Mais de 5 mil estudantes vão às ruas contra Alckmin em SP

Estudantes de escolas estaduais, pais, professores e diretores realizaram hoje (9) um protesto pedindo o não fechamento das escolas estaduais, consequência da “reorganização” que o Governo Alckmin pretende aplicar na rede de ensino.

O ato começou por volta das 8h da manhã na região da rua augusta, seguiu em passeata pela Av. Paulista e percorreu as vias da região central de São Paulo.

Foto: Mídia NINJA

A medida, que divide as escolas em ciclos, irá causar o fechamento de pelo menos 86 estabelecimentos de ensino do Estado de São Paulo e agravar a já existente superlotação nas salas de aula.

Em São Paulo, o protesto foi marcado por muita luta e força da juventude, mas, também, pela conhecida truculência Polícia Militar. No meio da manhã, o congestionamento resultante do protesto chegou a cerca de 1,5 quilômetros, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Durante o ato, a Policia Militar utilizou violência contra estudantes. Os PMs usaram spray de pimenta para “deter quem só estava ali fazendo bagunça” e atacaram um grupo de estudantes secundaristas. Alunos e jornalistas foram agredidos. Segundo a Policia Militar uma pessoa foi presa durante o protesto.

Foto: Mídia NINJA

Além da agressão física da PM, jornalistas tiveram os seus equipamentos quebrados por um policial, que também ameaçou quebrar o celular de uma estudante — antes de acertá-la com spray de pimenta.

Além do protesto na capital, mais de 25 cidades realizaram manifestações na manhã dessa sexta-feira (9).

Os Professores, ligados ao Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), também realizaram ato contra a proposta na Rodovia Régis Bittencourt, em Taboão da Serra, na região metropolitana de São Paulo. O protesto resultou em um congestionamento com cerca de dois quilômetros de extensão.

Após quase três horas e meia de protesto e cinco quilômetros percorridos, a manifestação terminou por volta das 11h30, em frente à Secretaria Estadual de Educação.

 

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

POSTS RELACIONADOS

Governo de Mato Grosso quer fechar escolas periféricas

Secretaria de educação alega “reorganização” para o fechamento de ao menos três unidades com décadas de funcionamento em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá. População e ex-alunos estão mobilizados para impedir esse absurdo num momento em que ninguém sabe como será o próximo ano letivo por conta da Covid

10 Anos de Mostra Luta!

Entender e propor discussões sobre o momento atual e seus caminhos, as diversas faces e forças que muitas vezes oprimem a classe trabalhadora. Refirmar, dar