMERY, Martin. Post-truth politics? Authenticity, populism and the electoral discourses of Donald Trump. Journal of Language and Politics, v. 16, n. 4, p. 619-639, 2017.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Marília Arraes ganha direito de resposta por mais uma fake news de João Campos

A candidata do PT à prefeitura do Recife, Marília Arraes, obteve mais uma vitória na Justiça Eleitoral numa campanha que ficará marcada pelas agressões e fake news praticadas pelo candidato do PSB, João Campos. Ele foi obrigado a retirar do ar a propaganda irregular que acusa falsamente Marília de ter contratado funcionários fantasmas em seu gabinete quando foi vereadora pelo Recife.

EXCLUSIVO: PSB usa de chantagem, intimidação e ameaças para derrubar Marilia Arraes

Áudio revela chefe de gabinete de Geraldo Julio falando em compra de apoio e ameaçando candidata a vereadora

Começou a circular hoje no Recife um áudio que mostra o chefe de gabinete do prefeito Geraldo Julio (PSB), Rodrigo Farias, ameaçando a candidata a vereadora Charmainne Almeida, do partido Solidariedade, e revelando o repasse de valores evidentemente não contabilizados para o apoio à candidatura de João Campos.

>