A GENTE CHORA PORQUE FINDA A TARDE

A esperança, de repente, aceita a gente do jeito que no mundo nos fizemos mesmo, parto de Macunaíma, coisa longa de se entender. Tem jeito não, nossa cara lentamente se afirma. É índio, é Zé, é puta, é preto.

Artista, quero teu couro. Oficina é carne da gente, pisada por alguém e além.

Que venha. Que a água santa, de cheiro, nos lave e o nome que sentimos imponha uma cara mista na partida e picada de antigos espelhos. Adeus, venha a uzona e usina que nos queima e purifica.

Afinal, para que servem as ruas?

Nos purifica o fogo desse momento de golpe e labirinto místico.

Amém.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Fontes, Falas e Alas

A disputa de narrativas e da opinião pública entre a ala militar, a ala ideológica e as dissidências pela direita e extrema direita no Brasil

Na medula do verbo

Na medula do verbo

Hoje, o Café com Muriçoca traz a recomendação de leitura da obra “Na medula do verbo”, de Michel Yakini-Iman.