Chico Buarque pede a Portugal para mandar “cheiro de alecrim” para o Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Por Clara Luiza Domingos, de Lisboa, especial para Jornalistas Livres

Se não fosse pela pandemia do Covid-19, Chico Buarque estaria neste 25 de Abril em Portugal para receber o Prêmio Camões de Literatura pela publicação “Essa Gente”, da Companhia das Letras. A data escolhida para receber o prêmio não foi aleatória, 25 de Abril é a data que há 46 anos, todos os admiradores da liberdade em Portugal desfilam pela Avenida da Liberdade, em Lisboa, para celebrar a Revolução dos Cravos, de 1974. 

Desde a Revolução, esta é a primeira vez que não haverá a grande marcha na qual milhares de pessoas, associações, coletivos e movimentos se unem para dizer: fascismo nunca mais. A memória dos 48 anos de sofrimento da ditadura de Salazar ainda não foi apagada. Conscientes de que não podiam ir às ruas hoje devido à quarentena, o povo foi às janelas e varandas para cantar “Grândola Vila Morena”, de Zeca Afonso, a música serviu como sinal para os revolucionário pois foi na Rádio Renascença que se passou a música, um código para iniciar a revolução..

Mesmo do Brasil, para demonstrar seu carinho pelos irmãos do velho continente, Chico gravou um vídeo em agradecimento aos esforços para que a data da entrega do prêmio fosse neste dia tão simbólico para a história de Portugal. No vídeo, ele diz que também cantaria de sua janela e pediu: “Se possível, peço a vocês que guardem seus pensamentos ao povo brasileiro, que está mais do que necessitado do cheirinho de alecrim”.

Inspirado pela Revolução dos Cravos, Chico Buarque gravou em 1978 a canção “Tanto Mar”. censurada pela ditadura militar brasileira, com os seguintes versos:

“Foi bonita a festa, pá

Fiquei contente

Ainda guardo renitente

Um velho cravo para mim

(…)

Canta a primavera, pá

Cá estou carente

Manda novamente

Algum cheirinho de alecrim”

Revolução dos Cravos

A Revolução dos Cravos foi o mais importante movimento revolucionário da Europa no pós-guerra. Começou no dia 25 de Abril de 1974, em uma quinta-feira chuvosa, como um golpe de estado sobretudo devido a insatisfação dos militares quanto as guerras coloniais. Liderado pelo Movimentos das Forças Armadas (MFA). A ligação entre os 13 anos de guerra e o 25 de Abril é crucial para se entender a Revolução: ao menos 10 mil mortos do lado português, cerca de 100 mil estimados do lado africano. 

Como todas as revoluções, a Revolução dos Cravos nasce muito antes, pois toda revolução é fruta de um processo histórico, esta começa de facto em 1961, nas revoluções anticoloniais africanas. Por isso, apesar da afirmação de ter sido uma revolução pacífica, não foi uma “revolução sem mortos”. Até mesmo no dia 25 de Abril de 1974, 5 pessoas foram assassinadas pela Polícia Internacional e de Defesa do estado (PIDE), o equivalente ao Departamento de Ordem político e Social (DOPS) da ditadura militar brasileira.

O Regime de Salazar tinha apenas um partido, não havia eleições livres e Assembleia Nacional era apenas uma fachada. Os trabalhadores recebiam o pior salário da Europa e eram proibidos de se organizarem em sindicatos e fazerem greves. Havia ainda uma grande concentração de renda controlada nas mãos de poucos e as terras estavam sob controle de grandes latifundiários além de cerca de 30% a 40% do Orçamento do Estado era enviado para manter as guerras coloniais e os sonhos imperiais de Salazar, deixando a mercê a população portuguesa, que vivia na pobreza e na fome. Para se ter uma ideia do tamanho do drama entre 1960 e 1973 mais de um milhão e meio de pessoas tiveram que sair de Portugal em busca de melhores condições de vida.

Confira o cobertura do Jornalistas Livres do tradicional Dia da Liberdade de 2018, o maior ato do ano no país

COMENTÁRIOS

  • Boa reportagem, mas é bom salientar que o Chico não ganhou esse prêmio por causa do “Essa Gente”, mas pelo conjunto da obra desse maravilhoso artista brasileiro.

  • Revolução dos Cravos sim! Foi válida porque acabou com o imperialismo e poupou vidas jovens!
    Mas daí até o Chico pedir que mandem ramis de alecrim para acabar com a ditadura, só que é tarde de mais! A ditadura comunista acabou em 2018! Foi a ditadura que eu vi e que denegriu a imagem de um país próspero plantado pelo regime militar!

  • A Revolução Portuguesa de 25 de abril é um exemplo de como setores democráticos e revolucionários tomaram conta da consciência de boa parte dos militares, que se uniram as esquerdas contra o fascismo que perdurava na única nação europeia, para juntos com a sociedade civil organizarem o levante, que foi resultado de décadas de resistência e de lutas dos trabalhadores, estudantes e intelectuais. O Brasil precisa se espelhar nesses exemplos para construir um um processo de transformação e realizar a nossa Revolução.

    • Não esquecer que em Abril de 74 não era apenas Portugal que vivia em ditadura fascista na europa! Espanha também e mais alguns…

  • Na verdade a revolução dos cravos teve mais com o fato dos jovens portugueses e os militares estar em fartos das guerras nas colônias do que com o facismo. Muitos jovens em idade militar fugiram do país sendo muitos deles acolhidos aquí no Brasil em casa de parentes. Conheço varios aquí no Rio.

  • A revolução de 25 de abril foi a derrubada do Governo pelos militares com o único objetivo de restaurar o voto popular……..No Brasil pelo que sei, vivemos num Estado Democrático

  • Portugal perdeu 50 anos de progresso e desenvolvimento social ;
    Demorou acabar com fascismo horroroso desse imbecil Salazar;
    Milhões de portugueses saíam com a roupa do corpo fugindo da pobreza e da humilhação;
    VIVA 25 DE ABRIL!!!!!
    VIVA REVOLUÇÃO DOS CRAVOS VERMELHOS!!!

  • ….Que eu canto o feito Luzitano a quem nturno e Marte obedeceram cesse tudo que a antiga musa canta e outro valor mais alto se alevanta!!!.Vocês estão aí e nós estamos acá! !!Viva a esperança e a fé! !!

  • POSTS RELACIONADOS

    Chame o ladrão

    Tomando um café na manhã de quatro do quatro. Despretensiosamente olhando pela janela. Encosta um furgão cinza na frente da minha casa. Coração e mente

    >