SOBRE HOMENS E MONSTROS

ARTIGO

 

Vinícius Augusto Pontes de Carvalho, historiador, mestrando pela Universidade do Estado de Santa Catarina

 

Vocês estão horrorizados com a política do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel de fuzilamento de escolas, pedreiros, mulheres com bíblia na mão, crianças com chuteira na mochila e casas de moradores?

Estão horrorizados com a promessa de violência prometida por Bolsonaro, Ônix Lorenzoni e Weintraub, caso a previdência não fosse aprovada ou o Future-se não passe?

Eu também estou. Mas essa violência é um projeto. E não, não é uma frase pronta. A violência no neoliberalismo É DE FATO um projeto científico.

A jornalista e economista canadense Naomi Klein, investigou e pesquisou vastamente sobre como se deu a implantação do modelo neoliberal em países periféricos e, principalmente, no seu primeiro laboratório, o Chile. E o questionamento que os baluartes desta teoria econômica faziam, era: “Como implantar um modelo econômico tão destrutivo para a população sem reação?”. A saída encontrada por eles foi uma metodologia baseado na eletroconvulsoterapia utilizada na psiquiatria, mas isso elevado a condição de psicologia de massas. Ou seja, recrudesce a violência para cima da população, antes dela sequer saber o motivo, sem ter espaço para defesa, e assim domesticá-la.

Segundo a autora, “a doutrina do choque, como todas as doutrinas é uma filosofia de poder. É uma filosofia sobre como conseguir seus próprios objetivos políticos e econômicos. É uma filosofia que sustenta que a melhor maneira, a melhor oportunidade para impor as ideias radicais do livre-mercado é no período subsequente ao de um grande choque. Esse choque pode ser uma catástrofe econômica. Pode ser um desastre natural. Pode ser um ataque terrorista. Pode ser uma guerra. Mas, a ideia é que essas crises, esses desastres, esses choques abrandam a sociedades inteiras. Deslocam-nas. Desorientam as pessoas. E abre-se uma ‘janela’ e a partir dessa janela se pode introduzir o que os economistas chamam de ‘terapia do choque econômico’. “ (Klein, 2007)

Bolsonaro, Witzel e Weintraub podem não conhecer com sofisticação científica tal projeto de dominação social, mas entendem o método.

No dia 21 de março de 2019, o jornal “O Estado de S. Paulo” divulgou duas matérias categóricas sobre o assunto: “Onyx vê mérito em reformas de Pinochet e diz que ditador ‘teve que dar banho de sangue’” e “Bolsonaro diz que o governo se inspira em modelo de Previdência do Chile”.

Nelas, Lorenzoni daria a seguinte declaração: “O Chile lá atrás teve que dar banho de sangue para mudar princípios macroeconômicos (…) é uma coisa curiosa até do ponto de vista histórico. No Chile uma coisa sangrenta, e o Chile se rearrumou” e prossegue fazendo um vínculo entre violência, regime Pinochet, e uma pauta bastante cara ao modelo neoliberal, o sistema previdenciário, “mas a gente está propondo caminho muito similar ao do Chile (em relação ao modelo previdenciário) (…) a turma da esquerda se incomodou por ter reconhecido algum mérito no governo Pinochet”.

Experiências capitaneadas por militares demonstraram que a eletroconvulsoterapia (terapia de submeter uma pessoa a uma série de eletrocuções planejadas no crânio) reduziam a propensão ao raciocínio, e imputavam ao “paciente” um estado generalizado de apatia e poucos estímulos, evitando, assim, de forma generalizada, o que Pavlov chamava de “reflexo condicionado”. Segundo Klein, a experiência passou a ser alcunhada fora do campo da medicina, e passou a ser aplicada no campo da psiquiatria, criando um ambiente de onisciente coletivo. Amplamente utilizada em combates durante a Guerra Fria, passou a ser imposta também, com o intuito de realizar políticas completamente impopulares e predatórias no campo político-econômico de um país.

Neste enleado a Escola de Chicago, protagonizada pelo economista Milton Friedman, realizou uma robusta doutrina econômica, e sabendo da resistência que enfrentaria para ser imposta em “seus laboratórios”, com um receituário de privatizações, venda de bens públicos e a desregulamentação de capitais, foi aplicado com uma larga utilização do expediente da “doutrina de choque”.

No mesmo “O Estado de São Paulo”, na edição de 6 de abril de 1975, página 12, o conceito de “tratamento de choque” apresentado por Milton Friedman aparecia no jornal pela primeira vez, na matéria intitulada “Chile tenta vencer a crise econômica”: “O debate econômico deve ser por muito tempo, ao que parece, a principal preocupação dos chilenos. Nos dias que precederam a Semana Santa, os economistas Milton Friedman, Arnold Harberger e Carlos Lagoni reiteraram uma vez mais o diagnóstico e a proposição de tratamento que a escola de Chicago oferece ao Chile. A solução, “um tratamento de choque”, de acordo com Friedman, foi ouvida com interesse e até mesmo “com devoção”.

Portanto, a espetacularização da violência praticada por Witzel, e a prometida por Bolsonaro, autodenominados governos neoliberais, são milimetricamente planejadas. Todo o resto é narrativa…

O neoliberalismo é um sistema que gerou um rearranjo de classes produzindo concentração de renda, desemprego, aumento de miséria e que, de forma esmagadora, viria a destruir os focos e diferentes formas de resistências populares, trabalhistas, sindicais e de movimentos sociais. Tornando tanto o Estado quanto a sociedade civil como figuras apáticas e imobilizadas perante a teoria do choque.

E finalizando com Klein:

“O estado de choque não é apenas o que acontece conosco quando acontece algo ruim. É o que acontece quando perdemos nossa narrativa, quando perdemos nossa história, quando ficamos desorientados. O que nos mantém orientados, fora de choque, é a nossa história.”

 

 

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.