O novo avião de coca é do capitão, o sargento é do capitão! 

Rumo à desmanipulação dos fatos!

Enquanto o jornalista Glenn Greenwald participava da reunião da Comissão de Direitos Humanos na Câmara Federal, na tarde desta terça (26), em Brasília, uma notícia bombástica foi divulgada por veículos da imprensa tradicional: um sargento foi preso em Sevilha, Espanha, portando drogas dentro de um avião da Força Aérea Brasileira.
Mas é preciso desmanipular essa notícia, sim? Vamos lá, porque isso não é tão simples e obscuro assim.
Um sargento de escolta presidencial, uma figura de extrema confiança do presidente da república, um militar escolhido para estar dentro de uma aeronave de responsabilidade do Capitão Jair Messias Bolsonaro transportava, nesta terça feira, 25 de junho de 2019, trinta e nove quilos de cocaína, e foi preso em Sevilha. É um avião do Palácio do Planalto, minha gente! O destino final da aeronave, era Osaka, no Japão, onde Jair têm uma genda nessa semana. Essa aeronave pertence à comitiva do presidente.
Eram 37 tijolos de cocaína. E o militar não fez nenhuma questão de esconder a droga em roupas. O controle alfandegário obrigatório de Sevilha pegou a droga ao abrir as malas. Simples assim.
Esses mesmos veículos de imprensa que tentam, a qualquer custo, abrandar o fato, não  divulgando por exemplo que são 39 quilos, (trinta e nove), que a droga é cocaína e que o avião é do Palácio do Planalto, portanto de responsabilidade do presidente da República e sua comitiva, não vão se aprofundar, num jornalismo investigativo de qualidade, com o objetivo de prestar um serviço importante para o povo brasileiro.
E fica muito feio Jair Bolsonaro tratar o caso como um crime “normal”, como uma  mensagem cotidiana de Twitter. Queremos saber a identidade desse homem de confiança do presidente, queremos conhecer a trajetória desse senhor, sim! por que conquistar a credibilidade de um chefe de nação não deve ser tarefa fácil. Andar lado a lado, em comitiva presidencial, dentro de aviões, carros, menos ainda, e transportando drogas, ulálá, tem que ser considerado quase da família.
Bolsonaristas vão dizer que se trata de um hacker? Esperamos que desta vez não! Por isso, é importante saber a identidade dessa pessoa.
Um fato de tamanha gravidade, se noticiado em um governo de partidos que se declaram de esquerda, certamente, 39 quilos de cocaína engatilhariam o momento do fim. Com o atual governo, o peso e a medida vêm sendo bem diferentes. Por isso é importante uma investigação transparente e pública, já que Bolsonaro disse, através do Twitter, que caso o militar seja culpado deverá ser condenado. Isso seria a mínima resposta de uma equipe presidencial que a cada hora, mostra escândalos, desordem e muita inabilidade para governar um país do tamanho do Brasil.
Outros fatos que precisam ser esclarecidos são: de onde veio a droga? Há mais do que 39 quilos nesse lugar? Quem é o dono da droga? Nenhuma outra pessoa viu os 39 quilos de cocaína dentro da aeronave?
E hoje, ironicamente, no dia mundial de combate às drogas o, ainda, ministro da justiça está no DEA “falando” sobre o tal “combate às drogas.”
Sem drogas em escolas, sem drogas em aviões, principalmente quando, os donos das aeronaves são verdadeiros capitães paladinos do combate ao narcotráfico.
Os brasileiros nas redes sociais não perdoam. Veja uma seleção rápida de comentários que circulam na web:
“Nós achando que eles queriam combater o tráfico de drogas,mas eles estão só acabando com os concorrentes.
“Miliciano a gente já sabia agora traficante internacional ela tá se superando safadinho Jair Escobar.”
“No final, as drogas não estavam nas universidades e sim, no avião do presidente.”
“A comitiva do Brasil será recebida no Japão por cães farejadores”
O bom jornalismo independente e livre também não fará nada diferente de uma boa investigação, capitaneada, essa sim, pelo direito constitucional do sigilo de fontes por que o povo brasileiro precisa saber se há uma organização criminosa de drogas coordenada e alimentada a partir do Estado?
 
 
Categorias
DestaquesGeral
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish