Colégio da PM não quer alunas com trança ‘box braid’

Direção da escola de Belo Horizonte implica com modelo de penteado e alunas negras se sentem vítimas de racismo

Alunas realizaram manifestação de protesto e divulgaram nas redes sociais

E eis, que, de repente, as alunas do Colégio Tiradentes, mantido pela Polícia Militar no bairro Santa Tereza, em Belo Horizonte, estão sendo impedidas de usar tranças tipo ‘box braid’, atingindo de cheio as mulheres negras, que reclamam de racismo. Diante disso, nessa quarta-feira as estudantes realizaram um ato de protesto para denunciar o problema (Confira o vídeo abaixo). Curiosamente, o jornal “O Tempo”, um dos maiores de Minas, e um dos raros veículos a noticiar o fato, omitiu na longa reportagem que o colégio pertence à PM.

Tudo começou quando, na terça-feira, as alunas foram chamadas para ter uma conversa sobre a padronização de penteados, quando foram orientadas a não usarem as tranças ‘box braids’ usadas por várias delas. A proibição fez com que uma delas desabafasse: “Agora me perguntam o motivo das fotos chorando, meu amigos, foram ANOS de aceitação, ANOS que demorei para aceitar minha cor, meu cabelo, minha ancestralidade”, escreveu na postagem que viralizou. “Dói em mim, em  pleno 2018, época em que todo dia vejo histórias de preconceito, um lugar onde deveria propagar o respeito às diferenças entre raças me manda ocultar quem sou de verdade”, acrescentou a aluna nas redes sociais. “Querem obrigar as meninas a tirar suas tranças, qual o problema ter tranças? Pode parecer besteira, asneira, mas não é. Algumas pessoas não sabem o que isso significa pra nós, meninas negras” desabafou a garota no Facebook. 

Outra aluna contou que estava na aula quando foi chamada por um assistente de turno, junto com uma colega de turma que também usa tranças, para ir ao auditório. Quando chegaram lá, um grupo de meninas com penteados semelhantes estava no local aguardando para conversar com uma major, identificada como Lylian, e com a vice-diretora, Cláudia Boldoni. “A major e a vice-diretora estavam conversando com as meninas falando que o nosso cabelo não está no padrão da escola. Comecei a chorar, já tinha medo de isso acontecer há um tempo. Depois que falaram isso, algumas alunas foram liberadas e outras ficaram”, contou ao portal BHZ.

“A major, o tempo todo, falou que fazer trança estraga o cabelo, não sei de onde ela tirou isso. Disse que as tranças estragam a raiz do cabelo e eu expliquei que era até por uma questão de autoestima. Aí ela perguntou se eu já tinha alisado o cabelo. Uma outra menina respondeu por mim ‘é o cabelo dela, não vai alisar’ e a major disse que estava conversando comigo e não com ela”, contou a estudante. Voltei para a sala e comecei a chorar”, acrescentou. 

Punição

Caso não cumpram a determinação de mudar o modelo das tranças até o próximo dia 22, quando termina o recesso escolar, as alunas poderão ser penalizadas com um Formulário de Registro Disciplinar (FRD). O acúmulo de FRD’s pode gerar suspensões e até mesmo a expulsão do colégio.

“Eu uso trança desde abril do ano passado e nunca reclamaram assim. Já falaram para prender o cabelo e reclamaram do tamanho. Eu uso porque melhora minha autoestima, não me sinto bem sem as tranças e não quero voltar a alisar o cabelo”, disse uma adolescente. “Eu estava pensando em falar com a vice-diretoria para que a nova regra fosse colocada para o ano que vem, por exemplo. Tem uma menina que colocou no fim de semana, custa no mínimo R$ 180, e, do nada, falam para tirar? Penso até em sair do colégio. As tranças fazem bem para a autoestima”, ressaltou a estudante, que tem o apoio da família para manter o penteado.  “O cabelo é a autoestima dela, ela sempre sofreu bullying e, quando encontramos algo que a faça feliz, vem isso. Tem que olhar se a nota é boa, se é bem educada. Minha filha está arrasada, com o olho inchado”, disse a mãe da jovem.

O pior é que após a reunião, as meninas passaram a ser alvo de racistas. Em um áudio enviado pelo WhatsApp, um garoto se refere a elas como “macacas”. “Sai fora, suas macacas. Vocês não querem aceitar as regras, sai fora do colégio”, disse. No status do WhatsApp, outra manifestação discriminatória: “A interpretação das negrinha: ‘Colégio Machista opressor! #mimimi”, escreveu um estudante em tom pejorativo.

Regulamento

A direção do Colégio Tiradentes alega que não apenas as alunas que usam tranças foram chamadas, mas estudantes com cabelos tonalizados, topetes e outros fora do padrão imposto pelo regimento. “Diversos alunos foram chamados para falar sobre a adequação dos penteados, não só as meninas que usam tranças. Existe um regulamento que deve ser seguido. Então, se o cabelo está fora do padrão, que tem a ver com os valores da instituição, a mudança é necessária”, explicou a tenente-coronel Lívia Azevedo ao BHZ, sem explicar por que só agora o colégio está se preocupando com o penteado das alunas.

Quanto às manifestações racistas, a tenente-coronel disse que já tem uma equipe responsável pela identificação dos autores. “Ao serem Identificados, os alunos serão punidos conforme o código de ética do colégio. Trata-se de uma questão disciplinar”, afirmou.

Na manhã de terça-feira, estudantes de diferentes turmas se reuniram em um ato de apoio às colegas que usam trança, quando foram para a quadra, durante o intervalo, e deram as mãos. Após uma contagem regressiva, gritaram: “Uma por todas e todas por uma”, “Somos todas tranças!”. Em seguida, deram as costas e revelaram estar todas de trança, um modelo de penteado bastante usado por elas.

Categorias
Belo HorizonteDireitos HumanosDireitos SociaisFeminismoGeralMinas Geraismulheresmulheres negrasracismo
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish