Para prefeito , grileiro e policial militar podem ter causado incêndio em Alter do Chão

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Em entrevista ao Brasil de Fato,  Nélio Aguiar (DEM), prefeito de Santarém,  diz que a região do Lago Verde, também conhecida como Capadócia, é alvo de grilagem há mais de uma década, e que a versão mais citada entre os moradores Alter do Chão é a de que o incêndio ocorrido em setembro teria sido causado pelo grileiro Silas da Silva Soares, que está foragido, e seu filho, que atua como policial militar.

MPF-PA e PF investigam há meses a região, e até o momento não encontraram indícios do envolvimento de ONGs ou ambientalistas nos incêndios que ocorreram em setembro. Entenda o caso:

No dia 26 de novembro, os brigadistas Daniel Gutierrez, Gustavo Fernandes, Marcelo Aron e João Victor Romano foram presos pela Polícia Civil do Pará, apontados como principais suspeitos de terem iniciado o fogo em Alter do Chão, com o objetivo de arrecadar fundos para a brigada voluntária em que eles atuam.  O caso teve repercussão mundial e após ser constatada a fragilidade das acusações da polícia, os brigadistas foram liberados no fim da tarde de 28 de novembro pelo mesmo juiz que havia autorizado as prisões, Alexandre Rossi.

Após a repercussão do caso, o governador Helder Barbalho (MDB-PA) determinou a substituição  do delegado responsável.

O grileiro Silas da Silva Soares e seu filho policial militar:

“O Silas é pai de um militar. O filho dele é da Polícia Militar. Por isso que as pessoas comentavam que tinha policial envolvido. Ele [pai] sumiu de Santarém. Ninguém mais sabe o paradeiro dele. Ele é um foragido da Justiça, e ele que era o líder lá”, relata Aguiar. “As pessoas comentavam que o incêndio provavelmente era criminoso e que talvez ele, de onde ele estivesse foragido, pudesse ter ordenado, articulado algum tipo de ação ali para aumentar mais a venda de lotes próximo ao lago de Alter do Chão”, explicou o prefeito à reportagem do Brasil de Fato.

Para o prefeito de Santarém, Silas teria ateado fogo em dois terrenos grilados por ele, para limpar a área, fazer loteamentos e vender.

Entenda o caso em: https://www.brasildefato.com.br/2019/12/03/grileiro-e-filho-pm-causaram-incendio-atribuido-a-brigadistas-no-para-diz-prefeito/

COMENTÁRIOS

  • Deveriam dar crédito a jornalista que fez a matéria. É o mínimo que deveriam fazer por jornalistas tão atacados no Brasil.

    • A matéria que publicamos no nosso site fala da entrevista ao Brasil de Fato JÁ NA ABERTURA! E, depois, no fim, coloca o ENTENDA O CASO, remetendo para O TEXTO DA REPÓRTER, e reforçando a leitura dele, atraindo tráfego para ele. É nossa política dar o crédito para a publicação original. Estamos à disposição para ajudar a divulgar e promover as causas referentes à defesa dos Direitos Humanos, ambientais e sociais.

  • POSTS RELACIONADOS

    >