Porta-voz do liberalismo mundial gonga Bolsonaro

The Economist, a revista inglesa que completou 175 anos neste mês, tem a enorme qualidade de expor sua ideologia liberal sem meias palavras e sem tentar fingir isenção ou neutralidade como faz a maior parte dos meios comunicação. Mesmo discordando é preciso reconhecer.

 

Em um longo ensaio, na edição de aniversário, seus editores reconhecem as falhas e as promessas não cumpridas pela política que advogam. Vão além, temendo a escalada autoritária mundial, para propor a “reinvenção do liberalismo para o século XXI”.

 

A falta de regulação no mercado financeiro e a falta de atenção às pessoas e às localidades prejudicadas pelo comércio globalizado, aliadas à promessa não cumprida de progresso para todos, aos mercados manipulados pela concentração de poder de algumas empresas e às mudanças climáticas são alguns dos componentes do pano de fundo que conforma o desencanto dos eleitores que se deixam levar pelo canto dos candidatos autoritários.

 

O artigo de capa e o editorial, da edição desta semana, revelam a ameaça representada por Jair Bolsonaro e vocalizam o temor de que o caminho brasileiro possa desembocar em um regime autoritário de tipo fascista, contrário ao ideário liberal de seus fundadores de ontem e editores de hoje,

 

Importa ressaltar que, mesmo tendo aconselhamento econômico de um cria da Universidade de Chicago, bastião das ideias de livre mercado, a revista não hesita em apontar o risco de se eleger um candidato que:

  • 1) “disse que não estupraria uma deputada porque ela era ‘muito feia’”
  • 2) “disse que preferiria um filho morto a um filho gay”;
  • 3) “sugeriu que aqueles que vivem em uma comunidade fundada por escravos que escaparam são gordos e preguiçosos”; e que
  • 4) “dedicou seu voto pelo impeachment de Dilma Rousseff ao comandante de uma unidade responsável por 500 casos de tortura e 40 mortes durante a ditadura militar”.

“Todos os presidentes brasileiros precisam de uma coalizão no Congresso para aprovar leis. Bolsonaro tem poucos amigos políticos. Para governar é possível que ele degrade ainda mais a política pavimentando o caminho para alguém ainda pior”, diz o editorial da revista.

As reformas necessárias para o Brasil tornar saudável sua democracia não são fáceis nem rápidas, opina a revista e conclui: “O sr. Bolsonaro não é o homem para promover isso”.

Veja o editorial original em https://www.economist.com/leaders/2018/09/20/jair-bolsonaro-latin-americas-latest-menace

 

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula acerta na economia?

Até agora o governo Lula 3 se configura como independente e assertivo na área econômica. Pode-se dizer que fosse economista, o Lula atual seria um desenvolvimentista, keynesiano e heterodoxo.

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.