(IN)Justiça de SP manda despejar milhares de pessoas em Carapicuíba

ARQUITETURA DA DESTRUIÇÃO: Em quatro horas, a Cidade de Carapicuíba prova que destruir 700 casas é muito mais fácil do que construir uma só moradia digna

Por Laura Capriglione e Lucas Martins, dos Jornalistas Livres

Sob temperatura de 37ºC, a Justiça de São Paulo autorizou nesta quinta (12/9) a destruição de mais de 700 moradias precárias, ocupadas por idêntico número de famílias, representando algo entre 3.000 e 4.000 pessoas, que ocupavam há 3 anos um terreno conhecido como Comunidade do Escadão, localizado na cidade de Carapicuíba, na Grande São Paulo.

O terreno pertence à Cohab de São Paulo, estatal que tem como principal acionista a Prefeitura Municipal de São Paulo, administrada por Bruno Covas. Oitocentas crianças cadastradas pelo Conselho Tutelar perderam o endereço em poucas horas, deixando brinquedos e cadernos para trás. Muitas abandonarão as escolas, porque viverão longe daquelas em que estavam matriculadas.

O prefeito de Carapicuíba, Marcos Neves, do Partido Verde, não se dignou a aparecer no local, embora tenha frequentado aquela favela durante a campanha eleitoral de 2016. Na ocasião, ele prometeu “buscar recursos nos projetos habitacionais do governo do Estado e governo Federal, além de cobrar agilidade nas ações do Programa Cidade Legal, do Governo do Estado, para concluir o trabalho de regularização e entregar o título de posse aos moradores [que ocupam lotes irregulares].

Em vez de cumprir suas promessas, o prefeito da cidade nem sequer providenciou um galpão para abrigar os flagelados. A defesa civil foi orientada a não distribuir garrafinhas de água para os moradores desalojados, apesar do calor desalmado e do fato de o fornecimento de água para a favela já ter sido cortado de véspera. Auxílio-moradia, então, nem pensar. De acordo com a Prefeitura de Carapicuíba não existe a obrigatoriedade do benefício nesse caso.

Uma imensa operação de guerra foi montada para forçar os moradores a sair de suas casas nas primeiras horas do dia. Centenas de policiais militares em terra, helicópteros, tropa de choque, além dos agentes fortemente armados da Guarda Civil Metropolitana de Carapicuíba, que portavam armas de canos longos, invadiram a Comunidade do Escadão a partir das 6h da manhã, enquanto máquinas retroescavadoras demoliam os barracos.

A imprensa foi orientada a cobrir todo o evento a partir de um campo de futebol, onde havia banheiros químicos e distribuição de garrafinhas de água e de kits com suquinho, sanduíche e banana. A PM bloqueava o acesso dos profissionais de imprensa ao interior da comunidade, alegando questões de segurança, já que havia fogo e demolição ocorrendo nas vielas estreitas.

O que se verá a seguir é o registro exclusivo e sem cortes obtido pelos Jornalistas Livres, que percorreram o local com uma câmera baixa, a 30-40 centímetros do chão, para não chamar a atenção dos policiais e dos agentes da Guarda Civil de Carapicuíba. O único momento em que a câmera foi levantada ocorreu durante o registro da prisão de uma moradora que tentou voltar ao barraco em vias de demolição para resgatar seu gato. Impedida de recolher o animal pelos PMs, desesperada, ela os chamou de “malditos”. Foi presa por “desacato”.

A PM bloqueava o acesso dos profissionais de imprensa ao interior da comunidade, alegando questões de segurança, já que havia fogo e demolição ocorrendo nas vielas estreitas. Mas, mesmo em áreas isentas de risco, os jornalistas eram impedidos de entrevistar moradores e trabalhadores, como se vê neste vídeo, intitulado PM TENTA IMPEDIR JORNALISTAS LIVRES DE MOSTRAR O DRAMA DO DESPEJO EM CARAPICUÍBA (SP)

Veja abaixo uma galeria de fotos da reintegração

Este slideshow necessita de JavaScript.

Categorias
DestaquesDireitos HumanosDireitos SociaisGeralHabitaçãoLuta por MoradiaMoradiaMovimentos SociaisOcupaçõesPolíticaSão Paulo
4 comentários:
  • Carlos
    13 setembro 2019 at 13:47
    Comente

    Vocês falam isso porque não são vocês quem moram aqui e estavam rodeados dessas favelas aparecendo com infinitos assaltos e bocas de fumo aparecendo em todos os cantos. Vai alugar um apartamento na cohab ali, na rua onde começaram a favela e vamos ver se seus bens pessoais vão durar mais de uma semana morando do lado deles. Vocês são o sal da terra.

  • Antônio elismar de Freitas
    13 setembro 2019 at 13:57
    Comente

    Com certeza vão doar os terrenos para pop.eles venderem p quem tem dinheiro. Essa é a gestão Bruno e Doria.

  • Eliane Veronese
    14 setembro 2019 at 17:43
    Comente

    Preciso entrar em contato com a jornalista Laura Capriglione. Mandei e-mail para contato e não recebi resposta.

  • Benedito
    14 setembro 2019 at 17:50
    Comente

    Como sempre o povo , sem respaldo.
    Enquanto os políticos vira as costas .
    Na hora do voto , todos estão no local dando tapinhas nas costas de todos.
    Isso e revoltante.
    Esse e e nosso Brasil.

  • Deixe uma resposta