ONU cobra do Governo Brasileiro sobre crime da Vale em Brumadinho

Rompimento de barragem em 25 de janeiro de 2019 matou 259 pessoas e deixou 11 vítimas ainda desaparecidas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Durante a 45º Sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU hoje, 17, em Genebra, a relatoria especial responsável pelos temas de resíduos tóxicos e direitos humanos apresentou o informe sobre sua visita ao Brasil. O relator, Baskut Tunkat, esteve na Aldeia Indígena Naô Xohã, em São Joaquim de Bicas, MG, e conversou com lideranças de várias comunidades de Brumadinho em atividade realizada no Parque da Cachoeira, em dezembro de 2019.

Após a apresentação do relatório, Marina Oliveira, mobilizadora social da Região Episcopal Nossa Senhora do Rosário (Renser), lembrou à comunidade internacional que, após 20 meses do crime, a população continua sem saber o nível de contaminação a que está exposta. E denunciou que “o Estado permite que a empresa responsável pela tragédia defina a metodologia de análise de contaminação. Como confiar no automonitoramento? Queremos análises independentes da qualidade do ar, solo e água”, disse.

A porta-voz de Brumadinho pediu ao Conselho de Direitos Humanos da ONU que advirta o governo Brasileiro para que seja garantida a punição exemplar dos responsáveis pelas violações e que uma eventual retomada das operações extrativas em Brumadinho ocorra somente após a
reparação integral dos danos e se estudos atualizados comprovarem que não há riscos para a segurança hídrica da população. “Queremos parâmetros e sanções internacionais para as empresas. Nós queremos compromissos reais, porque nossas dores são reais”, afirmou Marina.

A Relatoria da ONU afirma que “os crimes corporativos contra trabalhadores e comunidades são perpetrados com impunidade, e os direitos à informação e participação são reduzidos drasticamente”. “Enquanto o desastre de Brumadinho foi tecnicamente causado pela
instabilidade estrutural e liquefação, a verdadeira causa reside numa notável falta de fiscalização governamental e numa conduta criminalmente imprudente por parte da Vale”.

Reconhecendo que o país passa por um momento de profundo retrocesso, o relatório apresenta uma recomendação ao Conselho da ONU para que seja aberta um inquérito internacional sobre a situação de direitos humanos no Brasil, com foco em questões ambientais, de saúde pública, direitos do trabalhador e defensores de direitos humanos. É a primeira vez que o Brasil é alvo de uma investigação como essa desde o início do período democrático.

“Várias decisões judiciais e parlamentares não são implementadas quando desfavoráveis aos interesses privados. A retórica inflamatória, a rejeição da sustentabilidade e o fracasso em processar tem incendiado outra epidemia, uma de intimidação, ataques e assassinato de defensores dos direitos humanos”, denuncia o relator da ONU.

COMENTÁRIOS

  • O pessoal do Movimento Contra a Incineração do Lixo realizará uma coletiva virtual de imprensa para falar dos próximos acontecimentos sobre a questão. O evento será nesta quinta-feira (17), às 14h, pela plataforma Google Meet. Quem estiver interessado em participar, envie contato e o veículo para o qual trabalha para o e-mail [email protected], com “COLETIVA” no assunto. O link será enviado minutos antes do evento.
    Ativistas presentes:
    – Syllis Paes – Projeto Ecophalt
    – Élio Lopes – Concidadania
    – Jeffer Castelo Branco – Associação dos Contaminados por organoclorados
    – Condesmar Fernandes de Oliveira – Rede Caiçara Ecossocialista
    – Mari Polachini – Federação dos Ambientalistas da Baixada Santista

  • POSTS RELACIONADOS

    O Brasil, a imprensa e as ilusões

    Uma pessoa escreveu algo mais ou menos assim: “Por que a imprensa não estampa simplesmente que Bolsonaro MENTIU na ONU?”. Seria um grande avanço, de

    >