Não perdemos apenas o jogo. Perdemos as regras e os juízes

Por Gustavo Aranda, especial para os Jornalistas Livres*

 

“Podemos votar, podemos nos manifestar mas a democracia mesmo acabou.”

A frase resumiu o clima de uma reunião especial dos Jornalistas Livres para pensar as consequências de mais um 7 a 1 representado pelas eleições municipais seguidas de um golpe de estado devidamente consumado

 

aranda_foto

 

Que perdemos, ninguém tem dúvida. Não importa o jogo que foi jogado, perdemos! O problema é que não perdemos apenas o jogo, perdemos as regras e os juízes. Perdemos nossa frágil viabilidade eleitoral que reflete, basicamente, no próprio direito das nossas pautas e demandas existirem.
A proibição de doações de empresas para campanhas, por exemplo, que à primeira vista era uma medida progressista, foi um desastre para o Partido dos Trabalhadores. As cidades do interior ficaram sem o menor suporte partidário e a debandada foi imediata e irrestrita. Das cerca de 600 prefeituras do PT, pouco mais de 200 permaneceram sob o comando do partido.
O efeito das novas regras foi muito parecido com o que se espera de um sistema baseado no voto distrital: influência determinante do poder econômico. Nunca houve tantos milionários eleitos de uma só vez. Só o herdeiro das capitanias, o João Trabalhador, gastou mais de um milhão e meio do próprio bolso. Quase 1% dos 179 milhões de patrimônio declarado à justiça eleitoral. 
O curioso é que esse foi, praticamente, o valor investido pelo governador tucano em anúncios na revista “Caviar Lifestyle” de propriedade do candidato. Ou seja, a campanha saiu quase de graça para João Dória Júnior.

Os dois partidos que mais elegeram prefeitos são os mais envolvidos em escândalos de corrupção. No Congresso, sabe-se, o mandato de deputado tem preço. Temos sete partidos com mais de 38 deputados na câmara. Temos a bancada ruralista com 207 deputados, a dos “parentes” é a maior com 238, evangélicos somam 197 parlamentares, 226 representantes de empreiteiras, 35 da bancada bala. Dos direitos humanos só 23. A base de Eduardo Cunha, estima-se, era composta por cerca de 160 deputados. O voto em legenda foi praticamente invalidado.
A direita conseguiu controlar os mecanismos eleitorais. Ou você tem grana ou tá fora da disputa: qual a chance de um governo progressista prosperar nesse balcão de negócios?

Qual a lógica do seu trabalho?

Sobre a “crise econômica”, o que parece é que os ricos estão ficando mais ricos. Do ponto de vista matemático sabemos como isso ativa o outro lado da balança.
Desde a criação dos bancos centrais e a implementação da economia baseada em dívidas – que transformaram a própria moeda em mercadoria – o montante de dinheiro gerado sem lastro com a produção de bens, serviços, ou qualquer coisa real, alterou radicalmente o valor de todos ativos econômicos. Ficou mais vantajoso comercializar moedas e títulos – especular – do que investir na produção.
A transferência das indústrias americanas e européias para os campos de concentração de trabalho na Ásia, África e América Latina, foram reflexo dessa competição pelo lucro rápido. Hoje, nas grandes cidades, as pessoas estão “pagando” para trabalhar; direitos e garantias trabalhistas estão se convertendo em benefícios. A China, de vilã, se tornou referência em eficiência.
Outro fator desestabilizante que essa concentração de riqueza exagerada provoca é a pressão inflacionária, principalmente no setor imobiliário. Em São Paulo, por exemplo, quase metade dos imóveis estão na mão de 1% da população.

A saída que o capitalismo oferece é: “empreenda você também; obtenha um CNPJ; emita Nota Fiscal; hipoteque sua casa; esqueça o emprego tradicional, pois ninguém mais irá mamar nas tetas das empresas”.

E vamos combinar que passar 50 anos trabalhando 8 horas por dia para se aposentar depois de velho é um projeto de vida que ninguém mais merece. É um modelo moribundo e sua tentativa de reciclagem fede mofo.

A necessária busca por um novo modelo de civilização passa por encontrar sentido lógico na natureza do trabalho – trabalhar pra que? Por que fazer vídeo? Por que fazer pão e granola? – Passa também por repactuar nosso acordo com o tempo. Por que aprender coisas novas? Qual o papel da arte?

Do ponto de vista econômico, acredito que a humanidade já reuniu conhecimento suficiente para superar o capitalismo e conseguir racionar melhor a riqueza. O que falta é força para conseguir fazer essa travessia.
A luta simbólica
A divisão do país, que demagogicamente era negada pela elite, foi assumida já no primeiro discurso de Aécio Neves após a derrota eleitoral de 2014. A direita se reuniu em torno de um projeto, se viu como classe e lutou o jogo “como deve ser lutado”. Abraçou seus símbolos e foi para as ruas com as melhores roupas. Com orgulho, cantou, esbravejou e fez festa.
A campanha eleitoral de Fernando Haddad, por sua vez, escondeu o PT como pôde. Escondeu Lula, escondeu a estrela, escondeu a cor. Obedeceu às pesquisas “qualis”. Perdeu duas vezes: a luta eleitoral e simbólica. Perdeu o discurso e a capacidade de liderar – assim como ocorreu no episódio dos “vinte centavos”, quando, republicanamente, o prefeito optou pela sombra do governador.
Fugir do combate tem sido a tônica dos governos do PT. Talvez pela própria história do Lula, um negociador nato. Talvez como estratégia de marketing para tentar se afastar de uma imagem radical alimentada pela imprensa. A pergunta é: quando iremos olhar, verdadeiramente para os problemas e encará-los sem dar voltas?

Constituição em risco
A maneira como o golpe de Estado nos foi apresentado abalaria profundamente a percepção sobre a ética em qualquer sociedade.
Um vice-presidente conspira contra a primeira mulher eleita. Ele é auxiliado por uma campanha difamatória e por um judiciário seletivo – desde o juiz de Curitiba até a Suprema Corte. Se aproveita de uma chantagem do presidente da câmara. Isso culmina numa condenação sem provas e na substituição arbitrária de um programa de governo.

É uma história feia de ser contada. O Brasil, mais uma vez, é marcado pela conspiração, pela traição, pelo golpe, pela chantagem e pela imposição.

O problema de uma ruptura institucional é o tempo que se leva para reconstruir qualquer possibilidade de relação democrática. Os cidadãos são jogados uns contra os outros pois é da natureza de quem se sente roubado.
O “presidento” ilegítimo e conspirador Michel Temer, assim como todos os beneficiários do golpe, tem como grande arma a própria ilegitimidade. Um governo ilegítimo tem carta branca para tomar qualquer medida, exatamente por não ter compromisso algum com o eleitor. Ninguém votou em Michel Temer. Ou o que é pior, foram os eleitores da Dilma que votaram.
Enquanto o conflito envolvia apenas os poderes executivo e legislativo era possível vislumbrar uma assembleia constituinte específica para uma reforma eleitoral. À medida que o judiciário perdeu a capacidade de mediar esse conflito e tomou parte no golpe, a constituição como um todo entrou em risco.
Resistiremos!
Civicamente estamos escangalhados. Não há instituições e lideranças capazes de apontar uma direção para a esquerda. A construção necessariamente será coletiva. Estamos tão frágeis politicamente que os únicos campos de batalha possíveis são a disputa por uma narrativa independente e a desobediência civil.
A imprensa e os formadores de opinião continuarão martelando que tudo “é fruto e culpa da Dilma e do PT”. Vão tentar arrancar os direitos trabalhistas e culpar o PT. Vão apostar na privatização de todas as riquezas e culpar a Dilma. Vão restringir os direitos civis e culpar a liberdade. Vão convidar o FMI pra festa e culpar o Bolsa Família. Vão nos provocar e culpar a ordem. Pois os golpistas não sobrevivem sem a ideia de um inimigo e de um culpado.
Como profissionais da comunicação livre, podemos construir uma narrativa da história e dos fatos partindo das nossas próprias percepções, partindo das nossas vitórias e conquistas e da nossa visão crítica, romântica, otimista, engajada, coletiva e amorosa do mundo. Das nossas experiências humanas e afetivas. Sem nos pautarmos pelo “de sempre”, pela boiada das redações. Nossa luta é também pela pauta. Precisamos participar da decisão de quais questões são importantes serem discutidas por meio de nós, mediadores.
Conseguir contar a história pelo ponto de vista do oprimido, de quem trabalha duro, do discriminado, dos movimentos sociais, de quem está na vanguarda, de quem desafia e de quem sonha, já é uma grande contribuição para o retorno inevitável do Estado Democrático de Direito.
Dar voz a quem não tem é a missão do jornalismo livre.
Resistiremos!

*Gustavo Aranda é jornalista livre, videoAtivista e padeiro.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Uma crise fabricada

Lula será candidato forte à reeleição em 2026. E seus indicados terão maioria folgada no Banco Central de janeiro de 2025 em diante. Os adversários estão inquietos e fabricam crises.