Os Guarani ocupam o que é seu

.

O índio Guarani andou longos caminhos, os Peaberus de suas léguas, tão vasta a América, livres da Europa eram. Seu longo domínio, do Pacífico ao Atlântico, entre tantos outros povos. Persisti até hoje, resiliente, sua rota da terra sem males.

Agora, o seu quinhão de terra, lhe resta; é alma, é corpo, é a terra sagrada em si.

Indígenas Guarani ocupam a Funai, em Itanhaém, e se manifestam dançando e cantando pelas ruas da cidade costeira, como é próprio do índio em luta, de tantas aldeias diversas que restam.

Querem a  anulação da proibição de indigenistas da Funai atenderem aldeias em processo de regulamentação das terras, querem a  revogação da exoneração do coordenador regional do litoral sudeste,  Cristiano Hunter, querem a participação dos indígenas nas decisões da Funai.

Querem tão pouco, sei bem. Sei bem também da teimosia e carência que em nós habita a soberba, os não índios.

Ah, fica aquela angústia do dia de chuva; fosse uma manhã de sol, como disse antes Oswald de Andrade, me despia todo.

Vídeo por Richard Werá Mirim©

Categorias
crônica
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish

Relacionado com