Terça, 27, tem segunda rodada de entrevistas a candidatos de Florianópolis

Mais cinco candidatos da Frente Democrático por Florianópolis participam nesta terça, 27, às 20 horas, do "Democracia e Cidades: eleições em SC"
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Jornalistas Livres realizam nesta terça-feira, dia 27 de outubro, das 20 às 21h30, a segunda rodada de entrevistas a candidatos a vereança em Florianópolis, dentro do quadro “Democracia e cidades: eleições em Santa Catarina”. As entrevistas focam candidatos e candidatas dentro do campo progressista representado pela Frente Democrática por Florianópolis, a mais ampla e exitosa aliança de esquerda do país. Integram a frente oito agremiações partidárias: PSoL, PT, PDT, PSB, PCdoB, Rede e UP. Ouvintes podem participar comentando e formulando perguntas que os candidatos poderão responder antes ou depois do programa.

Desta vez, o programa vai entrevistar candidatos que representam presença reconhecida em questões das políticas públicas consideradas emergentes. Participam do quadro Elisa Jorge, arquiteta e urbanista, que tem atuação de excelência na área do direito à moradia e no combate à violência policial contra moradores das periferias; Marcos José de Abreu (Marquito), que se notabilizou pela pauta ambiental e projetos de repercussão nacional como o Floripa Zona Livre de Agrotóxicos; Carla Ayres, espécie de embaixadora dos direitos LGBTI+ em Florianópolis e da representatividade da mulher na Câmara de Vereadores; Luciana Freitas, lutadora social do Movimento Negro Unificado e defensora das comunidades quilombolas e periféricas e Victor Gaspodini, um dos mais jovens candidatos a vereador, militante dos direitos estudantis e das causas da educação.

Conduzido pela jornalista Raquel Wandelli, o programa estreou no dia 20, com entrevista a cinco candidatos dos principais partidos que compõem a Frente Democrática por Florianópolis: Elenira Vilela (PT); Leonardo Contin (PCdoB); Margareth Hernandes (PSB); Tânia Ramos (PSoL) e Vanderlei Farias, o “Lela” (PDT). Os postulantes à Câmara de Vereadores  falaram sobre suas motivações para participar da política, abordaram a importância da formação da Frente no embate ideológico com o cenário político estadual e nacional; apresentaram seus projetos para a cidade e responderam questões sobre democracia e participação popular e fiscalização do poder público.

Um terceiro debate com candidatos da Frente em Florianópolis está marcado para o dia 6 de novembro e no dia 3 de novembro o quadro “Democracia e cidades: eleições em Santa Catarina” entrevistas candidatos a vereanças de diversos municípios do estado, privilegiando outras siglas.

Com esses quadros de entrevistas que compõem o programa geral “Eleições 2020: o que está em jogo”, os Jornalistas Livres pretendem contribuir para o processo democrático municipal em todo o Brasil. Até o dia 12 de novembro, a equipe de profissionais dos JL de todo o país estará ajudando seu público a ter acesso a informações, posicionamentos ideológicos, projetos para a cidade e perfis políticos que o qualifiquem melhor para exercer o direito de escolha de seus candidatos. Acompanhe as entrevistas pelas plataformas dos Jornalistas Livres no Youtube, Facebook, Instagram e Twitter.

CANDIDATOS ENTREVISTADOS NESTA TERÇA-FEIRA

Carla Ayres é cientista social, defensora dos Direitos Humanos, LGBTI+ e das liberdades religiosas. Ativista feminista, atuou como consultora de políticas públicas para o PNUD e ONU Mulheres e Conselheira Nacional LGBTI+. Candidata a vereadora pelo PT em 2016, assumiu a Câmara de Vereadores como terceira suplente por três vezes. Nessas oportunidades, aprovou cinco projetos e apresentou mais de 25 propostas para a cidade. Foi a primeira e única mulher a presidir a Comissão da Mulher da Câmara. Em 2018, tornou-se suplente de deputada estadual e a segunda mulher mais votada do PT para a Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina. É candidata a vereadora pelo PT, número 13044.

Elisa Jorge é feminista, mãe, arquiteta, urbanista e militante de movimentos sociais e ambientais de Florianópolis. Integra o Coletivo Ocupações Urbanas, do Projeto Brasil Cidades (br cidades), do Movimento da Ponta do Coral 100% Pública, do Movimento Nacional de Luta por Moradia. Atua também no Movimento 8M/SC e na Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher e Igualdade de Gênero na Câmara Municipal de Florianópolis e na defesa dos povos indígenas. Foi chefe de gabinete do mandato do vereador Lino Peres durante seis anos. Empenhada na Campanha Nacional #DespejoZero: pela vida no campo e na cidade, é candidata a vereadora pelo PT número 13111.

Lu Freitas, 45 anos, é professora da educação quilombola, graduada em Ciências Sociais e mestranda em Educação pela UFSC. Mãe, avó, militante do Movimento Negro Unificado, moradora do Maciço do Morro da Cruz, região periférica de Florianópolis, há 27 anos. Construiu sua militância no MNU, dedicada às questões da educação popular e quilombola. Atua nos coletivos Integrar e Gestus (Gestão Estudantil Universitária), fortalecendo esses espaços de articulação e apoio a estudantes periféricos para ingresso e permanência na universidade. Reconhecida na luta para transpor as estruturas racistas e patriarcais, Luciana é candidata à vereadora pelo PT em Florianópolis com o número 13131.

Marcos José de Abreu, o Marquito, é Engenheiro Agrônomo e Mestre em Agroecossistemas. Como  vereador pelo PSOL em Florianópolis, construiu um Mandato Agroecológico, com participação de inúmeros entidades ambientais. Seu  mandato atua na gestão de resíduos, biblioteca temática, banco de sementes e na organização de um sistema intersetorial na defesa da ecologia e justiça social. É autor das Leis da Compostagem, Política Municipal da Agroecologia e Produção Orgânica, Floripa Zona Livre de Agrotóxicos e Direitos da Natureza. Candidato pelo PSoL, número: 50150.

Victor Gaspodini estudante, manezinho, 22 anos, é candidato pela primeira vez pelo PSoL sob o número 50.000.  Indignado com injustiças sociais, se envolveu no movimento estudantil logo no início da faculdade e ajudou a organizar um movimento contra a Emenda do Teto dos Gastos. Aos 19 anos, foi eleito presidente do DCE da UNISUL e liderou uma gestão que esteve na rua em defesa da educação pública, do PROUNI e do FIES, defendeu as bolsas do Art. 170 e conquistou o menor reajuste de mensalidade dos últimos anos. Seu TCC, concluído em agosto, conta em livro-reportagem a história de Luiz Cancellier, ex-reitor da UFSC, vítima de abuso de poder.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

>