Burle Marx: Entre o humano e a natureza

A história do ícone do paisagismo que tinha como preocupação política a discussão sobre a ecologia como alternativa ao modelo econômico vigente

Não apenas paisagista, Roberto Burle Marx por ser um profissional multidisciplinar contribuiu com a perspectiva de integrar o que é construído pelo ser humano e a natureza. Para este olhar peças de vinil, mosaico de pedras, esculturas e jardinagem tinham como tarefa tratar os espaços com a harmonia entre as possibilidades de tempo e vivências.

O que poucos conhecem é a relação da militância política e das causas ambientais que o paisagista se empenhou ao longo de seus quase noventa anos em vida. Nascido no início do século 20, Roberto Burle Marx além de ter a oportunidade de conhecer boa parte do mundo, também teve papel relevante na articulação política em especial por trazer o tema da ecologia como um determinante para o contraponto do modelo de produção capitalista.

Entre os seus trabalhos, o conjunto arquitetônico da Pampulha, hoje patrimônio cultural da humanidade, foi possível com a participação de importantes nomes como Oscar Niemeyer e Cândido Portinari. O trio além de propiciar uma criação dotada de novos temas e cores, influenciaram as cidades brasileiras como os azulejos pintados e o cimento em curva. A relevância política de determinar uma cidade na qual os caminhos são feitos por seus habitantes e não pela própria construção marca o conjunto arquitetônico segundo a Unesco.

Não apenas o paisagismo marca o trabalho de Burle Marx, mas a ruptura e a modernidade. Adquiriu ao longo de suas intervenções artísticas a arte abstrata, o concretismo, o construtivismo entre outras que ao mesclar traços botânicos agregou a vegetação plantas ornamentais da caatinga às vegetações aquáticas. O cuidado com a natureza era o traçado vivo do seu trabalho.

No primeiro semestre de 2019, a Casa do Baile em Belo Horizonte MG recebe a Exposição Moderno Jardim Brasileiro com várias fotografias, plantas e croquis que contam a história de Burle Marx e Haruyoshi Ono, seu amigo e colega de boa parte das intervenções e diálogos sobre ecologia e política.

A Casa do Baile se localiza na Lagoa da Pampulha e é um dos mais importantes trabalhos deste nome do paisagismo no mundo.

Fotografia e Texto: Leonardo Koury, especial para os Jornalistas Livres

Categorias
ArteBelo HorizonteMeio AmbienteMinas Gerais
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta