ENTRE LUIZ E MANOEL

O poeta Manoel de Barros escreveu certo dia que é mais fácil fazer da tolice um regalo do que a sensatez.

Pergunto-me o que pode haver de comum entre o voo das borboletas e o discurso de um ex-presidente? E como continua o poeta Manoel, tudo que não invento é falso. Terá a poesia alguma influência sobre a vida? E serão os juízes do mundo homens de puro saber que além das borboletas, definem o que deve e não deve viver?

Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou, é enfático o poeta  e duro o presidente.

Porque borboleta é ser para voar, a lei pode pouco fazer contra a poesia

Não preciso do fim para chegar. Do lugar onde estou já fui embora, conclui o poeta.

Presidente e borboleta são vícios de democracia e liberdade.

 

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS