Em Nome de Jesus

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Por José Barbosa Junior*
Em nome de Jesus, o exilado (levado por seus pais ao exílio, no Egito), relembramos os milhares de brasileiros que tiveram que deixar o seu país às pressas por conta de um regime autocrático, violento e perverso;
Em nome de Jesus, o periférico, rechaçamos essa política classista que ignora as periferias, jogando-as ao esquecimento público e entregando-as aos poderes do tráfico, das milícias e de alguns religiosos que aumentam a exploração e falta de dignidade humana;
Em nome de Jesus, o pobre, repudiamos a Reforma da Previdência acachapante e vilipendiadora dos direitos dos mais pobres, que mais uma vez retira de quem não tem para continuar agradando aos poderosos e ricos que dominam o país desde sua invasão;
Em nome de Jesus, o não branco, denunciamos o genocídio da juventude negra e o racismo estrutural que coisifica o jovem negro, e como “coisa”, o elimina como se não fizesse parte da nossa humanidade; também o genocídio das tribos indígenas, cada vez mais à mercê dos latifundiários e grileiros que roubam suas terras e assassinam nossos índios, verdadeiros donos e cuidadores de nossa terra;
Em nome de Jesus, amigo dos excluídos, gritamos com os nossos irmãos e irmãs LGBT’s contra a LGBTFobia que mata e exclui gays, lésbicas, bissexuais, transexuais, intersexos e os relega a uma vida de “segunda categoria”, reféns de um sistema heteronormativo que, em nome de deus, os trata como malditos e, por isso, merecedores da morte;
Em nome de Jesus, que reconhece a voz e a força das mulheres, nos juntamos à luta contra o feminicídio e o machismo, também estruturais e estruturantes de nossa sociedade, que reduz a mulher à subserviência e que tem como grande objetivo de vida “servir ao homem e aos filhos”, retirando delas a proeminência, protagonismo e poder, a elas inerentes e justos;
Em nome de Jesus, o preso político, torturado e morto, com o aval do Império e do deus fundamentalista da religião opressora, condenamos, rejeitamos e desprezamos quaisquer movimentos que queiram relembrar a terrível e cruel ditadura que vivemos recentemente, e que não reconhecemos como legítimas as palavras de apoio de líderes religiosos a tais atos. São falsos líderes, mercenários da fé, que há muito já venderam suas almas ao que existe de mais perverso neste sistema. Relembramos e reverenciamos a memória de tantos irmãos e irmãs que tombaram nos “anos de chumbo”, como Frei Tito e Paulo Wright, e tantos outros que sobreviveram aos porões e às torturas desse período. Com estes, o Cristo se identifica em suas dores e temores.
Em nome de Jesus, o que experimenta a ressurreição, reivindicamos a esperança e o encorajamento para a luta; o ânimo que, contra tudo e todos, nos preenche; a vida que insiste em não se entregar à morte e a força para recomeçar, resistir e avançar.
Não vamos retroceder!
Em nome de Jesus!
* José Barbosa Junior é teólogo e pastor da Comunidade Batista do Caminho em Belo Horizonte-MG.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Ajuste Familiar no Brasil de hoje, por Dirce Waltrick do Amarante. Imagem: Gustav Klimt.

Foi numa manhã primaveril que decidi que seria heterossexual.
Assim, convicto, fui tomar café da manhã com a minha família, que era, contudo, desajustada: meu pai era funcionário fantasma no gabinete de um vereador, minha mãe era laranja do meu pai, que era laranja do vereador, meu irmão colecionava armas (de plástico, pois não tínhamos dinheiro para comprar armas de verdade).

>