Mais um caso de racismo. Desta vez, nas Lojas Americanas, em Brasília

No começo da noite o dia 30/06, Marcus Vinícius Siqueira Silva, de 18 anos, foi fazer compras em uma filial das Lojas Americanas na região central do Gama (St. Central – Gama, Brasília – DF, 72405-610), em Brasília. A partir do momento em que Marcus entrou na loja, passou a ser observado de perto e de forma constrangedora pela segurança. Constrangido, Marcus contou à mãe a situação.  A mãe de Marcus questionou a segurança, que respondeu de forma irônica, e em seguida tentou partir para cima da mãe do rapaz; um outro funcionário da loja conteve a colega, e a afastou dos clientes. A irmã de Marcus filmou a parte final do ocorrido.

Depois do ocorrido, a família registrou um boletim de ocorrência na delegacia de polícia.

Nas redes sociais, Marcus e sua irmã relataram o que aconteceu:

“Fomos comprar chocolates nas Lojas americanas do Setor Central – GAMA no dia 30/06/20 ás 18:30h. Eu, Marcus Vinicius, estava olhando alguns produtos do meu interesse nas @americanascom, logo percebi que a funcionária da loja estava me observando e perseguindo demais e comecei a me senti desconfortável e constrangido com aquela situação;  foi aí que comentei com a minha mãe, que começou a observa-la melhor;  eu ficando constrangido com toda a situação, escolhi os ítens rapidamente e parti direto para o caixa. Chegando no caixa minha mãe pediu para falar com o gerente da loja; logo a atendente falou que ele não se encontrava no momento, minha mãe se distanciou, eu e minha irmã ficamos para pagar o que iríamos levar, mas mesmo assim a funcionária não tirava os olhos de mim; acredito que ela tenha me julgado pelo jeito que estava vestido e pela minha cor. Quase indo embora minha mãe chegou a perguntar para a funcionária o porque daquela situação toda e então a funcionária (segurança das lojas americanas ) afirmou que eu estaria me entregando, com tom de arrogância e deboche. A partir disso minha mãe sem acreditar no que estava acontecendo, falou que não tinha razão para aquilo tudo, e a funcionária com tom de deboche e rindo da situação partiu pra cima da minha mãe, o funcionário que aparece no vídeo afastou a segurança pro fundo da loja onde ela continuou confrontando minha mãe. Foi aí que minha irmã começou a gravar o vídeo e logo depois fomos embora.”, diz Marcus.

Vídeo gravado por marcos, onde relata o caso.

Boletim de ocorrência:

À reportagem dos Jornalistas Livres, a assessoria de imprensa das Lojas Americanas respondeu de forma genérica, sem dar maiores explicações:

“A Lojas Americanas repudia todo e qualquer ato de discriminação e informa que está apurando o ocorrido.”

Att,

Vitória Christino
Assistente de Comunicação

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Bolsonaristas ameaçaram matar repórter dentro do Senado

“Encostaram uma arma na minha cintura, dizendo que eu ia morrer. Outro encostou em meu ouvido e disse que tinha outra arma nas minhas costas. Senti algo, como um pequeno cano. E não paravam de me xingar com diversos palavrões. Comecei a implorar pela minha vida”

Nota de escurecimento: por um natal sem racismo

Nota de Escurecimento

No Café com Muriçoca deste Natal, Dinha fala sobre os casos de racismo envolvendo o Jornalistas Livres e explica porque seguirá como colaboradora do Portal.