UMA FÁBULA ELEITORAL, por Dirce Waltrick do Amarante

Começou a corrida, e o Tucano lá do alto, no fim da pista, assistia a tudo pensando: “Chegando aqui eu papo todas”. O Kiwi, todo verde, saiu na frente.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

UMA FÁBULA ELEITORAL

Por Dirce Waltrick do Amarante*

As frutas estavam todas alinhadas para o início da corrida: a Banana, o Abacaxi, a Goiaba e a Laranja. Opa, na verdade, a Laranja estava, com segundas intenções, colocando uma fantasia de Kiwi numa Pedra. As frutas viram e o Abacaxi gritou:

— Vamos sair daqui e denunciar!

As frutas o dissuadiram. Disseram que era bobagem, que ele ficasse onde estava, pois a Pedra, como era pesada, não chegaria à frente na corrida.

— E a Laranja?, perguntou o Abacaxi.

As frutas achavam que a Laranja, já bastante mofada, embora parecesse NOVA, também não teria chance de ganhar. O Abacaxi chegou a argumentar, a falar da importância da denúncia, mas ninguém lhe deu bola.

De repente, a Banana viu a Pedra, fantasiada de Kiwi, subir numa plataforma com rodinhas. Ela avisou as outras frutas.

A Laranja fez de conta que não ouviu e o Abacaxi, que já estava bravo com as outras frutas que não tinham lhe dado atenção, nem deu bola.

Começou a corrida, e o Tucano lá do alto, no fim da pista, assistia a tudo pensando: “Chegando aqui eu papo todas”.

O Kiwi, todo verde, saiu na frente. Mas antes havia colocado cola na pista da Goiaba, que não conseguiu sair do lugar e gritava para as outras:

— Me deem uma mão, eu rolo e chego na frente do Kiwi, que é um embusteiro, e da Laranja, que é lisa, os dois são a mesma coisa.

Mas ninguém ligou: seguiram correndo e, quando o Abacaxi escorregou, colocou a culpa na Banana, e ficaram brigando.

O Kiwi chegou na frente, logo atrás dele a Laranja. O resto ficou pelo caminho.

Ah, o Tucano! O Tucano foi comer a Pedra e quebrou o bico, só lhe restou chupar a Laranja, que estava podre e o envenenou de vez.

FIM

*Professora e eleitora.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

>