DAS ALEGAÇÕES NA RONDA NOTURNA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Ah, é dente de onça essa vida no cangote.

Já nem me aventuro entre debates,

abro apenas folhas antigas no que chamavam

livros.

Inútil por-se a propósitos,

todos já tão definidos.

São todos poros no papel, boa celulose em antiga tipografia,

letra após letra.

Renega-se, fica o dito pelo não dito

Fica mesmo, aos arriscados desse tempo,

um passo.

Caminhada.

Tudo de novo.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

>