DANIEL HÖFLING: A Casa-Grande propaga o coronavírus Covid-19

Estruturado como Estado com base na Escravidão, Brasil é campo fértil para o coronavírus porque sua elite impõe o contato com os trabalhadores sem direitos

O jantar - Litografia de Jean-Baptiste Debret, que passou 15 anos no Brasil capturando a vida cotidiana de uma sociedade construída sob a escravidão
O jantar - Litografia de Jean-Baptiste Debret, que passou 15 anos no Brasil capturando a vida cotidiana de uma sociedade construída sob a escravidão

A propagação exponencial do Covid-19 mediante contato social é um fato incontestável e qualquer medida na direção contrária ao  isolamento doméstico deve ser prontamente repelida. Me pergunto como se dará tal isolamento no país da eterna Casa-Grande e Senzala.

O Covid-19 chegou ao Brasil através daqueles cuja condição econômica permitiu a realização de uma viagem intercontinental, ou seja, diminuta parcela da população. Um esforço diligente de isolamento deste restrito contingente ajudaria muito na contenção do espraiamento viral. Seria uma medida factível e democrática, caso não morássemos no último país a abolir a escravidão.

As relações econômicas (e, portanto, sociais) nacionais residem em grande medida na capilaridade quase infinita dos circuitos de renda que afluem da classe alta, média alta e simplesmente média em direção a um contingente enorme de pessoas menos afortunadas. Apoiados numa miríade de serviçais os integrantes da classe média e seus superiores não imaginam uma vida sem as benesses e mordomias da Casa-Grande.

Empregadas, faxineiras, lavadeiras, babás, porteiros, jardineiros, entregadores, piscineiros (ocupação genuinamente pindorâmica) dentre outros amenizam a vida dos supostamente vencedores. Não passa pela cabeça dos mesmos acordar às 7:00 sem encontrar a mesa posta, ainda que para isso a empregada doméstica – maior contingente ocupacional do Brasil com mais de 9 milhões de indivíduos – tenha que acordar às 4:30 para estar de avental “limpa e sorridente” ao desjejum. Arrumar a própria cama, lavar a própria louça, recolher a própria roupa, jogar o próprio lixo e abrir o próprio portão são atitudes impensáveis para uma sociedade nascida do escravismo.

A escassez de oportunidades faz com que milhões de pessoas diariamente, na busca pela sobrevivência, vão ao encontro dos transmissores do Covid-19. E, na volta para casa, em ônibus e metrôs lotados, contaminem a grande parcela da população que nunca saiu do seu  massacrante cotidiano. Ao chegarem em casa, a disseminação nas moradias mais precárias, principalmente nas favelas, tem enorme potencial propagador.

O Covid-19 poderia ser uma oportunidade para repensarmos o absurdo da sociedade excludente assentada na exploração dos serviçais baratos; da desigualdade, da injustiça, do preconceito, da dor e da tristeza. Mas a força de destruição do Covid-19 é menor que o carma da construção e consolidação de uma sociedade eternamente alicerçada no fantasma do escravismo. A primeira medida correta a ser tomada, a de isolar os endinheirados viróticos de seus serviçais, provavelmente nem será levada em consideração. Pelo contrário: hoje foi anunciada a morte da primeira empregada cujos senhores, conscientes da própria contaminação, não a dispensaram do serviço.

No Brasil, mais do que qualquer outro lugar, os mortos governam os vivos.

Daniel de Mattos Höfling

é doutor em Economia

pela Unicamp

(Universidade Estadual de Campinas)

Categorias
DestaquesDireitos HumanosGeralHistória do Brasilmulheres negrasNegras e NegrosracismoTrabalhadoresTrabalho
3 comentários:
  • Gilberto Barros
    20 março 2020 at 11:41
    Comente

    Depois que o bozo foi ao protesto pelo fechamento do congresso e STF, o número de infectados em Brasília aumentou. Inclusive 22 membros da sua comitiva que foram ao estados unidos, estão infectados. Porque ele nega que não está com o coronavirus?? Falou merda, e agora não sabe o que fazer. O gado que comprimentou ele, não entra nem agulha no Butão.

  • Dinei Rinaldi
    20 março 2020 at 12:10
    Comente

    O Brasil só fala em coronavirus e esquece das mortes de Marielle, do miliciano e do Bebiano, cujas todas as suspeitas recaem sobre os bolsonaros pai e filhos, e se esquece que país ja esrava quebrado, sucumbido antes dessa pandemia!

  • jose francisco hofling
    22 março 2020 at 22:20
    Comente

    DANI…ESTOU ORGULHOSO…MUITO BOM MESMO…DEPOIS DISSO NÃO HÁ O QUE ACRESCENTAR…QUERO VER ISSO PUBLICADO NOS JORNAIS DE PIRACICABA…POR FAVOR, ENVIE…AS PESSOAS NÃO PODEM FICAR AINDA COM A IDÉIA QUE ISSO É O SINAL DOS TEMPOS BIBLICOS…E QUE DEUS NOS ESTÁ GASTIGANDO…PRECISAM SE ALICERÇAREM NA CIÊNCIA, NA HISTÓRIA E NA POL[ITICA…SEM ISSO AINDA ESTAREMOS NA IDADE MÉDIA RESPONSABILIZANDO O DEUS TODO PODEROSO POR TUDO… …

  • Deixe uma resposta

    AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish

    Relacionado com