Onde está Wally? Ops, onde está o descontrole fiscal?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Os dados apresentados começam em agosto de 2002, últimos meses do governo de Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, e terminam em agosto de 2017, quando a batuta já tinha voltado ao PSDB com o PMDB.

Nos últimos meses do governo FHC, devíamos perto de 60% de tudo que produzíamos durante um ano, ou, 60% do PIB.

O pico foi em setembro de 2002 quando a dívida líquida chegou a 62,45%.

Nos governos de Lula e Dilma, a “herança” deixada por FHC foi caindo tendo chegado a menos da metade: em janeiro de 2014, a dívida era 30% do PIB.

Dilma iniciou seu segundo mandato com a dívida pública representando 32,5% do PIB. A instabilidade política e a recessão levaram a dívida a 39% do PIB, quando Meirelles se tornou ministro da fazenda. O último dado divulgado pelo Banco Central, agosto de 2017, dá conta que a dívida do país tinha ultrapassado, ligeiramente, a casa dos 50%

Na dívida líquida consolidada do governo brasileiro estão incluídas as três esferas de governo e estatais, exceto a Petrobras e a Eletrobras. Para esse cálculo, são somadas as dívidas e subtraídos os valores que eles têm a receber. Por exemplo, as reservas cambiais, 381 bilhões de dólares, são excluídas da dívida, já que são direitos que o país tem em dólares.

Encontrou Wally?

Nota
1 Para mais informações veja a Nota de Política Fiscal à Imprensa do Banco Central do Brasil em:
http://www.bcb.gov.br/htms/notecon3-p.asp

2 O conceito de DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO utilizado para mensuração é o de setor público não-financeiro mais Banco Central. Considera-se como setor público não financeiro as administrações diretas federal, estaduais e municipais, as administrações indiretas, o sistema público de previdência social e as empresas estatais não-financeiras federais, estaduais e municipais, exceto as empresas do Grupo Petrobras e do Grupo Eletrobras. Considera-se também a empresa Itaipu Binacional. Fonte: http://dadosabertos.bcb.gov.br/dataset/4505-divida-liquida-do-setor-publico–pib—total—banco-central

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

>