ID JOVEM: A quem interessa o direito da juventude?

Por Henrique F. Marques

Revisão de Agatha S. Azevedo

Criado em 2015, o ID JOVEM tinha a proposta de auxiliar jovens (de 15 a 29 anos) de baixa renda a conseguir viajar pelo país, frequentar ambientes sócio-culturais, como teatro e cinema. Criado no Governo Dilma, o projeto visava dar mais oportunidades aos estudantes porém, uma das medidas golpistas do Governo de Michel Temer foi suspender o projeto.

Ao procurar os motivos da suspensão no site do projeto, encontramos várias dificuldade, por exemplo a URL da audiência pública é inacessível, ou seja: da erro ao tentar entrar no site. Essa é uma maneira de não explicar, plausivelmente, o motivo da suspensão da ID Jovem. Procuramos também nas redes sociais do Planalto e do Temer mas também não há explicação, além disso tentamos contato com o Whatsapp publicado pelo SNJuventude, porém até o momento não obtivemos resposta.

Essa é, sem dúvidas, mais uma medida contra a educação dos jovens do país, após a PEC que congela os gastos da educação por 20 anos. O programa ajudava diretamente os jovens a acessar, muitas vezes, programas culturais que sem o mesmo, eles não frequentariam. Carlos Jáuregui, que é professor universitário, do Instituto de Comunicação e Artes (ICA) do Centro Universitário UNA, diz que “em termos de formação profissional, a gente tem que pensar muito bem quando deixamos de investir na juventude, pois estamos criando um problema e um atraso para o país na ordem de 20, 30 até 40 anos. O jovem que tem hoje cerca de 20 anos e não recebe o devido investimento em sua formação, está deixando de ser um cidadão produtivo, engajado e informado nas próximas decadas, que ficarão prejudicadas”.

Até julho de 2017 havia cerca de 230.991 IDs emitidas no país, até quando que a educação desta, e das próximas, serão sucateadas pelo governo Temer?

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.

Categorias
Assistência SocialBelo HorizonteCinemaDireitos Humanos

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.
Um comentário
  • Maria Antonia Cardoso
    24 maio 2018 at 13:01
    Comente

    A idéia é antiga. É manter os jovens sem contato uns com os outros. Não passa só pela educação mas pelo controle do estado, dos municípios em relação ao conhecimento que se adquire sobre o que ocorre politicamente no país. Faz parte do golpe que não assume o modelo ditatorial mas, disfarçadamente regula o comportamento da juventude.Isso existe em relação à estados, a divisão norte, sul, centro onde a comunicação é cerceada e essa divisão faz com que noticias por exemplo, do que ocorre no sul ,não seja sabido no restante do estado. É geopolítico.É muito grave esse fato.

  • Deixe uma resposta

    AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish